PME Bens transaccionáveis: Quanto mais frio, mais mercados se conquistam

A Tensai tem como objectivo ser líder no mercado doméstico. As suas arcas estão em diferentes pontos do globo. Sempre a dar frio.
PME Bens transaccionáveis: Quanto mais frio, mais mercados se conquistam
A Tensai, com sede em Estarreja, exporta para quase 50 mercados.
Pedro Elias
Wilson Ledo 03 de janeiro de 2017 às 15:52
Fazer do frio o seu negócio é o propósito da Tensai, com sede em Estarreja e vencedora do prémio PME exportadora de bens transaccionáveis na última edição da iniciativa conjunta do Negócios e do Novo Banco.

Os dados em que assentou a distinção apontam para uma empresa exportadora em 48 mercados. As vendas além-fronteiras pesam 86% do volume de negócios fixado nos 29 milhões de euros, mostram as mesmas cifras.

A Tensai resultou da fusão entre a Firmofrio e a Minifrio, produzindo congeladores para uso doméstico ou comercial. Arcas de gelado e expositores de frio para lojas saem também dos armazéns desta empresa.

Espanha, França, Itália, Reino Unido, Angola e Moçambique estão entre as cinco dezenas de países para onde são exportados estes produtos. Fundada em 1989, a Tensai tem hoje capacidade para produzir 800 mil unidades por ano.

"Flexibilidade de produção, tempo de entrega reduzido e elevados padrões de qualidade são pontos fortes dos nossos serviços", apresenta a empresa no seu site sobre as vantagens competitivas que diz ter.

Na mesma plataforma onde divulga os seus produtos, o grupo traça como objectivo "ser líder no sector de frio doméstico, nos principais mercados onde actua, suportado por uma forte componente de investigação e desenvolvimento e serviço prestado ao cliente".

Apesar dos vários contactos do Negócios junto da Tensai, a empresa não enviou resposta às perguntas até ao fecho desta edição.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar