PME Bens Transancionáveis: Cinco mil pares por dia para calçar os estrangeiros

São quase 50 os países que já recebem o calçado da Rodiro. A exportação pesa 96% da empresa que quer agora cimentar posições.
PME Bens Transancionáveis: Cinco mil pares por dia para calçar os estrangeiros
A Rodiro é uma empresa familiar localizada em Felgueiras.
Pedro Elias
Wilson Ledo 03 de janeiro de 2017 às 15:54
Calçar o mundo a partir de Felgueiras, cidade onde impera a tradição do calçado, é a missão da Rodiro - Fábrica de Calçado Lda.

No ano em que celebra o 25º aniversário, a empresa foi distinguida com uma menção honrosa de PME exportadora de Bens Transaccionáveis na sexta edição dos Prémios Exportação e Internacionalização.

O CEO desta empresa familiar, Rolando Félix da Costa, conta que o grande desafio foi "fornecer as principais cadeias de retalho mundiais, criando um processo que permitiu colocar sapatos em qualquer parte do mundo em tempo útil".

Criando calçado para homem e mulher, a empresa conta com um gabinete técnico e de design especializado. A sua fábrica tem capacidade para produzir cinco mil pares por dia.

São já quase cinco dezenas os países para onde a Rodiro exporta. Emirados Árabes Unidos, Áustria, Austrália, Bélgica, Bulgária, Chile, China, Dinamarca, Estónia, Grécia, Indonésia, Índia, Itália, Japão, Coreia do Sul, Malásia, Noruega, Panamá, Peru, Paraguai, Roménia, Rússia, Tailândia e África do Sul são alguns dos exemplos.

Do volume de negócios de 29 milhões de euros esperados para 2016, 96% deve-se à exportação. O principal objectivo, diz o CEO, é "melhorar a qualidade e competitividade dos nossos produtos, de forma a cimentar a posição que temos nos nossos principais clientes".
Rolando Félix da Costa aconselha quem quer exportar a adquirir "um dinamismo diferenciador" e "transparência de todo o modelo de negócio a ser apoiado".






A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar