As armas e as dúvidas do líder do BCE

Na maioria das vezes, mais difícil do que iniciar uma política de estímulos, é terminá-la. É esse o desafio que Mario Draghi tem pela frente nos dois anos de mandato que lhe restam. Após seis anos de combate à crise, em que levou o banco central para um novo patamar na capacidade de influenciar a Zona Euro, a recuperação da economia e dos preços em 2017 parece apontar para que nos estejamos a aproximar do início do fim das políticas extra-expansionistas. Mas será que a economia, os salários e os preços aguentam juros mais elevados?
As armas e as dúvidas do líder do BCE
Reuters
Rui Peres Jorge 29 de agosto de 2017 às 12:02




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 29.08.2017

BCE terá de subir já a taxa directora. E já vai tarde, como sempre.

Saber mais e Alertas
pub