Junho: Uma Caixa, vários bancos, uma bola a rolar

O Campeonato Europeu de Futebol, que arrancou, sintomaticamente, no dia de Portugal, não ofuscou todas as outras notícias. A banca permaneceu na agenda diária. E Paulo Portas voltou à ribalta.
Isabel Aveiro 15 de dezembro de 2016 às 10:14
"O Governo não respondeu ao Parlamento em concreto qual o montante" das necessidades de capitalização da CGD e tem "preferido passar mensagens através da imprensa", defendeu Luís Montenegro, a 20 de Junho, na argumentação do pedido de inquérito à CGD, recuando até à gestão de 2000. "Irresponsabilidade", respondeu o PS, pela voz do deputado João Galamba, que contudo comprometeu o partido socialista a participar "activamente" na comissão de inquérito ao banco público, em pleno processo de negociação com Bruxelas.

Em Junho, ainda a capitalização da CGD não tinha valor oficial conhecido - seria confirmado em 5.160 milhões de euros dois meses mais tarde - e António Domingues ainda não tinha substituído José Matos.

O que já se sabia, desde 8 de Junho, porque o Governo assim o aprovou em Conselho de Ministros, era que a CGD deixaria de estar sujeita aos tectos salariais previstos no Estatuto do Gestor Público, deixando de ser indexada ao salário do primeiro-ministro. Uma questão que foi relevante nos meses seguintes - opondo PS e BE neste assunto - que culminaram na renúncia de António Domingues em Novembro último.
Parlamento decide inquérito à CGD: Com o objectivo de analisar ao detalhe a gestão da Caixa Geral de Depósitos (CGD) desde 2000, Luís Montenegro, líder parlamentar do PSD, apresentou a proposta de um inquérito parlamentar. Ainda António Domingues não tinha tomado posse (foi só no final de Agosto) e as necessidades de capital conhecidas ainda iam nos quatro mil milhões de euros, já o PSD acusava o PS de tratar o Parlamento como
Parlamento decide inquérito à CGD: Com o objectivo de analisar ao detalhe a gestão da Caixa Geral de Depósitos (CGD) desde 2000, Luís Montenegro, líder parlamentar do PSD, apresentou a proposta de um inquérito parlamentar. Ainda António Domingues não tinha tomado posse (foi só no final de Agosto) e as necessidades de capital conhecidas ainda iam nos quatro mil milhões de euros, já o PSD acusava o PS de tratar o Parlamento como "uma conservatória do registo". "O Governo negoceia, formaliza com os órgãos da Comissão Europeia e vem ao Parlamento quando o facto está consumado". O inquérito, nesta altura, "destrói valor" do banco público, respondeu o PS.
Miguel Baltazar
Do BPI, de onde vinha Domingues e parte da "nova" gestão da Caixa, o mês de Junho não foi o mês de desbloquear o confronto accionista entre Portugal, Angola e Espanha, mas foi altura para contar espingardas entre o CaixaBank e os minoritários liderados por Tiago Violas Ferreira. E para o BCE recordar que havia um prazo, pós-OPA dos catalães, para "resolver" o problema de excesso de concentração de risco em Angola.

No Novo Banco, soube-se que o Santander e o BPI tinham pedido acesso à informação confidencial sobre a venda - cujo prazo para a entrega de propostas de compra terminou no último dia desse mês. Mas houve alteração quanto à gestão: o Banco de Portugal, foi sabido na última semana de Junho, propôs que António Ramalho (que estava então na IP) substituísse Stock de Cunha. O que veio a acontecer. No BCP, os investidores recearam um novo aumento de capital para financiar a corrida ao Novo Banco. A 1 de Junho, o banco liderado por Nuno Amado, que já vinha a recuar desde Maio, perdia, numa só sessão, 195 milhões de euros.

De Angola, veio a notícia que Isabel dos Santos iria passar a assumir a liderança da petrolífera estatal Sonangol, accionista do BCP. Ao assumir o cargo, defendeu que "a transparência" seria o mote da sua gestão.

Regressado à vida pública portuguesa, depois de algum tempo desaparecido, Paulo Portas voltou a ser notícia. O antigo ministro dos Negócios Estrangeiros de decisão "irrevogável" e vice-primeiro ministro a partir de 2013, passou a ser responsável do novo conselho internacional do grupo Mota-Engil. A razão foi o seu conhecimento do mercado da América do Sul.

Na defesa do antigo líder do CDS-PP, veio Assunção Cristas. Face ao processo da Maria Luís Albuquerque, antiga ministra das Finanças que fora para a Arrow, "o dr. Paulo Portas saiu da política", iniciando um "período profissional completamente novo", disse ao Negócios a 14 de Junho.

No mês em que o Campeonato Europeu de Futebol começou, ficava a interrogação de Cristiano Ronaldo antes de embarcar para França: "o que falta, porque é que ainda não chegámos lá? Já tivemos tão perto e ainda não ganhámos". A resposta, em forma de troféu, veio um mês depois. Marcelo tirou a segunda foto com a selecção, em Julho.
Marcelo Rebelo de Sousa faz 100 dias como PR: A 16 de Junho, completaram-se os primeiros 100 dias de Marcelo Rebelo de Sousa na Presidência da República. A
Marcelo Rebelo de Sousa faz 100 dias como PR: A 16 de Junho, completaram-se os primeiros 100 dias de Marcelo Rebelo de Sousa na Presidência da República. A "descavaquização da imagem do Presidente da República", como lhe chamou o investigador Adelino Maltez ao Negócios, fez-se rápida, frenética e naturalmente. Marcelo, o Presidente que o país reconhece pelo nome próprio, não parou desde que tomou posse, dentro e fora de Portugal - tendo escolhido o Vaticano como primeira viagem oficial. Entre Março e Junho de 2016 teve que decidir sobre a gestação de substituição (que vetou) e a lei das 35 horas (que promulgou). À selecção, no Euro, pediu que pensassem nos portugueses.

A capa

16 de Junho

A banca desceu a Rua de São Bento e foi instalar arraiais na agenda da Assembleia da República, com carácter permanente. O PSD forçou a comissão de inquérito à Caixa Geral de Depósitos, ainda a do Banif ia a meio. No Novo Banco preparavam-se mudanças e no BPI contavam-se espingardas para nova assembleia-geral, em Julho.









A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 15.12.2016



O BURACO ANUAL DA C.G.A. CUSTA MAIS DO QUE O RESGATE DE UM BANCO


PS - PCP - BE - e seus apoiantes - ROUBAM OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO

400 milhões de Euros para aumentar as pensões baixas, são migalhas em comparação com...

os mais de 4600 milhões de euros que o Estado vai injetar, em 2017 (e injeta todos anos) através de transferências diretas do Orçamento do Estado (ou seja, com dinheiro pago em impostos pelos restantes portugueses) para assegurar o financiamento do buraco anual das pensões dos FP-CGA.

comentários mais recentes
Anónimo 15.12.2016



O BURACO ANUAL DA C.G.A. CUSTA MAIS DO QUE O RESGATE DE UM BANCO


PS - PCP - BE - e seus apoiantes - ROUBAM OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO

400 milhões de Euros para aumentar as pensões baixas, são migalhas em comparação com...

os mais de 4600 milhões de euros que o Estado vai injetar, em 2017 (e injeta todos anos) através de transferências diretas do Orçamento do Estado (ou seja, com dinheiro pago em impostos pelos restantes portugueses) para assegurar o financiamento do buraco anual das pensões dos FP-CGA.

pub
pub
pub