Julho: Eder dá a taça a Portugal e Comissão perdoa multa

É difícil olhar para Julho e ver outra coisa que não a vitória histórica no Euro 2016, garantida no prolongamento com um golo de Eder. Mas também foi nesse mês que a Comissão Europeia propôs cancelar as sanções a Portugal e Espanha.
Bruno Simões 16 de Dezembro de 2016 às 09:36
Os portugueses arrancaram o mês de Julho com a concretização de uma das mais emblemáticas promessas eleitorais de António Costa: o IVA da restauração foi reposto na taxa intermédia, de 13%. Este desagravamento fiscal chegou apenas à comida e produtos de cafetaria. As bebidas (à excepção de água) continuaram a pagar 23%.

Mas o dia 1 de Julho também serviu para digerir o emocionante jogo da véspera com a Polónia, nos quartos-de-final do Euro 2016, em que a selecção começou a perder e que foi decidido no desempate por grandes penalidades. Do lado nacional ninguém falhou, e Rui Patrício brilhou ao travar o remate de Blaszczykowski. Seria Ricardo Quaresma a selar o apuramento para as meias-finais, a 6 de Julho, onde Portugal enfrentou uma das sensações do torneio - o País de Gales.

Nesse dia, e depois de cinco empates consecutivos no tempo regulamentar, Portugal conseguia finalmente a sua primeira vitória, brindando o conjunto de Gareth Bale com golos de Ronaldo e Nani. Essa vitória garantiu o bilhete para a final da competição. O adversário seria França, que costumava ganhar a Portugal quando os jogos eram a doer. Quando o Bola de Ouro Ronaldo se lesionou, logo aos oito minutos, depois de uma entrada violenta de Payet, parecia que os deuses do futebol voltavam a bafejar os franceses. Mas uma actuação preciosa de Rui Patrício entre os postes e a "estrelinha" do lado luso permitiram levar o jogo para prolongamento. E aí, o "patinho feio" Eder tornou-se o improvável herói nacional, ao marcar o único golo da partida que fez de Portugal campeão europeu.
Portugal campeão da Europa: Quando João Moutinho passou a bola a Eder, aos 109 minutos do prolongamento da final do Euro 2016, disputada a 10 de Julho com França, não adivinhava que se ia fazer história. Depois de receber o esférico, o jogador nascido na Guiné-Bissau enquadrou-se com a baliza e desferiu um remate indefensável. Tantas vezes criticado pela falta de habilidade, haveria de ser precisamente o patinho feio Eder a dar a Portugal a primeira vitória numa grande competição internacional. A selecção regressou a  Portugal no dia seguinte, e Lisboa parou para ver o desfile dos heróis e do troféu.
Portugal campeão da Europa: Quando João Moutinho passou a bola a Eder, aos 109 minutos do prolongamento da final do Euro 2016, disputada a 10 de Julho com França, não adivinhava que se ia fazer história. Depois de receber o esférico, o jogador nascido na Guiné-Bissau enquadrou-se com a baliza e desferiu um remate indefensável. Tantas vezes criticado pela falta de habilidade, haveria de ser precisamente o patinho feio Eder a dar a Portugal a primeira vitória numa grande competição internacional. A selecção regressou a Portugal no dia seguinte, e Lisboa parou para ver o desfile dos heróis e do troféu.
Bruno Colaço/Correio da Manhã
Portugal ganhava "nos grandes" a sua primeira competição internacional. Conseguiu-o empatando seis vezes no tempo regulamentar, com o golo mais jovem de sempre na fase a eliminar de um Europeu (Renato Sanches) e com Cristiano Ronaldo como campeão da Europa pelo seu clube e pelo seu país. A festa em Portugal foi rija e os jogadores da selecção nacional passearam num autocarro descapotável pela cidade de Lisboa, exibindo a taça e festejando com os compatriotas. A comitiva foi recebida em Belém por Marcelo e pelas principais figuras do Estado.

Esse não foi o único título que veio para Portugal a 10 de Julho: antes do jogo, Patrícia Mamona e Sara Moreira já se tinham sagrado campeãs no Europeu de Atletismo de Amesterdão.

Para Julho ainda estava reservada outra importante vitória. A Comissão Europeia andava a ameaçar aplicar sanções a Portugal desde Maio, devido à incapacidade de ter colocado o défice abaixo de 3% em 2015. Em causa estava uma multa de até 360 milhões de euros e o congelamento de 50% dos fundos comunitários de 2017. O processo foi avançando nos meses seguintes, sempre com a multa como cenário mais provável. Mas inesperadamente, a 27 de Julho, a Comissão Europeia propôs o cancelamento das sanções a Portugal. Mais tarde ficaria também pelo caminho a suspensão dos fundos.

O castigo de Bruxelas foi o principal tema do debate do Estado da Nação, o primeiro de António Costa, que teve lugar a 7 de Julho, e no qual o primeiro-ministro garantiu que cumpriu o programa do Governo, perante as críticas do PSD de que estava a fazer "tudo ao contrário" do que devia.

Mas foi também em Julho que a polémica nova administração da CGD foi submetida à avaliação do Mecanismo Único de Supervisão. A decisão haveria de chegar no mês seguinte. Foi também em Julho que a anterior equipa de gestão aceitou ficar no banco público até ao final de Agosto. E o Governo avançou aos sindicatos que o plano de reestruturação da CGD previa a saída de 2.500 trabalhadores, a partir de 2017.
Jean-Claude Juncker : Como chefe do colégio de comissários europeus, é a Jean-Claude Juncker que deve ser atribuído o mérito de ter ficado pelo caminho a aplicação de sanções a Portugal por não ter cumprido as metas do défice em 2015. A Comissão Europeia começou por se mostrar pouco disposta a perdoar a multa a Portugal, mas depois de meses de conversas, com cartas de Mário Centeno e intervenções públicas de António Costa e Marcelo Rebelo de Sousa, a Comissão acabou por recuar e, ainda que dividida, acabou por decidir cancelar a multa a Portugal. Costa respirou de alívio.
Jean-Claude Juncker : Como chefe do colégio de comissários europeus, é a Jean-Claude Juncker que deve ser atribuído o mérito de ter ficado pelo caminho a aplicação de sanções a Portugal por não ter cumprido as metas do défice em 2015. A Comissão Europeia começou por se mostrar pouco disposta a perdoar a multa a Portugal, mas depois de meses de conversas, com cartas de Mário Centeno e intervenções públicas de António Costa e Marcelo Rebelo de Sousa, a Comissão acabou por recuar e, ainda que dividida, acabou por decidir cancelar a multa a Portugal. Costa respirou de alívio.
Francois Lenoir/Reuters

A capa

11 de Julho

No dia seguinte a ter conquistado o Campeonato da Europa de futebol, a selecção voou de regresso a Lisboa para o respectivo banho de multidão. A festa começou logo no aeroporto, com uma recepção com jactos de água, passou pela Alameda D. Afonso Henriques, pelo palácio de Belém e terminou em Oeiras. 







A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub