Prémio Grandes empresas: Experiência de 30 anos são a base da internacionalização

A SIBS International foi criada há seis anos para levar o conhecimento do grupo para outros países. Os mercados africanos são uma parte importante da sua operação.
Prémio Grandes empresas: Experiência de 30 anos são a base da internacionalização
A SIBS International é o braço forte do grupo para a expansão internacional.
Pedro Elias
André Cabrita-Mendes 03 de janeiro de 2017 às 14:34
A SIBS International nasceu há seis anos com o objectivo de exportar o conhecimento adquirida pelo grupo SIBS ao longo de trinta anos de experiência.

"Na fase inicial, apostou-se no sector bancário para poder, num futuro próximo, alargar o leque de serviços a outros sectores de actividade como telecomunicações, administrações pública, seguros e energia", explica a directora de comunicação da SIBS, Maria Antónia Saldanha.

A empresa cresceu no espaço de seis anos e actualmente está presente em mais de 10 países, com destaque para Angola, Argélia e Nigéria em África e também na Polónia, na Europa.

"Actualmente as transacções de três das cinco maiores economias africanas são asseguradas pelo EPMS, sistema desenvolvido pela SIBS, exclusivamente com conhecimento português", diz a responsável.

A companhia encontra-se também a desenvolver projectos mais pequenos noutros mercados, como na Bulgária.

Mas no ano que agora termina, iniciou projectos de "relevo e grande complexidade" em novas geografias como na América Latina.


A sua actividade não se limita ao processamento de pagamentos, indo mais além desde o desenvolvimento de serviços de pagamento inovadores até aos serviços terminais multibanco.

Em relação a receitas, em 2015 atingiu um valor superior a 10 milhões de euros. Os mercados africanos - Angola, Argélia e Nigéria - representam mais de 60% da facturação.

Depois de seis anos de expansão, a companhia considera que agora chegou o momento de consolidação.

"Estamos concentrados em consolidar a presença onde já estamos porque chegámos a muitos mercados, em muito pouco tempo", afirma Maria Antónia Saldanha.

"Em paralelo, temos criado condições para podermos ter novos projectos, com clientes novos nos mercados onde já estamos", explica a responsável, sublinhando que a companhia tem angariado "clientes fora dos serviços financeiros", tornando estas oportunidades "muito interessantes".

Com uma experiência de seis anos lá fora, a SIBS International deixa alguns conselhos para as empresas interessadas em expandir a sua actividade além fronteiras.

"O principal conselho é o de as empresas estudarem muito bem os mercados onde pretendem entrar e trabalharem a possibilidade de apresentar soluções flexíveis para as especificidades de cada país", aponta Maria Antónia Saldanha. "É também relevante ter a capacidade de personalizar a oferta porque efectivamente cada geografia tem especificidades culturais que devem ser acomodadas".



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar