Carlos Bastardo
Carlos Bastardo 21 de Junho de 2012 às 23:30

Resgate? Não! Isto é só um financiamento!

Por muito que custe aos espanhóis admitirem que foram resgatados, o facto é que o foram e as yields da dívida espanhola a dez anos ultrapassaram os 7%, considerado o nível em que as campainhas de alarme tocam.
Nos últimos anos várias frases de políticos europeus não beneficiaram a união da Europa: "Espanha não é a Grécia", Elena Salgado, ministra das Finanças de Espanha em Fevereiro de 2010. "Portugal não é a Grécia", The Economist, em 22 de Abril de 2010. "A Irlanda não faz parte do território grego", Brian Lenihan, ministro das Finanças da Irlanda."A Grécia não é a Irlanda", George Papaconstantinou, ministro das Finanças da Grécia em 8 de Novembro de 2010. "Espanha não é nem a Irlanda nem Portugal", Elena Salgado, ministra das Finanças de Espanha, 16 Novembro de 2010. "Nem Espanha nem Portugal são a Irlanda", Angel Gurria, Secretário-Geral da OCDE, em 18 de Novembro de 2010.

Estas frases revelam as diferenças que existem no espaço da Zona Euro. Contudo, o resultado foi idêntico: todos foram resgatados.

Por muito que custe aos espanhóis admitirem que foram resgatados, o facto é que o foram e as yields da dívida espanhola a dez anos ultrapassaram os 7%, considerado o nível em que as campainhas de alarme tocam. Responsáveis do governo espanhol dizem que o valor de 100 mil milhões de euros é uma linha de financiamento e não um resgate: o problema é que falamos de bancos públicos como o Bankia que devido às perdas potenciais, necessitam de capital entre 2 a 2,5% do PIB do país, ou de outras caixas de poupança muito relacionadas com o poder político em Espanha. Além disso, os detalhes desse financiamento ainda não se conhecem, o que não deixa de ser estranho!

Dizem que não foram resgatados, mas o FMI já lhes disse para aumentarem o IVA, reduzirem os ordenados dos funcionários públicos e apressarem as privatizações.

Vi muitos analistas nas últimas semanas apontarem o dedo à Grécia como a causa de todos os males das bolsas. Mas será efectivamente a Grécia a principal preocupação? Não, apenas pelo contágio. O grande problema da Europa é Espanha. Este país é a 4.ª potência económica europeia e com um peso de 11% do PIB da Zona Euro. Foi o país da Zona Euro onde houve maior especulação imobiliária e onde o endividamento das empresas e das famílias é dos mais elevados, contrariamente à dívida do Estado que é por enquanto um dos valores mais baixos, embora se preveja que chegue aos 100% do PIB em 2014. O crédito mal parado já vai nos 8,72% (dados de Abril de 2012), o valor mais alto dos últimos 18 anos.

Espanha é que é de facto o "osso duro de roer" para os políticos europeus e para os mercados financeiros nos próximos tempos. A Zona Euro até agora não tem passado de uma manta de retalhos e ainda por cima curta: quando uns puxam por ela, outros ficam destapados. A Zona Euro só tem viabilidade com um maior nível de federalismo.

Um governo económico e um orçamento europeu exigem um aumento do nível de supervisão de cada país e dos bancos europeus (melhor e mais exigente). A próxima reunião do Eurogrupo tem de dar respostas concretas e estruturantes que convençam os mercados, caso contrário, a situação de desconfiança irá aumentar.

Sinceramente, não estou a ver os espanhóis e muito menos os franceses e os próprios alemães a abdicarem facilmente de alguma soberania, quando é urgente uma união fiscal, política e financeira. Mas não há outro caminho! O processo vai demorar tempo e enquanto isso, os efeitos negativos na economia europeia e global estão a aumentar.

Está na hora de uma política monetária expansionista que promova o crescimento económico, crie emprego, reduza a dívida dos países da Zona Euro e de forma preventiva afaste o problema da deflação. O custo de financiamento dos países em dificuldades deve baixar um pouco mais e a austeridade deve ser menos impiedosa (mais gradual no tempo). Isto é, em linhas gerais, o que o Eurogrupo tem de decidir energicamente nos dias 28 e 29 de Junho.

Acima de tudo, para resolver um problema de solvência é necessário antes de tudo, gerar confiança. Sem ela, nada feito! Espero e desejo que finalmente se tomem as medidas adequadas e se deixem as tricas nacionalistas individuais.

Autor do livro Gestão de Activos Financeiros – Back to Basis

A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
mtrj 22.06.2012

Comentario ridiculo - e' tao bonito dizer que uma economia de mercado livre funciona bem na perfeicao, como e dizer que uma economia puramente comunista tambem funciona...

esquece-se que em Portugal temos monopolios nas energias? (electricidade e distribuicao) esquece-se que em Portugal ha duopolios em muitos dos sectores chave da economia?

conheca primeiro a realidade do pais antes de ler Schumpeter...

Economista2000 22.06.2012


""para resolver um problema de solvência é necessário antes de tudo, gerar confiança""

Para gerar confiança é preciso implementar reformas estruturais. Eis algumas:

- Abolição do salário mínimo e liberalização dos despedimentos
- Abolição dos descontos tanto por parte dos trabalhadores como por parte das empresas (TSU)
- Fim dos preços regulados
- Fim da subsidiação directa e indirecta de qualquer sector económico
- Extinção administrativa de todas as juntas de freguesia a nível nacional

Há mais, mas por agora chega.

""Está na hora de uma política monetária expansionista que promova o crescimento económico, crie emprego, reduza a dívida dos países da Zona Euro e de forma preventiva afaste o problema da deflação""

CB está equivocado, está na hora da implementação rápida e em força de reformas estruturais (Schumpeter, não Keynes nem Friedman).

Eurocéptico 22.06.2012

Espanha é de facto o problema, uma vez que são 11% do PIB. E o problema é que é o nosso maior comprador de produtos. As nossas exportações já estão a sofrer com isso, pelo que Portugal deve aumentar a quota das mesmas para países fora da Zona Euro.
Tem razão quando diz que o Eurogrupo deve tomar finalmente as medidas que já deveria ter tomado.
Pode ser que a Grécia hoje ganhe à Alemanha! Não deixava de ser giro!
E o mais giro era se as meias-finais do Euro fossem: Portugal-Espanha e Itália-Grécia, já agora arbitradas por árbitros irlandeses! O melão dos alemães ainda era maior!

Ex-aluno 22.06.2012

É um salvamento. Houve de facto um resgate aos bancos que são do Estado, logo, o País está directamente implicado. Aliás, a própria ministra espanhola disse hoje que Espanha vai pedir o resgate dos bancos. Não há dúvidas que é um resgate, para já, soft.
Esperemos que daqui a uns meses não haja novos capítulos.
Os números que refere sobre Espanha são de facto bastante preocupantes. Como sempre, Professor, em grande!

ver mais comentários
pub
pub
pub