Casa Santos Lima: Um brinde com o mundo a partir de Alenquer

Depois dos mercados ditos tradicionais, a Casa Santos Lima está a explorar novas geografias, não tão habituadas ao consumo de vinho. Índia, Indonésia, Ucrânia ou Bielorrúsia são alguns dos exemplos, numa empresa onde o negócio fora de fronteiras já é quase a totalidade.
Casa Santos Lima: Um brinde com o mundo a partir de Alenquer
A Casa Santos Lima foi distinguida em 2015 na categoria de Sector Estratégico dos Prémios Exportação e Internacionalização.
Wilson Ledo 19 de outubro de 2017 às 11:14
Bons Ventos, Lab, Quinta das Setencostas ou Cigarra. Se nunca ouviu falar destes vinhos, provavelmente não é um grande apreciador deste néctar.

Se é dos que perde tempo a analisar os rótulos das garrafas, há motivo para preocupação: já 50 países em cinco continentes ouviram falar destes vinhos e estão a abrir estas garrafas para brindar aos bons momentos.

Quem os leva além-fronteiras, entre outras marcas, é o maior produtor de vinho de Lisboa, a Casa Santos Lima - um negócio familiar que ganhou outra vitalidade na década de 1990, quando a neta e o bisneto do fundador assumiram a gestão desta empresa com origens no final do século XIX, plantando mais vinha e modernizando a estrutura produtiva.

Em 2015, foi distinguida, na área de Exportação dos Prémios Exportação e Internacionalização - uma iniciativa conjunta do Negócios e do Novo Banco - com a categoria de Sector Estratégico. Porquê este prémio? Basta olha para os números para compreender parte da justificação.


25
Facturação
A Casa Santos Lima registou uma facturação de 25 milhões de euros em 2016, um crescimento face ao ano anterior.


Dos 25 milhões de euros que a Casa Santos Lima factura anualmente, segundo os dados de 2016, 90% vêm já da exportação. Suécia, Estados Unidos da América, Bélgica, Canadá, Finlândia, China, Noruega, Reino Unido, Alemanha ou Brasil são apenas alguns dos exemplos mais relevantes apontados pela empresa, entre a meia centena para onde já exporta vinho.

"Visto que já estamos presentes nos mercados mais tradicionais, queremos também agora explorar mercados com menos tradição no consumo de vinho. Aliás, nos últimos anos começámos a vender vinhos para países como Índia, Indonésia, Ucrânia ou Bielorrússia", conta Salvador Stilwell, porta-voz deste produtor vinícola.

O Prémio Exportação e Internacionalização não mudou a estratégia quanto aos mercados externos mas funcionou como uma "honra" e um "incentivo" para fazer mais e melhor.

"Vários dos nossos parceiros já conhecem o nosso fulgor comercial e ficam, claro, agradados em ter um parceiro que é reconhecido pela imprensa especializada no seu país", acrescenta o responsável. Em Portugal, o prémio serviu também para "aumentar a notoriedade" junto do tecido empresarial com que a Casa Santos Lima trabalha.


90%
Exportação
A exportação representa 90% da actividade da Casa Santos Lima, com sede em Alenquer, nos arredores de Lisboa.


Em Março de 2016, já depois da distinção do Negócios e do Novo Banco, o presidente do conselho de administração da Casa Santos Lima, José Luís Santos Lima Oliveira da Silva, explicava que a forte componente exportadora se devia à "relação qualidade-preço e ao design criativo" dos produtos. "Parte integrante da atitude e filosofia da empresa", acrescentava então.

São aspectos para manter na aproximação aos mercados externos por parte desta empresa que produz e comercializa vinhos de cinco regiões do país - Lisboa, Douro, Vinhos Verdes, Alentejo e Algarve - com mais de 400 hectares. Para tal, a estratégia está bem definida.

"Estar presente nos diferentes mercados é essencial. Ir a diversas feiras e provas de vinhos, conhecer pessoalmente o cliente, criar uma relação. As visitas sistemáticas a mercados externos fazem com que se ganhe conhecimento e experiência, que serão essenciais para uma correcta abordagem e definição de estratégia nestes mercados", resume Salvador Stilwell.

Por isso mesmo, há motivos para brindar. Seja com Bons Ventos, Lab, Quinta das Setencostas ou Cigarra. O difícil é escolher.

Um percurso de prémios

Além do Prémio Exportação e Internacionalização em 2015 como Sector Estratégico, a Casa Santos Lima tem tido um percurso marcado por diversos prémios, dentro e fora de fronteiras. No ano passado, a empresa foi distinguida com o Prémio Nacional de Agricultura, que destaca casos de sucesso no referido sector. A esta distinção veio também em 2016, do estrangeiro, outra da World Association of Writers and Journalists of Wine and Spirits (WAWJWS). A associação de imprensa especializada em vinho destacou a Casa Santos Lima, com sede em Alenquer, como a terceira melhor empresa de vinho do mundo. Para chegar aos vencedores, a WAWJWS faz um balanço dos prémios conquistados pelos produtores ao longo do ano anterior em vários concursos internacionais. No caso da Casa Santos Lima, essas medalhas ultrapassam já a fasquia de uma centena por ano. A intenção é de que continuem a aumentar com a aposta crescente no mercado externo.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
Saber mais e Alertas
pub