Enviar por email
Reportar erro
Camilo Lourenço
Jornalista

Camilo Lourenço é licenciado em Direito Económico pela Universidade de Lisboa. Passou ainda pela Universidade de Columbia, em Nova Iorque e University of Michigan, onde fez uma especialização em jornalismo financeiro. Passou também pela Universidade ...

Camilo Lourenço é licenciado em Direito Económico pela Universidade de Lisboa. Passou ainda pela Universidade de Columbia, em Nova Iorque e University of Michigan, onde fez uma especialização em jornalismo financeiro. Passou também pela Universidade Católica Portuguesa. 

 

Experiência profissional - estágio na secção de Economia do semanário “O Jornal” (1987); estágio no jornal “Correio da Manhã (colunista da secção de Bolsa); jornalista na secção de Economia do jornal “Semanário” (1987); editor de Economia da Rádio Correio da Manhã (de 1988 a 1992); redactor principal do “Semanário Económico” (desde 1988); coordenador da secção Nacional do “Diário Económico” (de que foi um dos fundadores) desde 1990.

Director adjunto da revista “Valor”, que ajudou a fundar (1992). Director da mesma revista (1993), onde se manteve até 1995. Editor de Economia da Rádio Comercial, de 1992 a 1997.

Director editorial das revistas masculinas da Editora Abril/Controjornal: “Exame” (revista que também dirigiu); “Executive Digest”; “Turbo”; “Auto Guia”, “Exame Informática” e “Exame Digital” (de 1995 a 2002).

Comentador de assuntos económicos da Rádio Capital, de 2000 a 2005. Director da revista “Maisvalia” (de 2003 a 2005).

Comentador da RTP e RTP Informação, onde passou também a apresentar o programa “A Cor do Dinheiro”, sobre aconselhamento em Finanças Pessoais (desde 2007). Colunista do “Jornal de Negócios (desde 2007); comentador de assuntos económicos do Rádio Clube Português, de 2008 a 2010, estação onde apresentava dois programas: “Moneybox” (Macroeconomia) e “A Cor do Dinheiro” (aconselhamento financeiro).

Comentador de assuntos económicos da Media Capital Rádios (desde 2010). Numa das rádios do grupo, a M80, apresenta dois programas: “Moneybox” e “A Cor do Dinheiro”, herdados do Rádio Clube Português.

Comentador de assuntos económicos da televisão generalista TVI, onde apresenta “Contas na TV”, programa onde esclarece dúvidas dos telespectadores sobre questões de finanças pessoais.

A par destas funções Camilo Lourenço é docente universitário. Leccionou na Universidade de Lisboa, na Universidade Lusíada e no Instituto Superior de Comunicação Empresarial. Por outro lado lecciona pós-graduações e MBA.

Em 2010, por solicitação de várias entidades (portuguesas e multinacionais), começou a fazer palestras de formação, dirigidas aos quadros médios e superiores, em áreas como Liderança, Marketing e Gestão.

Em 2007 estreou-se na escrita, tendo co-autorado o livro “Como Tornar o Benfica Campeão”. Em 2009 lançou o seu primeiro livro a solo, “Como esticar o Salário e Encurtar o Mês”. Em 2012 lançou “Basta!”, um livro onde analisa os problemas da economia portuguesa e as soluções para os ultrapassar.

 

Contactos do Autor
Facebook
Email
últimos artigos do autor
22:00
A greve da TAP é a melhor razão para se acelerar a privatização da empresa. O mesmo se diga de outras empresas de transportes, com destaque para aquelas que asseguram as ligações básicas nos grandes centros metropolitanos: Carris, Metro, STCP, Soflusa, CP, etc.
22 de Abril
O estudo que deverá ser a base do programa económico do PS tem uma importância extraordinária. Não pela ousadia em devolver em três anos o valor cortado nos salários e pensões, ao contrário dos cinco anos previstos no Programa de Estabilidade.
21 de Abril
Eu podia dedicar o artigo de hoje a analisar exaustivamente o programa económico apresentado pelo PS. Só que o espaço não chega para isso. Mas também não é preciso: basta dar uma olhada geral no documento para perceber que é um bom exercício de compromisso.
20 de Abril
Vai-se a qualquer seminário ou conferência e os diagnósticos que os intervenientes fazem sobre Portugal são iguais. E quando não o são, não diferem muito entre si. Como se viu na última conferência do Negócios.
20 de Abril
O Plano de Estabilidade e o Plano Nacional de Reformas são documentos "de regime". Estendem-se por mais de uma legislatura. O que significa que aquilo que um governo lá coloca, condiciona a actuação do governo seguinte. Razão mais do que suficiente para consensualizar as opções que são feitas no documento apresentado na semana passada.
16 de Abril
Quando a TAP, Governo e sindicatos se sentaram para evitar a greve do final de 2014 dois pontos ficaram de fora: a exigência de suspensão da privatização e a participação dos pilotos no capital da empresa. Foi uma condição "sine qua non" para a assinatura do acordo.
15 de Abril
Os deuses, perdão, os mercados, devem estar loucos. Ontem os investidores exigiram a Portugal juros de 0,007% para emprestar dinheiro a três meses e 0,015% a doze meses. Qualquer destes valores é um mínimo histórico no custo de financiamento da República.
14 de Abril
Se pedirmos nesta coluna exemplos onde o Estado esbanja dinheiro, em poucos minutos os leitores citarão uma mão-cheia de casos. E apesar de estarmos perante desperdício do dinheiro dos contribuintes, o Governo (este ou outro) não tem coragem para cortar essa despesa.
13 de Abril
Com o aproximar das eleições aumentam as críticas à austeridade dos últimos quatro anos. A ideia é fazer crer que era possível ultrapassar a falta de financiamento externo sem medidas dolorosas.
12 de Abril
"É uma verdadeira canalhice: inventar uma notícia para colocar nos jornais para logo depois ser desmentida pelo Ministério Público".
pub