Enviar por email
Reportar erro
Camilo Lourenço
Jornalista

Camilo Lourenço é licenciado em Direito Económico pela Universidade de Lisboa. Passou ainda pela Universidade de Columbia, em Nova Iorque e University of Michigan, onde fez uma especialização em jornalismo financeiro. Passou também pela Universidade ...

Camilo Lourenço é licenciado em Direito Económico pela Universidade de Lisboa. Passou ainda pela Universidade de Columbia, em Nova Iorque e University of Michigan, onde fez uma especialização em jornalismo financeiro. Passou também pela Universidade Católica Portuguesa. 

 

Experiência profissional - estágio na secção de Economia do semanário “O Jornal” (1987); estágio no jornal “Correio da Manhã (colunista da secção de Bolsa); jornalista na secção de Economia do jornal “Semanário” (1987); editor de Economia da Rádio Correio da Manhã (de 1988 a 1992); redactor principal do “Semanário Económico” (desde 1988); coordenador da secção Nacional do “Diário Económico” (de que foi um dos fundadores) desde 1990.

Director adjunto da revista “Valor”, que ajudou a fundar (1992). Director da mesma revista (1993), onde se manteve até 1995. Editor de Economia da Rádio Comercial, de 1992 a 1997.

Director editorial das revistas masculinas da Editora Abril/Controjornal: “Exame” (revista que também dirigiu); “Executive Digest”; “Turbo”; “Auto Guia”, “Exame Informática” e “Exame Digital” (de 1995 a 2002).

Comentador de assuntos económicos da Rádio Capital, de 2000 a 2005. Director da revista “Maisvalia” (de 2003 a 2005).

Comentador da RTP e RTP Informação, onde passou também a apresentar o programa “A Cor do Dinheiro”, sobre aconselhamento em Finanças Pessoais (desde 2007). Colunista do “Jornal de Negócios (desde 2007); comentador de assuntos económicos do Rádio Clube Português, de 2008 a 2010, estação onde apresentava dois programas: “Moneybox” (Macroeconomia) e “A Cor do Dinheiro” (aconselhamento financeiro).

Comentador de assuntos económicos da Media Capital Rádios (desde 2010). Numa das rádios do grupo, a M80, apresenta dois programas: “Moneybox” e “A Cor do Dinheiro”, herdados do Rádio Clube Português.

Comentador de assuntos económicos da televisão generalista TVI, onde apresenta “Contas na TV”, programa onde esclarece dúvidas dos telespectadores sobre questões de finanças pessoais.

A par destas funções Camilo Lourenço é docente universitário. Leccionou na Universidade de Lisboa, na Universidade Lusíada e no Instituto Superior de Comunicação Empresarial. Por outro lado lecciona pós-graduações e MBA.

Em 2010, por solicitação de várias entidades (portuguesas e multinacionais), começou a fazer palestras de formação, dirigidas aos quadros médios e superiores, em áreas como Liderança, Marketing e Gestão.

Em 2007 estreou-se na escrita, tendo co-autorado o livro “Como Tornar o Benfica Campeão”. Em 2009 lançou o seu primeiro livro a solo, “Como esticar o Salário e Encurtar o Mês”. Em 2012 lançou “Basta!”, um livro onde analisa os problemas da economia portuguesa e as soluções para os ultrapassar.

 

Contactos do Autor
Facebook
Email
últimos artigos do autor
20:30
O governo decidiu optar pela requisição civil para parar a greve da TAP. A medida tardava: quando se fala de transporte, nomeadamente aéreo, as pessoas e as empresas que dele precisam não podem ficar na incerteza.
00:01
Fisco desencadeou ontem uma acção de fiscalização junto de 10 mil empresas para esclarecer um mistério com barbas na economia portuguesa: os inventários. Sim, as existências.
17 de Dezembro
Há 14 anos, Detlev von Rosen, sueco, resolveu plantar oliveiras. Hoje produz o azeite mais caro de Portugal e um dos mais caros do mundo: 34 euros/litro.
16 de Dezembro
Os sindicatos da TAP tinham uma condição para abandonar a greve convocada para o final deste ano: a suspensão do processo de privatização da empresa. Curioso: o accionista da TAP não é o Estado? Sendo assim, não é ao accionista que compete decidir o futuro da empresa? Não se pode inverter as coisas, colocando trabalhadores a decidir pelo accionista.
16 de Dezembro
Quem lê esta coluna sabe que não me comovo com argumentos nacionalistas para decidir a nossa política. O mesmo é dizer que não me preocupa nada que certas decisões sejam tomadas no exterior. Nem sequer nas áreas chamadas de soberania, como a emissão de moeda e orçamento.
15 de Dezembro
António Costa está a fazer jus ao que de mau existe na forma de fazer política em Portugal. Desde a semana passada desatou a fazer campanha contra a privatização da Tap, com o argumento de que o memorandum de entendimento prevê apenas a privatização parcial da empres
11 de Dezembro
Margrethe Vestager é comissária europeia. Ontem, questionada sobre se a TAP pode ser capitalizada pelo Estado, respondeu com um "nim": "É uma questão muito difícil de lidar"; é possível "one time, one last time"; "é melhor tratar o assunto em concreto se aparecer na minha secretária"…
11 de Dezembro
O primeiro-ministro disse no México que Portugal e Espanha já estão a beneficiar das reformas estruturais feitas nos últimos três anos. E criticou outros países que, precisando delas, não as fizeram (referência clara a França, Itália e Grécia).
10 de Dezembro
A economia depende de uma multiplicidade de factores que é difícil prever com exactidão. Vejamos: o ano começou mal. Em Março, em termos homólogos, as exportações caíram 0,8% em Abril, voltaram a cair (4,7%) em Maio e caíram em Junho (3,6%).
09 de Dezembro
As audições parlamentares relativas à falência do Banco Espírito Santo confirmaram o que se suspeitava: Ricardo Salgado pretende responsabilizar outros (Banco de Portugal, governo…) pelo afundamento do banco. Ele, Salgado, é pessoa com 40 anos de banca e a sua idoneidade não pode ser posta em causa.
pub