MBA 2018 Uma vantagem para a carreira

Uma vantagem para a carreira

Evoluir como pessoa e profissionalmente é um dos objectivos de quem quer fazer um MBA. É um trunfo que diferencia para quem quer melhorar os conhecimentos de gestão, mudar de carreira ou ter um salário mais elevado.
Uma vantagem para a carreira

Ganhar competências de liderança, adquirir conhecimentos para evoluir como gestor, progredir na carreira, mudar de carreira, auferir um salário mais alto… estes são alguns dos motivos que levam um profissional a fazer um Master in Business Administration (MBA).

 

Esta aposta exige esforço e aplicação da parte dos profissionais e que se faça um investimento financeiro avultado – ver custo dos cursos, calendário e horário nos sites da Católica Porto Business School, INDEG-ISCTE e ISEG. No entanto, o objectivo é ter o retorno desse mesmo investimento.

 

Ana Côrte-Real, "associate dean" para a formação executiva da Católica Porto Business School, diz que o motivo pelo qual se deve fazer um MBA é só um: "Apostar no desenvolvimento pessoal e profissional; mas este motivo, naturalmente, subdivide-se noutros motivos mais específicos."

 

A aposta no MBA, avança a professora, está muitas vezes associada a "um próximo passo na carreira". Depois de alguns anos de experiência profissional, de alcançado um determinado patamar, o gestor sente que "precisa de algo mais para poder continuar a evoluir". E um MBA adiciona "competências de gestão mais específicas, como liderança, inovação e empreendedorismo ou pensamento estratégico, que são absolutamente críticas para cargos de gestão de topo".

 

Um outro motivo está relacionado com a "criação de rede". "Um MBA expõe participantes a professores de várias nacionalidades, a colegas de diferentes ‘backgrounds’ e sectores de actividade, à rede alumni, à rede empresarial associada ao programa", o que enriquece os alunos dos MBA e lhes dá "novas oportunidades e desafios".

 

A "mudança de carreira" é também um importante motivo para se apostar no MBA. Assim como a possibilidade de, no fim do mesmo, "a empresa aumentar a remuneração do colaborador". Este impacto está associado à "reputação das escolas" nas quais os colaboradores realizam o MBA.

 

"Em síntese, um MBA prepara os gestores para marcarem a diferença no mundo empresarial, mesmo que num contexto complexo e em permanente evolução. Permite a mudança da trajectória de carreira e abre caminho para posições de liderança."

 

Sobre a forma como as empresas e a economia nacional ficam a ganhar, tendo cada vez mais executivos com MBA, o MBA Executivo foi pensado no pressuposto de que, "sendo as empresas organizações sociais, movem-se num contexto impactado pelas instituições que governam a sociedade e pela tecnologia". A sua existência é idealizada como "um conjunto de contratos" que definem e delimitam o perímetro da empresa. Tal condiciona a abordagem que a escola propõe para o ensino e a prática da gestão, enformando "uma visão sobre o nascimento, o crescimento e a morte das empresas". "Sustentam explicações para a diversidade de soluções empresariais que encontramos internacionalmente e mesmo dentro do país." A organização assim "não emerge naturalmente no vácuo" e, como é necessário "um empreendedor que lhe dê ‘vida’ e ‘alma’, é essencial separar e identificar os factores que explicam o seu surgimento e a sua existência, para armar os gestores com as ferramentas que permitem que a instituição resultante deste acto de criação seja robusta e sustentável, respondendo aos anseios com que foi criada".

 

"Neste sentido, quanto mais profissionais qualificados fizerem parte dos quadros das empresas, mais estas poderão estar aptas a melhorarem a sua qualidade da gestão e aumentarem o seu impacto na economia portuguesa".

 

Expectativa de mudar de carreira

 

Jorge Gomes, professor associado do ISEG, director e coordenador científico do MBA, explica que as razões para se fazer um MBA são normalmente as seguintes: "Estruturar e organizar os conhecimentos e a experiência adquirida em gestão; adquirir conhecimentos avançados em gestão, ou refrescar os que se adquiriram em formações anteriores; avançar na carreira e no salário, seja através de melhor preparação técnica, seja através da capitalização da network criada num MBA; e desenvolvimento pessoal e profissional."

 

Pessoalmente, acredita que muitos querem fazer um MBA porque "é uma formação que traz a expectativa de mudança de carreira". A experiência que tem revela que um MBA traz, de facto, mudança, mas não só na carreira. "Com efeito, é uma formação que também transforma a pessoa, devido ao desafio, à duração, à intensidade e ao conhecimento adquirido", garante Jorge Gomes, lembrando ainda uma última razão para fazer um MBA: "Os ganhos para a organização."

 

Quanto às vantagens de o país ter cada vez mais executivos com MBA, lembra que "a educação é um factor de competitividade importante para empresas e sociedades e é um elemento fundamental para o progresso sustentado e sustentável". Sendo uma formação avançada, o MBA contribui para este desígnio, em termos muito gerais, diz. Diferencia-se, porém, de outros produtos formativos "dado o seu foco na renovação e recriação da gestão e administração de empresas e organizações". "A gestão e administração são funções essenciais para a sobrevivência e crescimento de todo o tipo de organizações, pelo que melhores profissionais em funções de gestão é sinónimo de maior potencial organizacional para se crescer e se vingar em ambientes empresariais hipercompetitivos e globais."

 

Trunfo importante

 

Paulo Bento, presidente do INDEG-ISCTE e director do Executive MBA, explica que "as motivações para realizar um MBA podem ser muito diversas e decorrem do reconhecimento de que o mesmo é um importante trunfo para potenciar o desenvolvimento da carreira".

No que diz respeito à forma como Portugal e a sua economia ficam a ganhar, tendo cada vez mais executivos com MBA: "A economia de um país só tem a ganhar por ter gestores altamente qualificados e competentes e os MBA são uma parte relevante nesse processo de ‘upgrade’ de qualificação de competências."




pub