André Veríssimo: “O país precisa de taxas de crescimento mais elevadas”

O director do Negócios, André Veríssimo, comenta os números do crescimento do PIB em 2017 e as perspectivas para este ano.
A carregar o vídeo ...
Negócios 15 de fevereiro de 2018 às 14:36



A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 semana

Tem que se dizer com as palavras todas, alto e em bom som: 2,7% na actual conjuntura europeia e mundial é um crescimento MEDÍOCRE. Enderecem os vossos parabéns ao governo de Costa e Cia.

comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Com a conjuntura que se vive é um resultado à socialista/comunista, ou seja, fraquissimo. Depos da casa arrumada nos anos da troika, o turismo a bombar como nunca, as economias europeias a crescer bem mais que a nossa, o preço do petróleo baixo, etc, deviamos estar acrescer nesta altura à volta de 4%.

Oráculo Há 1 semana

Bem, 2,7 % de CRESCIMENTO DO PIB é muito muito melhor do que DECRESCER 10% como aconteceu com o governo pafiento dos mais troikistas que a troika! Esses , NUNCA mas nunca mais!

HAHAHAHAHAHAHAHAHA Há 1 semana

Tipo 1% de crescimento e 17% de desemprego e um aumento de 35% da divida face ao PIB como foi com os aldrabões? este acha que somos parvinhos

José Há 1 semana

Quem chega a uma conclusão destas? Só um génio.... kkkk

ver mais comentários
pub