Mestrados e Pós-graduações 2018 Última palavra é dos alunos

Última palavra é dos alunos

Escolas orientam e auxiliam alumni para o futuro
Última palavra é dos alunos

Após o processo de Bolonha, as licenciaturas ficaram mais curtas e não permitem uma especialização. São por isso muitas vezes vistas como insuficientes, o que pode dificultar a entrada no mercado de trabalho. Assim, devem os alunos das licenciaturas serem aconselhados nas escolas a prosseguirem para mestrado ou pós-graduação? Ana Côrte-Real, "associate dean" para a formação executiva, e Francisca Oliveira, "associate dean" para os mestrados da Católica Porto Business School, afirmam que "um aluno recém-licenciado não tem acesso, nem faria sentido tê-lo, a uma pós-graduação, uma vez que é uma formação claramente para candidatos com experiência profissional mínima de três anos". "Neste cenário, se o desejo do aluno é prosseguir estudos, o que faria sentido seria optar por um mestrado", explicam.

 

"No caso de termos um candidato que possua apenas licenciatura, mas com um percurso profissional relevante, a nossa orientação parte de uma análise rigorosa do seu percurso, quer académico, quer profissional dos objectivos pretendidos com a formação, e do impacto pretendido com o curso." Com base nesta análise, a escola pode indicar a realização de um mestrado, de uma pós-graduação, de um curso executivo de curta duração ou, por vezes, de um MBA. "Tudo depende da fase de carreira, dos objectivos, da disponibilidade de tempo e do investimento pretendido por parte do candidato."

 

Personalizar o curso

 

José Varejão, director da Faculdade de Economia da Universidade do Porto (FAP), diz que os conselhos dados aos alunos são, sobretudo, para "personalizarem o seu percurso, desenhando-o à medida das suas preferências, expectativas e até incertezas". Segundo o professor, há alunos que sabem que querem fazer um mestrado numa determinada área e outros que querem fazer uma pausa no fim da licenciatura e ter uma primeira experiência de trabalho. No final, a vontade de ingressar num mestrado, imediatamente ou a curto-médio prazo, existe, por saberem que é isso que os empregadores também procuram.

 

"Efectivamente, verificamos que, apesar da apreciação muito positiva que fazem do desempenho dos licenciados da FEP, em geral, as empresas procuram crescentemente detentores do grau de mestre devido, sobretudo, ao investimento que fazem no acolhimento dos novos quadros, que aumenta o custo de os perder quando estes se inscrevem num curso de mestrado".

 

Todavia, na FEP, prossegue José Varejão, aconselha-se acima de tudo os estudantes a fazerem um exercício (apoiado) de autoconhecimento que permita fazer uma escolha mais informada. "Ainda este ano lançámos em conjunto com a Associação de Antigos Alunos e com a Associação de Estudantes um programa de ‘mentoring’ dirigido a finalistas dos cursos de licenciatura, que tem por finalidade, precisamente, promover esse exercício com o apoio dos alumni da faculdade", informa.