Enviar por email
Reportar erro
Camilo Lourenço
Jornalista

Camilo Lourenço é licenciado em Direito Económico pela Universidade de Lisboa. Passou ainda pela Universidade de Columbia, em Nova Iorque e University of Michigan, onde fez uma especialização em jornalismo financeiro. Passou também pela Universidade ...

Camilo Lourenço é licenciado em Direito Económico pela Universidade de Lisboa. Passou ainda pela Universidade de Columbia, em Nova Iorque e University of Michigan, onde fez uma especialização em jornalismo financeiro. Passou também pela Universidade Católica Portuguesa. 

 

Experiência profissional - estágio na secção de Economia do semanário “O Jornal” (1987); estágio no jornal “Correio da Manhã (colunista da secção de Bolsa); jornalista na secção de Economia do jornal “Semanário” (1987); editor de Economia da Rádio Correio da Manhã (de 1988 a 1992); redactor principal do “Semanário Económico” (desde 1988); coordenador da secção Nacional do “Diário Económico” (de que foi um dos fundadores) desde 1990.

Director adjunto da revista “Valor”, que ajudou a fundar (1992). Director da mesma revista (1993), onde se manteve até 1995. Editor de Economia da Rádio Comercial, de 1992 a 1997.

Director editorial das revistas masculinas da Editora Abril/Controjornal: “Exame” (revista que também dirigiu); “Executive Digest”; “Turbo”; “Auto Guia”, “Exame Informática” e “Exame Digital” (de 1995 a 2002).

Comentador de assuntos económicos da Rádio Capital, de 2000 a 2005. Director da revista “Maisvalia” (de 2003 a 2005).

Comentador da RTP e RTP Informação, onde passou também a apresentar o programa “A Cor do Dinheiro”, sobre aconselhamento em Finanças Pessoais (desde 2007). Colunista do “Jornal de Negócios (desde 2007); comentador de assuntos económicos do Rádio Clube Português, de 2008 a 2010, estação onde apresentava dois programas: “Moneybox” (Macroeconomia) e “A Cor do Dinheiro” (aconselhamento financeiro).

Comentador de assuntos económicos da Media Capital Rádios (desde 2010). Numa das rádios do grupo, a M80, apresenta dois programas: “Moneybox” e “A Cor do Dinheiro”, herdados do Rádio Clube Português.

Comentador de assuntos económicos da televisão generalista TVI, onde apresenta “Contas na TV”, programa onde esclarece dúvidas dos telespectadores sobre questões de finanças pessoais.

A par destas funções Camilo Lourenço é docente universitário. Leccionou na Universidade de Lisboa, na Universidade Lusíada e no Instituto Superior de Comunicação Empresarial. Por outro lado lecciona pós-graduações e MBA.

Em 2010, por solicitação de várias entidades (portuguesas e multinacionais), começou a fazer palestras de formação, dirigidas aos quadros médios e superiores, em áreas como Liderança, Marketing e Gestão.

Em 2007 estreou-se na escrita, tendo co-autorado o livro “Como Tornar o Benfica Campeão”. Em 2009 lançou o seu primeiro livro a solo, “Como esticar o Salário e Encurtar o Mês”. Em 2012 lançou “Basta!”, um livro onde analisa os problemas da economia portuguesa e as soluções para os ultrapassar.

 

Contactos do Autor
Facebook
Email
últimos artigos do autor
21:15
Em todo este "nonsense" que é o folhetim grego, os últimos dias trouxeram uma surpresa: o acordar da maioria silenciosa. Senão veja: as sondagens diziam que pelo menos 70% dos gregos não queriam sair da moeda única.
01 de Julho
Deprimente. Não há outra forma de qualificar o comportamento do governo grego. Depois de seis meses de conversa fiada, convocou um referendo a meio das negociações com o Eurogrupo.
30 de Junho
A comunicação social e as redes sociais andam cheias de gente empolgada com o "tratamento" da Zona Euro à Grécia. E socorrem-se dos "pais da Europa" (Monet, Schmidt, Delors, Kohl - ui! o que a Esquerda dizia dele nos anos 80...) para mostrar a pequenez dos actuais dirigentes.
29 de Junho
O Tribunal de Contas diz, no relatório sobre a privatização da EDP (duas fases) e da REN, que o Estado não maximizou o valor de venda e não acautelou os dividendos das empresas.
28 de Junho
Alexis Tsipras não quer a Grécia no euro. Mas como 70% dos seus concidadãos pensam o contrário, simulou uma negociação para conseguir cedências que permitissem ao país gastar o dinheiro que não tem e para não fazer reformas que se impõem há muito: se um sistema de pensões tem um défice equivalente a 10% do PIB, a idade de reforma tem de subir… amanhã! Não em 2022 (versão Troika) e muito menos em 2025 (versão Tsipras).
26 de Junho
A presente crise do euro não fica resolvida mesmo que credores e Grécia cheguem a acordo esta semana. O governo grego, já se percebeu, não tem interesse em pôr ordem nas contas públicas; quer apenas zerar o contador da dívida para poder voltar a gastar, repetindo o comportamento que levou o país ao charco.
25 de Junho
O conflito entre o Banco de Portugal e o Parlamento levanta uma questão importante em Democracia: qual a fronteira entre a independência da instituição perante um órgão democraticamente eleito?
23 de Junho
Nós, os portugueses, temos o coração mole. Num dia verberamos o comportamento inapropriado de alguém, para no outro nos comovermos com os seus problemas.
22 de Junho
Se as empresas valem assim tanto, porque os promotores dos protestos não montaram um sindicato para as comprar? Preferencialmente usando as suas poupanças… Nós, os contribuintes, ficaríamos muito agradecidos.
21 de Junho
Todos os que comentamos a Grécia temos trabalhado com uma certeza: eles querem ficar na moeda única, lutam é por um fardo menos pesado.
pub