Enviar por email
Reportar erro
Camilo Lourenço
Jornalista

Camilo Lourenço é licenciado em Direito Económico pela Universidade de Lisboa. Passou ainda pela Universidade de Columbia, em Nova Iorque e University of Michigan, onde fez uma especialização em jornalismo financeiro. Passou também pela Universidade ...

Camilo Lourenço é licenciado em Direito Económico pela Universidade de Lisboa. Passou ainda pela Universidade de Columbia, em Nova Iorque e University of Michigan, onde fez uma especialização em jornalismo financeiro. Passou também pela Universidade Católica Portuguesa. 

 

Experiência profissional - estágio na secção de Economia do semanário “O Jornal” (1987); estágio no jornal “Correio da Manhã (colunista da secção de Bolsa); jornalista na secção de Economia do jornal “Semanário” (1987); editor de Economia da Rádio Correio da Manhã (de 1988 a 1992); redactor principal do “Semanário Económico” (desde 1988); coordenador da secção Nacional do “Diário Económico” (de que foi um dos fundadores) desde 1990.

Director adjunto da revista “Valor”, que ajudou a fundar (1992). Director da mesma revista (1993), onde se manteve até 1995. Editor de Economia da Rádio Comercial, de 1992 a 1997.

Director editorial das revistas masculinas da Editora Abril/Controjornal: “Exame” (revista que também dirigiu); “Executive Digest”; “Turbo”; “Auto Guia”, “Exame Informática” e “Exame Digital” (de 1995 a 2002).

Comentador de assuntos económicos da Rádio Capital, de 2000 a 2005. Director da revista “Maisvalia” (de 2003 a 2005).

Comentador da RTP e RTP Informação, onde passou também a apresentar o programa “A Cor do Dinheiro”, sobre aconselhamento em Finanças Pessoais (desde 2007). Colunista do “Jornal de Negócios (desde 2007); comentador de assuntos económicos do Rádio Clube Português, de 2008 a 2010, estação onde apresentava dois programas: “Moneybox” (Macroeconomia) e “A Cor do Dinheiro” (aconselhamento financeiro).

Comentador de assuntos económicos da Media Capital Rádios (desde 2010). Numa das rádios do grupo, a M80, apresenta dois programas: “Moneybox” e “A Cor do Dinheiro”, herdados do Rádio Clube Português.

Comentador de assuntos económicos da televisão generalista TVI, onde apresenta “Contas na TV”, programa onde esclarece dúvidas dos telespectadores sobre questões de finanças pessoais.

A par destas funções Camilo Lourenço é docente universitário. Leccionou na Universidade de Lisboa, na Universidade Lusíada e no Instituto Superior de Comunicação Empresarial. Por outro lado lecciona pós-graduações e MBA.

Em 2010, por solicitação de várias entidades (portuguesas e multinacionais), começou a fazer palestras de formação, dirigidas aos quadros médios e superiores, em áreas como Liderança, Marketing e Gestão.

Em 2007 estreou-se na escrita, tendo co-autorado o livro “Como Tornar o Benfica Campeão”. Em 2009 lançou o seu primeiro livro a solo, “Como esticar o Salário e Encurtar o Mês”. Em 2012 lançou “Basta!”, um livro onde analisa os problemas da economia portuguesa e as soluções para os ultrapassar.

 

Contactos do Autor
Facebook
Email
últimos artigos do autor
19:30
O 1º ministro diz que vai lutar por uma maioria absoluta nas legislativas. É improvável que a consiga. Não apenas porque a recuperação económica vem tarde para fazer esquecer as agruras do programa de ajustamento, mas porque se houver novos casos como o do não pagamento de contribuições à Segurança Social, é provável que perca… e por larga margem.
26 de Fevereiro
"Numa ocasião difícil para o país, em que muitos não acreditaram que Portugal tinha condições para enfrentar e vencer a crise, os investidores chineses disseram 'presente'.
25 de Fevereiro
Quando se fala com responsáveis de órgãos de Justiça há uma lengalenga que se repete: a negação do que está mal no sector (ao melhor estilo corporativo).
24 de Fevereiro
As dificuldades de afirmação de António José Seguro entregaram o PS a António Costa. Foi um ver se te avias: o partido disparou nas sondagens e a maioria absoluta tornou-se uma quase certeza.
23 de Fevereiro
Caro leitor, faça um exercício: imagine que a Europa decide, toda ela, adoptar o modelo económico proposto pelos gregos. Atenção, quando digo toda a Europa quero dizer isso mesmo: toda a Europa. Alemanha incluída.
23 de Fevereiro
A Grécia cedeu em quase toda a linha para não saltar do euro, não obstante as bravatas das últimas semanas. Apesar disso, a "intelligentsia" portuguesa insiste na vitória do Syriza.
22 de Fevereiro
O acordo de sexta-feira entre o Eurogrupo e a Grécia sugere que o pior para o Euro já passou? Não. Apesar do "wishful thinking" de algumas análises...
19 de Fevereiro
O presidente da Comissão Europeia diz que a Troika é "pouco democrática" e que pecou contra a dignidade dos países intervencionados.
19 de Fevereiro
O governo francês decidiu adoptar um conjunto de medidas para facilitar a vida às empresas. Entre elas o aumento dos domingos em que as lojas podem estar abertas (5 para 12) e a "liberalização" do notariado e advocacia. Como não tinha garantias de que a lei passasse no parlamento, legislou por decreto.
17 de Fevereiro
O governo grego alega não aceita a extensão do programa de ajustamento porque recebeu um mandato do seu povo para o recusar (Varoufakis repetiu-o na 2ª feira ao explicar o falhanço das negociações do Ecofin).
pub