Hospital de Braga: Melhor hospital também na eficiência energética

O projecto desenvolvido entre junho de 2014 e março de 2017 permitiu reduzir o consumo de energia, melhorar o desempenho energético, manter os níveis de qualidade e conforto e poupar 40% em relação aos consumos de 2013.
Hospital de Braga: Melhor hospital também na eficiência energética
O Hospital de Braga foi considerado pelo terceiro ano consecutivo um dos melhores hospitais públicos.
David Martins
Filipe Fernandes 28 de dezembro de 2017 às 16:36
Categoria Serviços: (Consumo anual > 1,25 GWh) Vencedor Absoluto Hospital de Braga

Considerado o melhor hospital do país pela Entidade Reguladora da Saúde, nas duas últimas avaliações divulgadas em janeiro e em maio de 2017, o Hospital de Braga é uma unidade hospitalar em parceria público-privada, com gestão da José de Mello Saúde. Recentemente foi considerado, pelo terceiro ano consecutivo, um dos melhores hospitais públicos do país.

O Hospital de Braga, que abriu portas em Maio de 2011 para servir 1,2 milhões de habitantes dos distritos de Braga e Viana do Castelo, tem uma equipa multidisciplinar de mais de 2600 profissionais.

De acordo com dados da ACSS, representa, em termos de Serviço Nacional de Saúde, 4,1% das cirurgias, 3,6% das consultas médicas, 3,3% dos internamentos e 3,2% dos atendimentos na urgência. Diariamente o Hospital de Braga realiza, em média, 92 cirurgias, mais de 1700 consultas e atende mais de 550 pessoas na urgência.

A utilização do conceito de eficiência Exergética permitiu a qualificação da energia, possibilitando seleccionar a fonte energética mais eficiente para determinado processo, identificar os locais de perda, irreversibilidade, Exergética e, em consequência, as condições para a melhoria dos processos. Permitiu, também, a optimização dos processos pela quantificação da energia efectivamente necessária ao seu funcionamento, acautelando perdas e gerindo de forma mais eficaz a forma como os consumos são usados.

Investe um milhão

O investimento total foi de mais um milhão de euros e as principais alterações são a introdução de novos algoritmos de controlo dos equipamentos, a substituição de caldeiras existentes, a instalação de 121 novos variadores de frequência de motores e bombas de circulação de água, a introdução de sistemas de conservação de energia pelo ar de extracção em várias áreas do edifício, a instalação de sensores de CO2 em várias áreas do hospital para melhor gestão da renovação do ar, o melhoramento do sistema de recuperação de energia de condensação dos chillers e as alterações na central de produção de água aquecida e arrefecida

O projecto desenvolvido entre junho de 2014 e março de 2017 permitiu a redução do consumo de energia, melhorando o desempenho energético do edifício hospitalar, mantendo os níveis de qualidade e conforto. Tinha como objectivo permitir uma poupança estimada de 40% em relação aos consumos de 2013 e passar de um consumo energético (electricidade e gás) de 33 mil MWh em 2013 para 13 mil MWh.

Em 2016, ainda o projecto não estava totalmente concluído, a diminuição de consumos em electricidade e gás natural gerou uma poupança na ordem do meio milhão de euros.





A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
pub