Vítor Virgínia : "A saúde tem de ser pensada de forma global"

Vítor Virgínia, director-geral da MSD, quer colocar Portugal como centro estratégico de reflexão dos desafios da saúde a nível global.
Vítor Virgínia : "A saúde tem de ser pensada de forma global"
Filipe S. Fernandes 18 de Outubro de 2016 às 17:21
"Promover debates de reconhecida qualidade no campo da saúde ajudando a colocar Portugal como centro estratégico de reflexão dos desafios da saúde a nível global" é, segundo Vítor Virgínia, director-geral da MSD, um dos objectivos a atingir pela Be Well Global Health Conference, organizada pela MSD e o Negócios, com o apoio da Fundação Gulbenkian e da Câmara Municipal de Lisboa.

Esta iniciativa contou presença de oradores internacionais e nacionais de renome que "certamente inspiraram todos os presentes a uma participação activa na discussão destes temas", referiu.

Vítor Virgínia disse que se tivesse de resumir numa única palavra as últimas décadas na área da saúde "escolheria a palavra inovação" porque marca os tempos que vivemos, mas também porque "é parte do caminho que a MSD tem promovido desde o início até hoje, 2016, ano em que comemoramos 125 anos no mundo e 46 anos em Portugal. A inovação faz parte do ADN da MSD, está presente em tudo o que fazemos e podemos demonstrá-lo pela colaboração determinante para a resolução de grandes problemas de saúde e na permanente confluência de esforços com os parceiros públicos".

Acentuou que "os avanços que temos na medicina, na tecnologia, no campo da saúde, resultam de esforços conjuntos complementados por grandes investimentos em I&D viabilizando a melhoria dos sistemas de saúde e da qualidade assistencial". Citou os exemplos do VIH-Sida, o programa para o uso racional dos antibióticos, a imuno-oncologia, a diabetes e as doenças cardiovasculares. Vítor Virgínia sublinhou que "a sociedade nos exige que sejamos mais eficientes, produzindo e disponibilizando mais e melhores medicamentos inovadores e promovendo simultaneamente o uso racional dos recursos em saúde".

Um exemplo de doação Desde 1987, a MSD doou mais de dois mil milhões de tratamentos Mectizan para ajudar a eliminar a Cegueira dos Rios e a Filaríase Linfática em quatro países de África e trata 250 milhões de pessoas todos os anos. É o programa de doação de um medicamento para doenças específicas mais longo da história.  





A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar