Mestrados e Pós-graduações 2018 Circular à vontade… mesmo ficando na mesma instituição

Circular à vontade… mesmo ficando na mesma instituição

Alunos devem escolher a mesma instituição na qual se licenciaram ou escolher outra?
Circular à vontade… mesmo ficando na mesma instituição

Sobre a opção de um aluno se manter na mesma instituição na qual se licenciou ou escolher outra, Ana Côrte-Real e Francisca Oliveira explicam que nas pós-graduações, uma vez que o candidato já detém experiência profissional, "não há qualquer inconveniente em optar pela mesma instituição onde realizou a licenciatura e/ou o mestrado". "A nível dos mestrados, ambas as opções são válidas e apoiamos os nossos alunos de licenciatura que optem por qualquer uma das duas vias."

 

Muitos pretendem ficar na mesma instituição porque olham para o mestrado como uma continuação natural da licenciatura. "Nestes casos, tentamos que a escolha do segundo ciclo seja a que melhor responde às expectativas do aluno em termos de formação de base." Outros escolhem fazer o segundo ciclo noutra instituição. Porque a formação que pretendem não existe na Católica Porto Business School ou querem uma experiência nova. "Também aqui os apoiamos nas escolhas. Vemos esta opção como muito positiva e a mais ajustada para um determinado perfil de alunos."

 

José Varejão relembra que o espírito do processo de Bolonha é precisamente o de promover a circulação entre diferentes áreas de formação e escolas. No entanto, "abrem-se hoje oportunidades de o fazer com ou sem mudança de instituição". "Todas as boas escolas oferecem possibilidades de formação que incluem a frequência de disciplinas em áreas do conhecimento diferentes das nucleares do curso de mestrado que o estudante possa escolher e também de circulação internacional entre várias escolas. A mobilidade já não é sinónimo de mudança de escola", diz.

 

No fundo, continua o professor da FEP, depende dos objectivos pessoais de cada um. O mais importante para um estudante é escolher uma instituição de prestígio que assegure uma formação de qualidade.

 

Segundo José Manuel Veríssimo, a sua experiência diz que que 2/3 dos alunos vêm de outras instituições. Os alunos aproveitam para "diversificar". Por vezes, tal acontece porque nas escolas de origem, onde fizeram a licenciatura, não têm essas formações específicas. "Diria que o mais importante tem a ver com o grau de especialização de cada curso. O facto de haver uma experiência acumulada nessa área faz com que muitos alunos progridam e continuem connosco. Tem um pouco a ver com a disponibilidade que esse aluno encontra na escola de origem para prosseguir essa especialização".




pub