Sector Estratégico: Indústria Transformadora - A dar gás mais leve às exportações portuguesas

A empresa que criou a conhecida garrafa de gás Pluma para a Galp, com apenas sete quilos, é líder incontestada no sector. Exportando para mais de 100 países, ainda há outros para alcançar. Com promessa de inovação.
Sector Estratégico: Indústria Transformadora - A dar gás mais leve às exportações portuguesas
A Amtrol-Alfa recebeu uma menção honrosa na última edição dos Prémios Exportação e Internacionalização.
Pedro Elias
Wilson Ledo 03 de janeiro de 2017 às 15:03
Há títulos que já ninguém tira à Amtrol-Alfa: maior produtora europeia e maior exportadora do mundo de garrafas de gás transportáveis.

Agora junta-se-lhe uma menção honrosa como exportadora do Sector Estratégico: Indústria Transformadora nos Prémios Exportação e Internacionalização.

Garrafas de gás para baixa e alta pressão, a um ritmo de 25 mil por dia. A especialidade da empresa de Guimarães, fundada em 1962, assegura-lhe um volume de negócios de 95 milhões e euros por ano.

A Amtrol-Alfa já exporta para mais de 100 países, com esta dimensão a pesar 95% do seu negócio. O objectivo passa por aumentar o número de países para onde a empresa exporta actualmente. A Rússia é um dos destinos ambicionados já para 2017.

No ano passado, Espanha, Inglaterra e França surgiram como melhores compradores europeus. Na lista extra-comunitária, o pódio é ocupado por Camarões, Angola e Kuwait. "Quando as empresas decidem investir em garrafas de gás, compram muitas quantidades. Somos bons a agarrar essas oportunidades: surgem e temos de ser os primeiros a lá chegar", contava em Junho, em entrevista ao Negócios, o vice-presidente para as áreas de marketing e vendas, Tiago Oliveira

Para exportar é necessário muito trabalho de pesquisa e contacto permanente com os mercados. É necessário criar uma rede de informação. Tiago Oliveira
Vice-presidente para marketing e vendas da Amtrol-Alfa

"Para exportar é necessário muito trabalho de pesquisa e contacto permanente com os mercados. É necessário criar uma rede de informação que, a nosso ver, só é possível com visitas pessoais aos mercados e aos diferentes intervenientes nesse mercado", diz agora, após ser conhecido o prémio.

Outra das estratégias é adaptar os produtos às necessidades específicas dos mercados e oferecer inovação - só isso diferencia a empresa da "concorrência de países com estruturas de custos muito mais baixas que a nossa", acredita.

Localizada na freguesia de Brito, conta com um complexo de 25 mil metros quadrados e seis fábricas. O GPL é a utilização para 70% das garrafas que a Amtrol-Alfa vende a grandes empresas de energia como a Shell, Total, Cepsa, Repsol, Rubis, Prio ou Galp.

Foi inclusive com a portuguesa Galp que a Amtrol-Alfa conseguiu um dos seus maiores sucessos comerciais: a garrafa Pluma, com apenas sete quilos e mais leve que as tradicionais botijas.

Os restantes 30% do negócio destinam-se aos gases técnicos e de alta pressão, usados, por exemplo, em hospitais, áreas industriais e para encher balões com hélio em feiras.

Criada para fazer bombas de gasolina para a antiga Sacor, a empresa manteve-se na esfera do Estado até ser comprada em 1990 pela Comacor. Desde 1997, o capital é dos americanos da Amtrol.

A Amtrol-Alfa conta actualmente com 600 trabalhadores nos quadrados, a que se juntam 200 temporários quando se registam picos de produção.






A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub