Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Camilo Lourenço
Camilo Lourenço 30 de junho de 2014 às 00:01

BES: ontem já era tarde…

O "affaire" Banco Espírito Santo já foi longe de mais. Depois das revelações dos últimos meses, que levantam muitas dúvidas sobre os sistemas de fiscalização que, supostamente, permitiriam evitar problemas no sistema bancário, subsiste um problema: quem vai liderar o banco. Pormenor da maior importância porque o "novo" BES não pode sair beliscado pelas dúvidas que rodeiam a periclitante situação do resto do grupo.

Nota: Este artigo está acessível apenas para assinantes do Negócios Primeiro.

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais
A sua opinião12
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Filipe Oliveira 29.06.2014

Não foste tu que decobriste? Pá não posso crer.

comentários mais recentes
LOL 11.07.2014

http://www.makaangola.org/wp-content/uploads/2012/04/PresidencyCorruption.pdf

PARA JOLA!!!!!! 10.07.2014

ohh JOLA-PUPM-VLAD-ECONOMISTA2000-PR1967 etc...etc !!!

.... tu não passas de um fascista!!!! .... sempre a perseguir as pessoas que comentam aqui, a criticar quem da erros ortográficos, escreve com maiúsculas, etc.

Nunca te vi a contrariar os comentários (LOL: contra factos não existem argumentos) e isso era o que a PIDE mais a censura faziam antes do 25 de Abril!!!

Ninguém podia criticar o poder no antigo regime ... sem ser interpelado pela PIDE .... e por que vejo tu és o PIDE da coluna do Camilo!!!!

PARA JOLA!!!!!!

..... DE APAGAR COMENTÁRIOS E DE MANIPULAR VOTAÇÕES

PARA JOLA!!!!!!! ...... E DEIXA DE INTRUJAR!!!!

EMIGRA JOLA, EMIIIIGRA!

Alvaro Sobrinho 07.07.2014

BESA = Banco Eduardo Santos Angola

e o BURRO sou eu ?

Luis Ribeiro 01.07.2014

Confesso que alguns textos de certos autores tem em si mesmo um ar romantico, até lirico. Os textos de Camilo Lourenço consegue ultrapassar esse ar. É uma ventania que varre o que não diz. O autor está farto de saber que a Divida Privada é 185% do PIB (a divida das empresas sem o impacto da divida das familias). O autor sabe que só o sector bancario no ano de 2014, para fazer face aos encargos que tem precisa de ir a mercado para obter 20 Mil Milhoes de Euros. O autor sabe que o sector bancario nomeadamente o BES e o BCP tem por suporte (ainda) o valor de depositos de clientes. O autor sabe que o grande "trauma" dos economistas, gestores, analistas e demais liricos do sistema economico e financeiro é o colapso de um destes, ou até dos dois, bancos. Se isso acontecer sabe o autor que muitos que se suportam nos sistemas adulterados, viciados, criminosos do sistema bancario vão de arrasto. E nesse caso a ventaria é muito pior que a aragem. É que se tal acontecer o autor Camilo irá perceber que o problema principal não são os 130% da Divida Publica. O problema mesmo são os 200% de Divida Privada (Empresas Familias). Como se vê, é bom que a regulação e a fiscalização não funcione senão o colapso é total. Mas pare com esse ar de lirico. Fica.lhe mal.

ver mais comentários
Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub
pub
pub