Start-ups - Inovação: as start-ups a abrir caminho às grandes empresas

As start-ups distinguem-se pela sua inovação e ritmo de crescimento. A sua dimensão permite-lhes usar ferramentas para inovar que muitas vezes não são as escolhas das grandes companhias.
Start-ups - Inovação: as start-ups a abrir caminho às grandes empresas
Durante a conferência houve espaço para o debate sobre a importância das start-ups para a inovação.
Pedro Catarino
Ana Laranjeiro 06 de julho de 2017 às 11:39
O MOVTZ nasceu há um ano. Rui Sousa, um dos fundadores da start-up, defende que, nos próximos anos, a utilização de automóveis eléctricos terá maior expressão, o que significa que vão ser necessários mais pontos de carregamento destes veículos. E é precisamente esta actividade que se dedica a empresa. A MOVTZ está a desenvolver pontos de carga para estes automóveis; pontos esses que podem ser usados em espaços privados de acesso público.

"A partir de 2020 a utilização de carros eléctricos vai ser uma realidade que vai criar uma transformação no mercado. Vai haver uma grande quantidade que veículos eléctricos e, cada vez mais, as pessoas precisam de um ponto onde carregar o automóvel. Faz mais sentido que os veículos eléctricos sejam carregados quando não estão a ser utilizados", salientou Rui Sousa.

A start-up está a desenvolver a tecnologia para que essa operação possa acontecer "dentro da casa do utilizador, num regime em que utilizador não tem propriamente um parqueamento seu, ou quando está num prédio de escritórios ou a fazer compras".

O nosso produto, o Omniled, tem tanto a parte da energia renovável como da energia fotovoltaica patenteada internacional. Pedro Ruão
Fundador e CEO Omniflow

O empreendedor não desvendou muito sobre todos os desafios que tiveram de ultrapassar na execução desta solução, mas adiantou que a tecnologia alia "a utilização do IoT [Internet das Coisas] com a utilização de um sistema de segurança baseado no blockchain" - a tecnologia subjacente à moeda virtual bitcoin e que está, de forma crescente, a ser analisada para outros fins. O recurso a estas novas tecnologias por exemplo, permite que esta empresa seja inovadora e se distinga de uma grande empresa, que, muitas vezes, procura basear as suas soluções em tecnologias já testadas pelo mercado.

A partir de 2020 a utilização de carros eléctricos vai ser uma realidade que vai criar uma transformação no mercado.  Rui Sousa
Co-fundador MOVTZ

A disrupção nas grandes empresas faz-se através da aquisição de start-ups? Rui Sousa admitiu que depende da sua dimensão. Já Pedro Ruão, fundador e CEO da Omniflow, assume: "somos vistos por algumas instituições como potenciais ameaças". Esta start-up do Porto desenvolveu uma solução, o Omniled, que se caracteriza por ser uma plataforma automática de energia inteligente apoiada numa turbina eólica e células solares. Pode ser usada nomeadamente em aplicações de IoT, iluminação, vigilância e telecomunicações. "O nosso produto, o Omniled, tem tanto a parte de energia renovável como a da energia fotovoltaica patenteada internacionalmente", diz. "Focamos o nosso produto numa infra-estrutrura já existente, ou seja, um simples candeeiro que existe em qualquer lugar", acrescentou. Pedro Ruão admitiu que a crescente eficiência, por exemplo, dos painéis solares vai fazer com que este tipo de solução seja uma aposta crescente face ao que existe.

Andar ao contrário

A Ezycities é uma start-up que tem uma plataforma na qual cada pessoa pode criar os seus próprios eventos, realizá-los num local à sua escolha e fazer algum dinheiro com isso. Com esta plataforma a ideia é que as pessoas usem a internet para se juntarem num acontecimento. Mas, assim, que o evento começa, a ideia é ficar offline.

Hugo Félix, co-fundador da empresa, assume que estão "a tentar ir um bocadinho contra a corrente". " A ideia é precisamente disromper, para as pessoas deixarem de aprender tanto online e começarem a aprender com outras pessoas", acrescentou. Félix assume que, nesta fase, a empresa está a fechar algumas parcerias, nomeadamente com blogs, ampliado o seu raio de acção.





A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
Saber mais e Alertas
pub