Rodi, a olhar para fora há mais de 30 anos

A Rodi começou a sua actividade exportadora na década de 80, direccionada para o mercado espanhol. Actualmente, as vendas externas representam mais de 75% das vendas. A União Europeia está entre os principais mercados.
Rodi, a olhar para fora há mais de 30 anos
O primeiro destino exportador da Rodi foi Espanha
Inês Lourenço
Ana Laranjeiro 21 de dezembro de 2017 às 16:29
Rodi Menção Honrosa Sector Estratégico - Metalomecânica

"Foram anos de reinvenção". A Rodi foi comprada pela actual administração nos anos de 1970. Na época, dedicava-se sobretudo aos acessórios para veículos a duas rodas. Os anos foram passando e a empresa expandiu-se. Actualmente, divide-se em duas áreas de actividade: a divisão de ciclismo, na qual continua a produzir acessórios para veículos a duas rodas, e a divisão doméstica, na qual fabrica lava-louças.

Armando Levi Silva, presidente do conselho de administração da empresa, em declarações ao Negócios, conta que estes anos foram "de reinvenção". "Primeiro o declínio dos ciclomotores tradicionais e a aposta no sector das bicicletas, mais propriamente em aros e rodas para bicicleta, com uma forte aposta na abertura de mercados de exportação. Depois foi o início da produção de lava-louças que após consolidação do mercado nacional, teve uma forte aposta na exportação", acrescentou.


A Rodi aposta desde os anos 80 na actividade exportadora.


A Rodi recebeu uma menção honrosa na categoria prémio Sector Estratégico - Metalomecânica, algo que "premeia a equipa Rodi". Esta empresa do distrito de Aveiro começou a sua actividade exportadora na década de 1980. O destino foi o mercado espanhol. E actualmente as exportações representam mais de 75% das vendas da firma do distrito de Aveiro. O responsável explica que "no sector do ciclismo a nossa presença está muito centrada na Europa comunitária". "Nos lava-louças estamos presentes em mais de 65 países embora a União Europeia represente cerca de 50%", sinalizou Armando Levi Silva.

Acompanhar as "tendências dos mercados e inovar" são os principais desafios que esta empresa enfrenta. A inovação é algo relevante, sendo que o investimento "em inovação (I&D + equipamentos) situa-se entre 5 e 10% da vendas".

Com cerca de 250 funcionários, a Rodi lançou durante este ano de 2017 novos produtos tendo, inclusivamente, recebido prémios internacionais com alguns deles, segundo o responsável.

Em termos de perspectivas para o próximo ano, a empresa tem o objectivo de crescer entre 3% e 5 %.





A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar