Avelino de Jesus
Avelino de Jesus 11 de janeiro de 2015 às 19:06

O que simboliza a TAP estatizada

Corre por aí um manifesto contra a privatização da TAP, propagandeado num sítio apropriado(1), subscrito pela fina flor dominante da elite cultural e política.

 

Num contexto em que pululam manifestos por tudo e por nada, este é merecedor duma atenção especial, por dois motivos. Primeiro, concentra em si a quase totalidade das mais nefastas ideias com repercussão sobre o mau desempenho económico do país. Segundo, baseia-se num conjunto impressionante de factos erróneos; custa aceitar como tantas e tão qualificadas personagens subscreveram de cruz tal documento, revelador da mais primária ignorância da economia relevante para o tema em causa.

 

Como argumento geral de rejeição da privatização, todo o manifesto é subordinado à ideia de que a TAP estatizada é um símbolo de soberania e independência dos portugueses.

 

Como principais argumentos particulares proclamam que a TAP estatizada:

 

1. É importante para os emigrantes;

 

2. Funciona bem e é rentável;

 

3. Funciona como um monopólio público;

 

4. É importante para o turismo;

 

5. Ficará mal entregue se acabar em mãos privadas, ainda por cima estrangeiras, por pertencer a uma actividade que consideram estratégica.

 

Além das proclamações vazias de factos, é útil olhar para alguns dados básicos. A tabela anexa é uma boa síntese para início de conversa.

 

O leitor avaliará por si, directamente, os pontos 2 a 5, acima referidos.

 

A questão da importância da TAP para os emigrantes não é contemplada nas informações da tabela e, por isso, são requeridas algumas observações apropriadas.

 

Verdadeiramente, os nossos emigrantes só começaram a viajar, de e para Portugal, por via aérea depois da liberalização do espaço aéreo no início de 1993 por via e por pressão das companhias de custo reduzido. Até aí os nossos emigrantes eram encaixotados no Sud-express ou atirados para estradas de morte em viagens non-stop e sem sono. A frase tantas vezes glosada "política de presença da TAP junto das comunidades portuguesas" soa a cinismo atroz. Tomemos para simplificar o caso das viagens Portugal-França: até à liberalização, a TAP sob protecção e em conluio com os governos, limitava os lugares, beneficiava da proibição de voos fretados e, em geral, restringia, de formas diversas, o acesso dos emigrantes às viagens aéreas. A política de tarifas que discriminava negativamente os emigrantes foi apenas um dos instrumentos utilizados. Outro exemplo bem actual: por onde anda a "política de presença da TAP junto das comunidades portuguesas" em paragens com fortes comunidades de emigrantes como a África do Sul ou o Canadá?

 

Finalmente, o papel da TAP no turismo merece, igualmente, uma breve nota. Repare-se no caso do Algarve: a quota de mercado das empresas estrangeiras foi de 97% em 2013. E foi sempre assim. Cabe perguntar: o que seria o turismo do Algarve se estivesse à espera da TAP? Por sua vez, o recente e celebrado progresso do turismo na região Norte deve-se também às companhias estrangeiras; a respectiva quota de mercado, em 2013, já foi de 70% e está em crescimento significativo.

 

Decididamente, a TAP não é como o manifesto a pinta e terá muito a beneficiar libertando-se das cangas estatal e sindical e, assim, ganhar uma gestão de acordo com os padrões internacionais. Os benefícios serão não apenas de eficiência, mas também de alargamento e aprofundamento dos mercados.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

(1) http://www.naotaposolhos.com/?page_id=10 

 

Economista e professor do ISEG

A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado surpreso1 11.01.2015

A TAP é uma companhia de transporte aéreo.Símbolo é ser respeitado no estrangeiro ,por cumprir compromissos e ter boas contas.Ojectivo.para o qual essa "elite" sempre se esteve lascando

comentários mais recentes
Alex67 16.01.2015

O problema é quando a ideologia se sobrepoe ao bom senso financeiro e economico. Neste pais temos tido muito disso, razão pela qual estamos falidos e já tivemos três resgates em 40 anos.

surpreso1 11.01.2015

A TAP é uma companhia de transporte aéreo.Símbolo é ser respeitado no estrangeiro ,por cumprir compromissos e ter boas contas.Ojectivo.para o qual essa "elite" sempre se esteve lascando

5640533 11.01.2015

Vivo no Algarve e a TAP não me serve de nada. Por esta e muitas outras privatize-se a TAP e o cancro da RTP.

pub