Cronista
Adolfo Mesquita Nunes Advogado

Adolfo Mesquita Nunes tem mais de treze anos de experiência em advocacia nas áreas de direito público, nomeadamente em políticas públicas, contratação pública, regulação, contencioso, arbitragem e contratos públicos. É Sócio da sociedade Gama Glória. Foi Secretário de Estado do Turismo do XIX e XX Governos Constitucionais, entre 2013 e 2015. É licenciado em Direito pela Universidade Católica Portuguesa (2000) e Mestre em Ciências Jurídico Políticas pela Universidade de Lisboa (2008). Vice-Presidente do CDS-PP.

Opinião
Pedro Romano 09.10.2017 Adolfo Mesquita Nunes
Opinião Autoeuropa: a geringonça em acção 11.09.2017 Adolfo Mesquita Nunes
Opinião Assim nunca abandonaremos a interioridade 04.09.2017 Adolfo Mesquita Nunes
Opinião O interior que arde 21.08.2017 Adolfo Mesquita Nunes
Opinião A conversa do aproveitamento político 31.07.2017 Adolfo Mesquita Nunes
Opinião O silêncio da esquerda  25.07.2017 Adolfo Mesquita Nunes
Opinião A tática do temor reverencial  17.07.2017 Adolfo Mesquita Nunes
Opinião A farsa orçamental 10.07.2017 Adolfo Mesquita Nunes
Adolfo Mesquita Nunes O país arde e volta a encontrar-se com o Governo e com o Estado que temos 16.10.2017 Adolfo Mesquita Nunes
Uma ministra incapaz de assegurar a segurança que o país necessita, de explicar as opções tomadas, de informar as populações, de ser um garante, queixando-se das férias que não teve.
Adolfo Mesquita Nunes Pedro Romano 09.10.2017 Adolfo Mesquita Nunes 939
A ideia de Agustina traz-me assim algum conforto, como se o Pedro participasse de um outro mundo, estivesse destinado a partir assim, deixando uma auréola de inacabado, uma bruma de mistério, um espaço por preencher.
Adolfo Mesquita Nunes O poder autárquico é o poder menos sindicado da nossa democracia 25.09.2017 Adolfo Mesquita Nunes 1597
Um pouco por todo o país, os autarcas, sobretudo quando dispõem de poder maioritário, fazem o que querem sem que ninguém os confronte. É como se fosse um outro país, onde o inimaginável acontece.
Adolfo Mesquita Nunes "Imagine a cerveja e o courato pelo meio e as pessoas a tentarem chegar às assembleias de voto" 18.09.2017 Adolfo Mesquita Nunes 189
A lei, porque se faz com facilidade, é imediata. Ela permite a qualquer governo dizer que reagiu a um problema. Os jornais noticiam algo, no dia a seguir faz-se uma lei, e o assunto desaparece por uns tempos. É a forma mais fácil, embora ilusória, de afastar um problema.
Adolfo Mesquita Nunes Autoeuropa: a geringonça em acção 11.09.2017 Adolfo Mesquita Nunes 718
Desde que o Governo iniciou funções que os socialistas nos dizem que não há qualquer problema em dar espaço político e institucional aos partidos da extrema-esquerda, como se o muro que sempre os separou fosse um pormenor, um detalhe, um obsoletismo, como se a voluntária dependência dos socialistas face a esses partidos fosse um berloque, um adorno, um detalhe.
Adolfo Mesquita Nunes Assim nunca abandonaremos a interioridade 04.09.2017 Adolfo Mesquita Nunes 467
Vem de há muito a ideia de que o interior se pode desenvolver com a mera dispersão de infraestruturas, serviços ou organismos, como se bastasse espalhar autoestradas, pontes, universidades ou tribunais para oferecer ao interior uma atratividade que o sustentasse economicamente.
Adolfo Mesquita Nunes O interior que arde 21.08.2017 Adolfo Mesquita Nunes 1404
Se os fogos que consomem o interior fossem à entrada de Lisboa ou do Porto, com a sua devastação, olharíamos com a mesma complacência para as falhas de coordenação e afetação de meios?
Adolfo Mesquita Nunes A conversa do aproveitamento político 31.07.2017 Adolfo Mesquita Nunes 449
A conversa do aproveitamento político começou muito antes da discussão sobre a lista de vítimas da catástrofe de Pedrógão Grande.
Adolfo Mesquita Nunes O silêncio da esquerda  25.07.2017 Adolfo Mesquita Nunes 599
Pode um Governo cortar nos serviços públicos enquanto repete que está a aumentar-lhes a dotação? Pode um Governo ter o menor investimento público de sempre enquanto garante que é nele que está a apostar?
Adolfo Mesquita Nunes A tática do temor reverencial  17.07.2017 Adolfo Mesquita Nunes 449
O primeiro-ministro pode, a despropósito, arruinar a imagem e a credibilidade de uma empresa em pleno Parlamento, pelo que mais vale, pelo sim pelo não, ter o primeiro-ministro agradado.