Enviar por email
Reportar erro
Camilo Lourenço
Jornalista

Camilo Lourenço é licenciado em Direito Económico pela Universidade de Lisboa. Passou ainda pela Universidade de Columbia, em Nova Iorque e University of Michigan, onde fez uma especialização em jornalismo financeiro. Passou também pela Universidade ...

Camilo Lourenço é licenciado em Direito Económico pela Universidade de Lisboa. Passou ainda pela Universidade de Columbia, em Nova Iorque e University of Michigan, onde fez uma especialização em jornalismo financeiro. Passou também pela Universidade Católica Portuguesa. 

 

Experiência profissional - estágio na secção de Economia do semanário “O Jornal” (1987); estágio no jornal “Correio da Manhã (colunista da secção de Bolsa); jornalista na secção de Economia do jornal “Semanário” (1987); editor de Economia da Rádio Correio da Manhã (de 1988 a 1992); redactor principal do “Semanário Económico” (desde 1988); coordenador da secção Nacional do “Diário Económico” (de que foi um dos fundadores) desde 1990.

Director adjunto da revista “Valor”, que ajudou a fundar (1992). Director da mesma revista (1993), onde se manteve até 1995. Editor de Economia da Rádio Comercial, de 1992 a 1997.

Director editorial das revistas masculinas da Editora Abril/Controjornal: “Exame” (revista que também dirigiu); “Executive Digest”; “Turbo”; “Auto Guia”, “Exame Informática” e “Exame Digital” (de 1995 a 2002).

Comentador de assuntos económicos da Rádio Capital, de 2000 a 2005. Director da revista “Maisvalia” (de 2003 a 2005).

Comentador da RTP e RTP Informação, onde passou também a apresentar o programa “A Cor do Dinheiro”, sobre aconselhamento em Finanças Pessoais (desde 2007). Colunista do “Jornal de Negócios (desde 2007); comentador de assuntos económicos do Rádio Clube Português, de 2008 a 2010, estação onde apresentava dois programas: “Moneybox” (Macroeconomia) e “A Cor do Dinheiro” (aconselhamento financeiro).

Comentador de assuntos económicos da Media Capital Rádios (desde 2010). Numa das rádios do grupo, a M80, apresenta dois programas: “Moneybox” e “A Cor do Dinheiro”, herdados do Rádio Clube Português.

Comentador de assuntos económicos da televisão generalista TVI, onde apresenta “Contas na TV”, programa onde esclarece dúvidas dos telespectadores sobre questões de finanças pessoais.

A par destas funções Camilo Lourenço é docente universitário. Leccionou na Universidade de Lisboa, na Universidade Lusíada e no Instituto Superior de Comunicação Empresarial. Por outro lado lecciona pós-graduações e MBA.

Em 2010, por solicitação de várias entidades (portuguesas e multinacionais), começou a fazer palestras de formação, dirigidas aos quadros médios e superiores, em áreas como Liderança, Marketing e Gestão.

Em 2007 estreou-se na escrita, tendo co-autorado o livro “Como Tornar o Benfica Campeão”. Em 2009 lançou o seu primeiro livro a solo, “Como esticar o Salário e Encurtar o Mês”. Em 2012 lançou “Basta!”, um livro onde analisa os problemas da economia portuguesa e as soluções para os ultrapassar.

 

Contactos do Autor
Facebook
Email
últimos artigos do autor
19:54
Não estou no grupo dos cidadãos que morrem de amores pela classe política. E a razão é simples: um país que em 35 anos passou por três pré-bancarrotas só pode ter maus governantes (à Direita e à Esquerda). E, por isso, sou daqueles que acha que precisamos de uma profunda renovação dessa mesma classe política.
29 de Outubro
Tenho um convite para fazer ao leitor: consulte os jornais de 1984 e 1985, em plena segunda intervenção do FMI, e veja o estado de espírito do país. Ele era insultos ao dr. Mário Soares (sim, esse mesmo: o ex-primeiro-ministro-sem-memória); ele era injúrias ao ministro das Finanças da altura (o saudoso Ernâni Lopes); ele era greves; ele era o desânimo instalado na sociedade portuguesa…
29 de Outubro
Europa move-se. Devagar, mas move-se. A notícia de que a Comissão Europeia não gostou da modesta redução do défice estrutural destes países (aquele que expurga os efeitos da conjuntura económica) foi publicada no dia 23.
28 de Outubro
Troika está novamente aí. Desta vez para o primeiro dos exames semestrais que vai fazer até 2035. Ao contrário do que sucedeu até Maio, o "assessment" em curso não tem impacto no financiamento do Estado. Isto é, agora não há tranches para libertar.
27 de Outubro
Quando se olha para a lista dos bancos que chumbaram nos "stress tests", duas evidências saltam à vista. A primeira é o elevado número de instituições italianas.
26 de Outubro
Vítor Gaspar costumava dizer que Portugal teria de fazer o ajustamento com Troika ou sem ela. Por outras palavras, mesmo sem Troika o país teria de eliminar o défice orçamental e da balança corrente. Esta pedagogia servia para explicar por que as medidas de redução do rendimento das famílias eram inevitáveis: é impossível baixar, em tempo recorde, o défice comercial sem reduzir importações.
24 de Outubro
O governo anunciou uma cláusula de salvaguarda para o Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares. A ideia é permitir que nos próximos três anos os contribuintes possam optar por ser tributados segundo as regras que vigoram até final deste ano ou as que entram em vigor em 2015.
23 de Outubro
Os investidores são uns idiotas. Porque apesar de Portugal estar agora pior, estão dispostos a emprestar dinheiro a rodos… e a 3% (10 anos). Se calhar é da ajuda do BCE.
22 de Outubro
Os juros da dívida pública têm andado num sobe e desce. O movimento de alta iniciou-se com o regresso da instabilidade política à Grécia. Por causa disso os juros a dez anos chegaram a ultrapassar 3% depois de semanas estacionados abaixo dos 2%.
21 de Outubro
"Não me venham falar em investimentos com a situação que nós temos. Detesto investimentos chineses, não trazem coisíssima nenhuma: nem know-how, nem sequer management. Só levam barato".
pub