Enviar por email
Reportar erro
Camilo Lourenço
Jornalista

Camilo Lourenço é licenciado em Direito Económico pela Universidade de Lisboa. Passou ainda pela Universidade de Columbia, em Nova Iorque e University of Michigan, onde fez uma especialização em jornalismo financeiro. Passou também pela Universidade ...

Camilo Lourenço é licenciado em Direito Económico pela Universidade de Lisboa. Passou ainda pela Universidade de Columbia, em Nova Iorque e University of Michigan, onde fez uma especialização em jornalismo financeiro. Passou também pela Universidade Católica Portuguesa. 

 

Experiência profissional - estágio na secção de Economia do semanário “O Jornal” (1987); estágio no jornal “Correio da Manhã (colunista da secção de Bolsa); jornalista na secção de Economia do jornal “Semanário” (1987); editor de Economia da Rádio Correio da Manhã (de 1988 a 1992); redactor principal do “Semanário Económico” (desde 1988); coordenador da secção Nacional do “Diário Económico” (de que foi um dos fundadores) desde 1990.

Director adjunto da revista “Valor”, que ajudou a fundar (1992). Director da mesma revista (1993), onde se manteve até 1995. Editor de Economia da Rádio Comercial, de 1992 a 1997.

Director editorial das revistas masculinas da Editora Abril/Controjornal: “Exame” (revista que também dirigiu); “Executive Digest”; “Turbo”; “Auto Guia”, “Exame Informática” e “Exame Digital” (de 1995 a 2002).

Comentador de assuntos económicos da Rádio Capital, de 2000 a 2005. Director da revista “Maisvalia” (de 2003 a 2005).

Comentador da RTP e RTP Informação, onde passou também a apresentar o programa “A Cor do Dinheiro”, sobre aconselhamento em Finanças Pessoais (desde 2007). Colunista do “Jornal de Negócios (desde 2007); comentador de assuntos económicos do Rádio Clube Português, de 2008 a 2010, estação onde apresentava dois programas: “Moneybox” (Macroeconomia) e “A Cor do Dinheiro” (aconselhamento financeiro).

Comentador de assuntos económicos da Media Capital Rádios (desde 2010). Numa das rádios do grupo, a M80, apresenta dois programas: “Moneybox” e “A Cor do Dinheiro”, herdados do Rádio Clube Português.

Comentador de assuntos económicos da televisão generalista TVI, onde apresenta “Contas na TV”, programa onde esclarece dúvidas dos telespectadores sobre questões de finanças pessoais.

A par destas funções Camilo Lourenço é docente universitário. Leccionou na Universidade de Lisboa, na Universidade Lusíada e no Instituto Superior de Comunicação Empresarial. Por outro lado lecciona pós-graduações e MBA.

Em 2010, por solicitação de várias entidades (portuguesas e multinacionais), começou a fazer palestras de formação, dirigidas aos quadros médios e superiores, em áreas como Liderança, Marketing e Gestão.

Em 2007 estreou-se na escrita, tendo co-autorado o livro “Como Tornar o Benfica Campeão”. Em 2009 lançou o seu primeiro livro a solo, “Como esticar o Salário e Encurtar o Mês”. Em 2012 lançou “Basta!”, um livro onde analisa os problemas da economia portuguesa e as soluções para os ultrapassar.

 

Contactos do Autor
Facebook
Email
últimos artigos do autor
21:36
A ministra da Justiça assumiu a responsabilidade pelo "apagão" do Citius, a plataforma informática que serve a Justiça.
19:45
A promiscuidade entre negócios e política em Portugal é antiga. E não é exclusivo sequer da Democracia; o anterior regime manteve uma ligação próxima a vários grupos empresariais. Isso permite qualificá-lo como um problema estrutural português.
16 de Setembro
Os políticos portugueses, na oposição e no governo, ainda não perceberam que se devem abster de comentários sobre a banca. E por maioria de razão sobre o caso BES/Novo Banco.
15 de Setembro
O processo de transfiguração do BES em Novo Banco e respectiva venda sem prejuízo (pelo menos) ia exigir muita coisa. Uma delas era abnegação.
14 de Setembro
Recuperar o dinheiro metido no Novo Banco seria sempre tarefa complicada, mesmo que a administração tivesse anos para afirmar a marca; vendê-lo no curto prazo torna essa missão impossível.
11 de Setembro
Há dias critiquei aqui o facto de a economia portuguesa viver de grupos empresariais excessivamente endividados, por falta de capitais próprios. Ontem a Mello Saúde lançou uma OPA concorrente à da Ángeles sobre a Espírito Santo Saúde. Se tiver êxito pode ter de pagar 420 milhões de euros, em que 2/3 virão de endividamento…
10 de Setembro
Há dois dias Christine Lagarde deu Espanha como exemplo de que as reformas estruturais funcionam: põem a economia a crescer e baixam o desemprego. Apesar de se ter esquecido dessas reformas enquanto foi ministra das Finanças em França, Lagarde tem razão no caso espanhol. Mas a observação feriu susceptibilidades em Lisboa.
10 de Setembro
O caso BES ainda vai fazer correr muita tinta. Por causa de vários "detalhes" que não estão esclarecidos. Um deles é o trabalho do departamento de Supervisão do Banco de Portugal.
09 de Setembro
Christine Lagarde é o exemplo que explica porque a França está em declínio económico e cada vez mais longe da Alemanha. Em entrevista ao "Les Échos", a ex-ministra das Finanças francesa diz que a Alemanha devia utilizar o orçamento e a política de rendimentos e preços para estimular a economia europeia.
07 de Setembro
O grupo Mello está interessado em comprar a Espírito Santo Saúde. Para aqueles que defendem a manutenção de centros de decisão empresarial em Portugal, esta é uma excelente notícia. Mas sob o ponto de vista da criação de riqueza, emprego e expansão internacional esta é... uma péssima notícia. Não porque o geupo Mello Saúde seja mal gerido, mas porque está excessivamente endividado. Como outros grupos empresariais portugueses... Aliás, este é o principal problema da economia portuguesa: tem falta de capital.
pub