Bosch quer reforçar exportações para África

Aveiro é o quartel-general do grupo alemão para a área de sistemas de aquecimento e de água quente. Esta divisão da Bosch alcançou um volume de exportação de 185 milhões de euros em 2013, um número que deve aumentar em 15% este ano.
Bosch quer reforçar exportações para África
O centro de competências da Bosch Termotecnologia, em Aveiro, alcançou uma facturação de 230 milhões de euros no ano passado.
Inês Lourenço
Sara Ribeiro 21 de dezembro de 2017 às 15:18
BOSCH TERMOTECNOLOGIA melhor exportadora com capitais estrangeiros

É a partir de Aveiro que a Bosch coordena as actividades mundiais do grupo para esquentadores e bombas de calor. Uma área que tem registado um forte crescimento, tendo levado no ano passado à expansão do quartel-general da divisão da Bosch Termotecnologia, com a inauguração do segundo edifício de Investigação & Desenvolvimento. No primeiro ano após a conclusão desta expansão - de 25 milhões de euros até 2020 - a empresa espera estar a facturar 271 milhões de euros e criar 110 novos postos de trabalho directos e 120 empregos indirectos junto dos fornecedores nacionais da Bosch.

Hoje, a empresa conta com mais de 1.100 colaboradores na unidade em Aveiro, onde são desenvolvidas e produzidas caldeiras, bombas de calor e esquentadores, exportados para mais de 30 países em todo o mundo. Uma lista que em breve pode aumentar.

No que toca à facturação, "em 2016 foi de 230 milhões de euros, sendo 185 milhões de euros para exportação. Este ano prevemos um aumento de cerca de 15% do volume de exportações", revelou Rüdiger Saur, presidente da unidade de negócios de águas residenciais da Bosch. "Exportamos todos os nossos produtos principais - esquentadores a gás e eléctricos, bombas de calor e caldeiras - principalmente para os mercados europeu, africano e americano", detalhou. Aliás, segundo Rüdiger Saur a empresa tem planos para "entrar em mais alguns mercados em África". "Mas basicamente já estamos presentes em todos os mercados relevantes", sublinhou o responsável da Bosch, galardoada com o prémio Revelação na categoria multinacional, na iniciativa Prémios Exportação e Internacionalização.

Um galardão que não irá influenciar a estratégia da empresa: "A nossa estratégia de crescimento está bem definida e focada no nosso plano estratégico de negócio. O prémio reconhece o sucesso deste plano, mas não influencia a nossa estratégia", assegurou Rüdiger Saur.

Sob a designação de Vulcano Termodomésticos a Bosch Termotecnologia iniciou a sua actividade em Cacia (Aveiro), no dia 17 de Março de 1977. Em 1988, foi adquirida pelo Grupo Bosch, que decidiu transferir para Portugal competências e equipamentos.

Actualmente, o centro de competências do grupo alemão em Aveiro tem como foco o desenvolvimento "tecnologias para casas mais sustentáveis e focadas, essencialmente, na conectividade, eficiência energética e redução das emissões".

A unidade em Aveiro foi também responsável pelo desenvolvimento do Sensor Connect, o primeiro esquentador que pode ser controlado à distância através de um smartphone ou tablet. 





A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.