ViniPortugal admite redefinir mercados de promoção

O objectivo da ViniPortugal é promover a marca Wines of Portugal quando o país não é reconhecido.
ViniPortugal admite redefinir mercados de promoção
Inês Gomes Lourenço
Alexandra Machado 06 de dezembro de 2016 às 11:35
A ViniPortugal, entidade dedicada à promoção externa do vinho português, admite que terá de repensar alguns dos mercados onde actua. "Temos definido que a marca Wines of Portugal deve entrar em mercados emergentes, extensos ou longínquos. Em mercados maduros, com cultura de vinho, e próximos, a presença da marca [Wines of Portugal] deve ser mais pequena."

Na discussão ao plano estratégico poderá haver, por isso, mudanças. Jorge Monteiro deixa já a questão: "Provavelmente fará sentido abandonar [as acções] no Reino Unido, que é um mercado maduro, muito competitivo e complicado." Já é um mercado que tem de ser trabalhado "provavelmente ao nível das regiões e de certeza das marcas". A interrogação faz-se também em relação a outros mercados. "Quando a marca Portugal começa a ser reconhecida, é altura de nós sairmos" e dar lugar às regiões e às marcas, mas em alguns casos mesmo que a marca Portugal seja reconhecida a ViniPortugal acaba por ficar, se considerar que pode ajudar a sustentar outros denominações de origem.

Os Estados Unidos da América têm sido um dos mercados de aposta da ViniPortugal. Jorge Monteiro admite que é um mercado complicado, porque tem de ser visto estado a estado. Mas os frutos estão a surgir. E Portugal tem merecido atenção pelas revistas da especialidade. A ViniPortugal optou, nos anos recentes, por colocar entre um terço e metade do seu orçamento no mercado americano, num total entre três e 3,5 milhões de euros. É um investimento "que tem retorno".


Depois de entrar como país, a imagem tem de entrar com as castas e as regiões. 


A estratégia passa, agora, por ir estendendo a outros estados tanto nos Estados Unidos como no Canadá. É um processo de extensão territorial em que, mais uma vez, a estratégia é abandonar onde a marca Portugal já é conhecida, "para deixar lugar às marcas regionais", e avançar para outros mercados. Ásia está no horizonte.

A acção da promoção da marca Portugal não passa apenas pelas provas, mas também por formações, em que profissionais do sector ouvem "falar das castas, das regiões, do clima, do terroir [factores do terreno e meio ambiente que influenciam a videira e determinam a qualidade da uva e consequentemente do vinho], do país que preservou o património genético da videira".

O trabalho de ensinamento, acredita-se no sector, "é muito importante".

Juan Manuel Bellver acrescenta que na sua empresa - que tem vendas físicas em Madrid e Paris e online - as vendas de vinhos portugueses multiplicaram por quatro.






A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub