Jogo da Bolsa: "Como avaliar uma acção? O exemplo da Altice"

Artigo de João Queiroz, Director da banca online do Banco Carregosa
Jogo da Bolsa: "Como avaliar uma acção? O exemplo da Altice"
JOAQUIM NORTE DE SOUSA
João Queiroz 10 de novembro de 2017 às 11:32
Como analisar uma empresa com um passado muito recente e que cresce, fundamentalmente, através de fusões e aquisições, muito alavancada em corporate finance (ou com baixos recursos próprios face ao total dos activos)? Um bom economista responderia: depende. Do sector de actividade, dos ganhos, de produtividade e da eficiência em termos de custos.

Mais que uma empresa, a Altice é uma holding presente nas telecomunicações, equipamentos de telecoms e media, com distribuição geográfica na Europa e EUA. Porém, são áreas da economia que exigem um contínuo investimento em inovação e desenvolvimento (R&D), e marketing, sem muito espaço para "congelar" investimentos com vista a liquidar financiamentos e empréstimos.


A empresa foi para o mercado a 17€, em Outubro de 2015, e actualmente negoceia perto dos 11€. Fez um máximo histórico em Maio deste ano nos 23.42€, o que traduz uma desvalorização actual de -55% e face ao máximo e de -35% face à avaliação de 2015.

Numa óptica da Análise Técnica, o desempenho desta acção não tem sido construtivo nem é prometedor. Uma leitura "técnica" do gráfico diz-nos que se encontra em extrema sobre-venda, sem qualquer sinal de inversão. Após a quebra do suporte nos 15.75€/16€, a tendência de queda agravou-se. Só quando conseguir estabilizar as desvalorizações e criar uma cotação de equilíbrio, poderá surgir uma oportunidade.

Numa análise fundamental - que nos transmite as componentes, contabilística e económico-financeira - a empresa regista uma capitalização bolsista de € 16.4 mil milhões, tem uma dívida líquida de €53.4 mil milhões, resultando numa EV (Enterprise Value) de € 69 mil milhões. Como as receitas se estimam estabilizar nos € 23.8 mil milhões o resultado operacional deverá ser de 10 mil milhões mas o resultado líquido poderá estar próximo do zero, o que torna difícil ter uma capacidade de se autofinanciar muito baixa. A Altice ou consegue aumentar as margens de receitas ou terá que alienar activos com ganhos, ou ainda, adquirir mais activos com forte capacidade de gerar resultados e cash-flow.

Resumindo a oratória, o valor intrínseco pode estar próximo do valor do OPV mas enquanto não conseguir realizar duas a três sessões consecutivas de valorização, dificilmente poderá conseguir desenhar a base para uma recuperação sustentada.







A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Geraldo Há 1 semana


Eu utilizo a análise fundamental.

O EVENTUAL ESTOIRO DA ALTICE OUVIR-SE-Á NA LUA Há 1 semana

Mantém-se, rigorosamente igual, o que já li, mais do que uma vez, acerca do "gigante" com pés de barro, de nome ALTICE, ou seja, compra tudo o que mexe, com recurso a crédito e acumula já uma dívida estratosférica de MAIS DE CINQUENTA MIL MILHÕES DE EUROS, candidato a um potencial e grave estoiro.

Miguel Cunha Há 1 semana

Pequenos acionistas dos CTT, sugiro que coloquem as vossas ações por um preço superior a 5,60€, com uma validade de vários meses, para ver se conseguimos fazer algo contra este ataque de que está a ser alvo os CTT. Pode não resultar em nada, mas devemos pelo menos tentar. Divulguem se concordarem.

Miguel Cunha Há 1 semana

Caros pequenos acionistas dos CTT (que representam cerca de 70% da estrutura acionista), não se esqueçam de efetuar o pré-registo no Site dos CTT como acionistas, para em Assembleia Geral poderem de uma forma concertada influenciar o rumo da Empresa.

pub