Empresas Gazela 2018 Soluções tecnológicas ao serviço da saúde

Soluções tecnológicas ao serviço da saúde

Take the Wind tem como objectivo capacitar profissionais e estudantes de forma a reduzir o impacto dos erros clínicos.
Soluções tecnológicas ao serviço da saúde

A Take the Wind (TTW) é uma empresa líder em tecnologia para educação clínica, com clientes em todo o mundo, incluindo sociedades científicas globais, hospitais, escolas médicas e de enfermagem, instituições de educação continuada e farmacêuticas, actuando em mais de 35 países. A missão da empresa, fundada em Janeiro de 2008 por Teresa Pinto e Pedro Pinto, é capacitar profissionais de saúde e estudantes para reduzir o impacto dos erros clínicos. A visão é ser o sistema de educação clínica mais confiável, envolvente e adoptado no mundo.

 

A TTW sempre combinou "ciência, design e tecnologia para oferecer soluções educacionais na área da saúde", recorda Pedro Pinto, um dos fundadores da empresa. "A sua experiência na transformação de conteúdos científicos complexos em ambientes virtuais que juntam conceitos de jogo, de aprendizagem baseada na resolução de problemas e de elevado realismo e rigor científico permite-lhe conceber produtos únicos e de impacto global." Em 2016, a empresa ganhou o prémio de Best Product in Show num evento de simulação médica mundial, o IMSH em San Diego, relembra. A TTW foi também nomeada para o índice Deloitte Fast 500 de 2017 que lista as 500 empresas tecnológicas de maiores crescimento na zona EMEA – Europa, África e Médio Oriente.

  

A TTW tem 26 colaboradores, em Coimbra, em engenharia biomédica, bioquímica, engenharia de software, design gráfico, gestores de projecto e desenvolvimento comercial. Exporta 96% do seu volume de negócios.

 

Para Pedro Pinto, o patamar de exigência das empresas gazela "torna as organizações mais competitivas, gera mais ideias, mas também mais desconforto, mais trabalho, mais mundo e muitas milhas percorridas". Apesar de correrem mais riscos e terem um ritmo de trabalho intenso, os resultados costumam ser "mais sustentados, mais aferidos pelo mercado e mais recompensadores".

 

Questionado sobre o significado de ser empresa gazela, responde que a TTW gosta de "estar e viver na região Centro". "E o reconhecimento da qualidade do trabalho que desenvolvemos pela comunidade onde nos inserimos é recebido pela nossa equipa com muita satisfação."

 

Sobre o que deve mudar no tecido económico da região para ter mais vitalidade, Pedro Pinto afirma que o Centro tem algumas "dinâmicas a despontar, mas nota-se a falta de lideranças ambiciosas e um plano estratégico agregador". Parece estar ainda numa fase de start-up a atravessar o "vale da morte" que não deixa libertar o elevado potencial das suas gentes.

 

As regiões sustentáveis no futuro serão as que "relacionarem de forma inteligente os projectos educativos das crianças e jovens, o ritmo das indústrias culturais, o turismo, a requalificação dos centros históricos, o ambiente com os factores geradores de riqueza que resultam do dinamismo empresarial com capacidade de criar emprego, atrair capital, crescer globalmente, continuar a investir".

 

A bandeira da TTW

 

O produto-bandeira da TTW, o Body Interact, é um sistema clínico adoptado em todo o mundo para treinar e avaliar os alunos na tomada de decisões e no pensamento crítico através da interacção de pacientes virtuais realistas em centenas de cenários clínicos. É baseado num conceito de simulação da realidade, como um "simulador de voo", mas focado em profissionais de saúde.

 

O Body Interact, acrescenta Pedro Pinto, permite que profissionais e estudantes de Medicina e Enfermagem acelerem a aprendizagem, desenvolvam competências clínicas e alcancem a excelência no desempenho profissional.