O Jogo iniciou-se, atrevam-se e que ganhem os melhores

O desafio que esta semana se iniciou reveste-se da importante característica de permitir ao público em geral viver uma experiência muito realista com os mercados.
O Jogo iniciou-se, atrevam-se e que ganhem os melhores
Negócios 16 de Novembro de 2016 às 10:48
Iniciou-se a 12ª edição do Jogo da Bolsa (JdB) organizado pelo Negócios em parceria com o Banco Carregosa com o alto patrocínio universitário da ISCTE Business School (IBS). Desde a primeira hora que o ISCTE viu esta importante iniciativa com o objectivo da aproximação dos seus alunos à realidade dos mercados de capitais, das instituições e do mundo empresarial em geral. Com efeito, o JdB, assente na plataforma de negociação do SaxoBank/GoBulling, permite aos participantes terem o mesmo nível de tratamento que um cliente de uma instituição financeira especializada no mercado de capitais. O desafio que esta semana se iniciou reveste-se da importante característica de permitir ao público em geral viver uma experiência muito realista com os mercados financeiros reais e promovendo um contacto muito próximo com esta área profissional. Por seu turno, a participação dos alunos no Jogo da Bolsa tem sido muito positiva - os alunos mostram-se interessados no jogo, abordam questões sobre muitos aspectos do mercado de bolsa e discutem sobre esta iniciativa de uma forma muito valorizativa e desmistificadora. Refira-se que do total de mais de 35,000 participantes ao longo destes anos, cerca de 25% o fizeram na qualidade de estudantes universitários.

O papel dos docentes da IBS no decorrer do jogo é o de suporte às dúvidas e recomendação de consulta dos sites financeiros, jornais e outras fontes de informação financeira relativa aos instrumentos e aos mercados e às empresas cotadas na bolsa, não esquecendo as análises de tendências de investimento. Estas recomendações têm como objectivo encorajar os alunos a "entrar" no mundo das finanças, fomentar o interesse nestas áreas profissionais e, sobretudo, criar hábitos de leitura de jornais e de acompanhamento das notícias financeiras a nível nacional e internacional. Tentamos interpretar na plenitude a velha máxima de que "nos mercados transacciona-se, antes de tudo, informação".

Nos mercados financeiros têm-se vivido períodos de elevada incerteza e volatilidade decorrentes de acontecimentos, sociais, políticos e económicos, , a nossa estratégia no arranque do jogo será direccionada para as tendências que se antecipam. Tome-se como exemplo a turbulência da última semana. Depois do "impensável" ter acontecido e Trump ter sido eleito Presidente dos EUA, os mercados reagiram de imediato, as bolsas caíram e as divisas também sofreram pesadas perdas, com especial destaque para o peso mexicano e para e Yuan Cjinês. Vivem-se tempos de forte aversão ao risco e receio de aperto no protecionismo. O 'fly-to-safety' é a palavra de ordem, com os investidores a refugiarem-se em activos como o ouro, que registou a maior subida desde o "Brexit".

Contrariamente ao esperado o mercado de acções evoluiu de forma favorável e espera-se que permaneça. O dólar americano está a ganhar terreno e acurva de yields das obrigações americanas a valorizar, resultado das perspectivas de uma possível política de maior investimento em infraestruturas potenciando o crescimento.


O autor escreve de acordo com a antiga ortografia









A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar