A diferenciação como factor de atracção

Depois do grande crescimento o turismo tem de aumentar a qualidade, ter uma boa oferta com inovação e crescer de uma forma sustentada.
A diferenciação como factor de atracção
Cityrama, CP, Caravel on Wheels e APECATE participaram no painel de discussão.
Inês Lourenço
Filipe S. Fernandes 10 de abril de 2017 às 15:45
A diversificação e a diferenciação são aspectos-chave nos negócios do turismo. A Cityrama procura realizar estes dois aspectos através de parcerias. Nesta altura está a estudar a participação num projecto de circuitos turísticos no rio Tejo com um parceiro. "O nosso espírito tem sido: quando não sabemos ou não podemos fazer recorremos a parcerias. No caso dos barcos trata-se mais do apoio que o Grupo Barraqueiro pode dar a uma empresa que decidiu fazer um investimento. A ideia é fazer pontos de ligação e as pessoas poderem fazer partes do percurso de barco" explica Pedro Neto, director-geral da Cityrama. "Lisboa está a fazer muitos investimentos no Tejo e pretendemos apoiar novos interesses turísticos como a finalização do Palácio da Ajuda, o pilar da ponte sobre o Tejo que vai ter um elevador para no futuro alimentar esses pontos de interesse" acrescenta.

João Tarrana considera que estes aspectos ganham se os operadores, como os de tuk-tuk, tiverem uma estratégia integrada e falarem com os parceiros. Na APECATE estão cerca de 150 tuk-tuks e o objectivo é "ter empresas que estão dispostas a organizarem-se, a fazer as coisas de forma estruturada e criar sinergias". O responsável da APECATE refere que "em termos de diferenciação já falamos com alguns presidentes de junta que não estão na zona central de Lisboa e a ideia seria descentralizar os pontos de interesse como o MAAT em Belém. É importante criar novos centros de atractividade, que nós temos de saber passar e vender. Como a Rota de Arte Urbana, em que durante o espaço de uma semana há actividades de graffiters em determinadas zonas da cidade como Carnide e Lumiar".

O factor História e a experiência

A história pode ser um factor de diferenciação, como é o caso da Caravel on Wheels, que se embrenhou na história de Lisboa romana e do tempo dos Descobrimentos para desenhar um produto com vídeo e tecnologia. Pedro Neto diz que a Cityrama vai lançar uma rota sobre Portugal na Segunda Guerra Mundial sobre os ninhos de espiões que pululavam em Lisboa e na linha de Cascais. Salienta que "um produto novo precisa de dois anos para se afirmar e começar a dar dinheiro. Por isso temos de ter outros a alimentar estas novas propostas".

O director-geral da Cityrama sublinha que a diversidade e a diferenciação podem ajudar a sazonalidade e conseguir aumentar o tempo de estadia dos turistas. "Há um aspecto muito importante que é o número de dias que o turista fica em Lisboa e que anda à volta dos três a quatro dias. E normalmente quer conhecer Lisboa, Sintra-Cascais, ir a Fátima-Óbidos. Temos de conseguir que fique mais tempo ou que volte".

Filipa Ribeiro chama a atenção para um aspecto essencial no turismo que é a experiência. "Para o turista a experiência começa na viagem porque o comboio permite uma série de experiências e vai a sítios em que não vai mais nenhum meio de transporte, como por exemplo o Douro. Há a possibilidade para ir de barco e a experiência será tão interessante como ir de comboio e há muitas pessoas que fazem uma viagem de comboio e o regresso de barco e vice-versa" refere a directora de marketing da CP.

O mobile manda na procura

"Cerca de 70% dos turistas que procuram os tuk-tuk fazem-no através de dispositivos móveis" refere João Tarrana, da APECATE. Como diz Susana Baptista Fernandes, directora de marketing da Caravel on Wheels "o mobile impôs-se e não interessa ter um site muito bonito se não funcionar no mobile".

Se o transporte faz parte da viagem do turista, este começa a fazer o seu planeamento muito antes. Uma grande parte das pessoas prepara a sua viagem, fazem pesquisas, informam-se antes de tomar a decisão. Dados do INE, referentes ao terceiro trimestre de 2016 mostravam, por exemplo, 49,9% das viagens dos turistas portugueses fora de Portugal tiveram a internet na origem da organização de deslocações.

O mobile impôs-se e não interessa ter um site muito bonito se não funcionar no mobile.  Susana Fernandes
Directora de Marketing da Caravel on Wheels


"Quando alguém pesquisa Lisboa ou Porto, a CP tem de aparecer no topo da página. Existem ferramentas que se compram e que se trabalham. Compramos espaço no digital e quase conseguimos falar com os 'targets' seleccionados com grande precisão. Tem a ver com os gostos das pessoas, o que pesquisam, os seus interesses. Atingimos de uma forma muito específica os segmentos que me interessam. Depois temos de medir, porque se não avaliar não serve de nada, não sabemos qual é a concretização desta acção. É um processo demorado e que requer investimento nos meios digitais porque tenho de ter um 'tracker' do que acontece desde que vou buscar a pessoa até efectuar a compra" refere Filipa Ribeiro. "Estarmos 'always on' nas pesquisas, o que já fazemos há alguns anos, tem retorno porque o que nós queremos é trazer as pessoas para os nossos meios para depois lhe darmos a informação completa. Depois nem toda a venda é feita por nós, nem vendemos tudo online".

Mobile e plataformas

"Cerca de 70% dos turistas que procuram os tuk-tuk fazem-no através de dispositivos móveis" refere João Tarrana. Por isso, as campanhas e os sites são desenhados para funcionar sobretudo no mobile, ficando o desktop para segundo plano. Como diz Susana Baptista Fernandes, "o mobile impôs-se e não interessa ter um site muito bonito se não funcionar no mobile".

A capacidade de estar no topo da lista tem a ver com a forma como a campanha é desenvolvida. João Tarrana
Responsável pelo departamento de veículos da APECATE


"Depois a capacidade de estar no topo da lista tem a ver com a forma como a campanha é desenvolvida" acrescenta João Tarrana. Uma das formas é integrar plataformas como a Lisboa Car que agrega várias ofertas. Para Pedro Neto, "há parceiros que já fizeram grandes investimentos e temos de optar se fazemos também esses investimentos ou se aproveitamos os investimentos feitos por esses parceiros. Temos de arranjar forma de quem entra na plataforma entre nos nossos produtos e não saia porque temos uma oferta tão diversificada e integrada que se consiga ficar com o cliente".




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar