WeDo à procura de novas oportunidades além-fronteiras

A internacionalização tem sido um dos pilares da estratégia da WeDo Technologies "desde o dia zero". Uma aposta que está a dar resultados com a tecnológica do universo Sonae a marcar presença em mais de 100 países. A exportação já representa quase 80% das receitas da empresa.
WeDo à procura de novas oportunidades além-fronteiras
A WeDo, que pertence ao universo Sonae, foi distinguida nas edições anteriores na categoria de Serviços dos Prémios Exportação e Internacionalização.
Bruno Simão
Sara Ribeiro 21 de novembro de 2017 às 10:54
Há 16 anos, um grupo de colegas da antiga Optimus propôs à Sonae, grupo que detinha a operadora, lançar uma nova área de negócio: desenvolvimento de software. A ideia foi bem recebida, tendo dado origem à criação da WeDo Technologies. Hoje, a empresa é líder mundial em software de gestão de fraude e de garantia de receitas para operadores de telecomunicações, exportando soluções para 108 países.

A empresa conta também com 10 escritórios em cinco continentes: da Austrália, ou Malásia, aos Estados Unidos, México, Brasil, passando pelo Egipto até à Irlanda e Reino Unido.

Os mercados internacionais são o motor de crescimento da WeDo, que tem um volume de negócios de 5,4 milhões de euros, sendo que o peso da exportação representa actualmente 78%, disse ao Negócios Bernardo Galvão Lucas, chief marketing & strategy officer da tecnológica que pertence à Sonaecom. "Somos das empresas portuguesas que exporta para mais países. Temos clientes desde o Azerbaijão até à Republica Dominicana", acrescentou o responsável.

Sempre à procura de novas oportunidades

O software de gestão de fraude e de garantia de receita para operadores é a solução mais exportada pela tecnológica. Porquê? "Essencialmente o nosso software automatiza o processo de auditoria de processos para evitar perdas de receita, quer sejam elas por erro de configuração (garantia de receita) ou por roubo deliberado (fraude)", explicou Bernardo Galvão Lucas.


78%
Exportação
Os mercados internacionais representam 78% do total do volume de negócios da WeDo.


Apesar da forte presença que a empresa foi conquistado além fronteiras, está "sempre" à procura de novas oportunidades. "Os operadores de telecomunicações de todo o mundo são o nosso mercado potencial desde o dia zero em que começámos a desenhar a empresa", referiu o responsável da WeDo.

Nos últimos três anos, de 2014 a 2016, recebeu o galardão dos Prémios Exportação na categoria de Serviços entre as Grandes Empresas. "O reconhecimento foi essencialmente nacional o que também é bastante importante. Nós actuamos num nicho de mercado, dentro de um vertical, que é o das telecomunicações, e é bom ser reconhecido no próprio país para ajudar sobretudo a captar talento que se queira juntar à nossa equipa", contou o chief marketing & strategy officer da tecnológica .

Novas parcerias

A atribuição destes galardões, não alterou estratégia da empresa, até porque "o âmbito do prémio faz parte da nossa estratégia desde o dia zero. O mercado potencial em Portugal para a WeDo na altura da sua formação eram três clientes, logo a exportação fez sempre parte da nossa estratégia de internacionalização", explicou.


180
Clientes
Os operadores de telecomunicações são os principais clientes da WeDo. Hoje, têm 180 clientes em 108 países.


Actualmente, a WeDo emprega cerca de 600 pessoas, de várias nacionalidades espalhadas pelos quatro cantos do mundo. E conta com 180 clientes em mais de 100 mercados. O objectivo é aumentar este números.

Com os mercados internacionais no topo das prioridades, estratégia da empresa passa pelo "alargamento de parcerias estratégicas", contou Bernardo Galvão Lucas, sublinhando que "são fundamentais para o nosso crescimento internacional e desde sempre foi uma aposta muito forte". Além disso, "actualmente as relações com as diferentes Câmaras do Comércio Internacionais também fazem parte da nossa estratégia de internacionalização".

O primeiro passo além-fronteiras

A WeDo Technologies foi criada a 7 de Fevereiro de 2001. E o foco na internacionalização através da venda de software próprio e de serviços fez logo parte do plano de negócios da empresa. Logo no seu primeiro ano de vida a empresa conquistou um cliente internacional, mais concretamente do outro lado do Atlântico: a brasileira Oi. Na altura, a operadora de telecomunicações ainda não tinha nenhuma relação com Portugal. Hoje tem a antiga PT SGPS (Pharol) como maior accionista no seguimento da fusão, que não chegou a avançar, com a PT. A conquista de novos clientes em outros mercados também não demorou. Passados 16 anos, a empresa que pertence à Sonaecom tem 180 clientes em 108 mercados. E conta com 600 colaboradores espalhados por todo o mundo, incluindo nos 10 mercados onde abriu escritórios: além de Portugal, em Lisboa e Braga, abriu portas nos EUA, Austrália, Brasil, Egipto, Irlanda, Malásia, México, Reino Unido e Espanha.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar