Enviar por email
Reportar erro
Camilo Lourenço
Jornalista

Camilo Lourenço é licenciado em Direito Económico pela Universidade de Lisboa. Passou ainda pela Universidade de Columbia, em Nova Iorque e University of Michigan, onde fez uma especialização em jornalismo financeiro. Passou também pela Universidade ...

Camilo Lourenço é licenciado em Direito Económico pela Universidade de Lisboa. Passou ainda pela Universidade de Columbia, em Nova Iorque e University of Michigan, onde fez uma especialização em jornalismo financeiro. Passou também pela Universidade Católica Portuguesa. 

 

Experiência profissional - estágio na secção de Economia do semanário “O Jornal” (1987); estágio no jornal “Correio da Manhã (colunista da secção de Bolsa); jornalista na secção de Economia do jornal “Semanário” (1987); editor de Economia da Rádio Correio da Manhã (de 1988 a 1992); redactor principal do “Semanário Económico” (desde 1988); coordenador da secção Nacional do “Diário Económico” (de que foi um dos fundadores) desde 1990.

Director adjunto da revista “Valor”, que ajudou a fundar (1992). Director da mesma revista (1993), onde se manteve até 1995. Editor de Economia da Rádio Comercial, de 1992 a 1997.

Director editorial das revistas masculinas da Editora Abril/Controjornal: “Exame” (revista que também dirigiu); “Executive Digest”; “Turbo”; “Auto Guia”, “Exame Informática” e “Exame Digital” (de 1995 a 2002).

Comentador de assuntos económicos da Rádio Capital, de 2000 a 2005. Director da revista “Maisvalia” (de 2003 a 2005).

Comentador da RTP e RTP Informação, onde passou também a apresentar o programa “A Cor do Dinheiro”, sobre aconselhamento em Finanças Pessoais (desde 2007). Colunista do “Jornal de Negócios (desde 2007); comentador de assuntos económicos do Rádio Clube Português, de 2008 a 2010, estação onde apresentava dois programas: “Moneybox” (Macroeconomia) e “A Cor do Dinheiro” (aconselhamento financeiro).

Comentador de assuntos económicos da Media Capital Rádios (desde 2010). Numa das rádios do grupo, a M80, apresenta dois programas: “Moneybox” e “A Cor do Dinheiro”, herdados do Rádio Clube Português.

Comentador de assuntos económicos da televisão generalista TVI, onde apresenta “Contas na TV”, programa onde esclarece dúvidas dos telespectadores sobre questões de finanças pessoais.

A par destas funções Camilo Lourenço é docente universitário. Leccionou na Universidade de Lisboa, na Universidade Lusíada e no Instituto Superior de Comunicação Empresarial. Por outro lado lecciona pós-graduações e MBA.

Em 2010, por solicitação de várias entidades (portuguesas e multinacionais), começou a fazer palestras de formação, dirigidas aos quadros médios e superiores, em áreas como Liderança, Marketing e Gestão.

Em 2007 estreou-se na escrita, tendo co-autorado o livro “Como Tornar o Benfica Campeão”. Em 2009 lançou o seu primeiro livro a solo, “Como esticar o Salário e Encurtar o Mês”. Em 2012 lançou “Basta!”, um livro onde analisa os problemas da economia portuguesa e as soluções para os ultrapassar.

 

Contactos do Autor
Facebook
Email
últimos artigos do autor
23:50
Atenas vai de mal a pior. Depois da suspensão das privatizações (então não é uma boa forma de reduzir a dívida???), decidiu congelar a reforma do Estado, um dos mais graves problemas da Grécia.
00:05
Em matéria económica, Portugal está dividido em dois grupos: um sabe o significado das propostas que vão sendo feitas (perdão de dívida, por exemplo). Este grupo divide-se em dois: o dos que por conhecerem as implicações dizem "Não" e o dos que, apesar de saberem as consequências, dizem "Sim".
28 de Janeiro
Os números disponíveis da execução orçamental de 2014 sugerem que as coisas correram melhor do que até os mais optimistas previam.
27 de Janeiro
Quando se perde a memória, o Google ajuda. Uma simples pesquisa ajudaria André Freire a "descobrir" que foi um governo de Esquerda o primeiro a tentar vender a TAP (à Swissair). E não havia Troika, a entidade atrás de quem o governo se esconde para justificar o "fanatismo ideológico".
27 de Janeiro
Há países que não percebem que a melhor maneira de fazer o futuro é tomar esse futuro nas mãos. Não é pedir a outros para resolverem os seus problemas.
25 de Janeiro
Santarém tem um hospital, Abrantes tem outro e Torres Novas ainda outro. Todos juntos, num raio inferior a 100 quilómetros, servem uma população inferior à que recorre ao Hospital Fernando da Fonseca (Amadora-Sintra).
23 de Janeiro
O BCE venceu a resistência alemã (pelo menos de Merkel) e avançou com aquilo que até há pouco tempo era um sacrilégio: a compra de dívida pelo banco central.
21 de Janeiro
A ministra das Finanças disse no Parlamento que parte dos 150 funcionários transferidos da Segurança Social para a requalificação podem ser despedidos.
20 de Janeiro
Não gosto de sair do comentário económico. Mas há coisas de bradar aos céus. Que são prova da péssima classe política que temos. Vejamos: os Estados Unidos decidiram reduzir drasticamente a sua presença na Base das Lajes.
19 de Janeiro
Na terça-feira, a Comissão Juncker fez saber que passará a olhar para a consolidação, à luz do Pacto de Estabilidade e Crescimento, consoante o défice orçamental dos países do euro.
pub