Especial do júri: A rolha que a história apurou e o mundo abraçou

É de tradição e sustentabilidade que se faz o percurso da Amorim & Irmãos. O negócio de rolhas da Corticeira Amorim vende já em 82 países. São 15 mil os clientes activos na base.
Especial do júri: A rolha que a história apurou e o mundo abraçou
O júri optou por distinguir a Amorim & Irmãos com o seu Prémio Especial.
Pedro Elias
Wilson Ledo 03 de Janeiro de 2017 às 14:51
Vila Nova de Gaia, 1870. Em plena região do Vinho do Porto, surge uma pequena fábrica de rolhas de cortiça: a Amorim & Irmãos. Hoje, usar esse nome é falar do maior produtor e fornecedor de rolhas de cortiça a nível mundial.

"A proximidade com os produtores de vinho cedo contribuiu para criar afinidades, antecipar as necessidades e responder com rapidez aos seus clientes. Quatro gerações depois, essa continua a ser a estratégia que consolida a liderança do sector", diz a companhia.

O crescimento futuro passa pela manutenção de uma elevada presença internacional. Amorim & Irmãos
Fonte oficial

O tempo e a experiência foram dando origem a dezenas de novas empresas, que constituem hoje a unidade de negócios rolha da Corticeira Amorim. A sociedade detém subsidiárias nos principais países produtores de vinho, da Europa à África do Sul, passando pela Austrália e América do Sul.

A empresa conta com 15 mil clientes activos em 82 países, realizando 96% das vendas fora de Portugal. O volume de negócios roça os 400 milhões de euros. Já o número de trabalhadores atinge os 1.460. "Dada a estrutura e modelo de negócio da Amorim & Irmãos, o crescimento futuro passa pela manutenção de uma elevada presença internacional", assegura a empresa.

A fabricante de rolhas de cortiça - que tem a sustentabilidade como um dos seus pilares - lembra que é preciso ter bem patente a distinção entre exportação e internacionalização, bem como os mecanismos de distribuição nos mercados prioritários.






A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar