Jorge de Sá
Jorge de Sá 18 de abril de 2018 às 19:00

Paul Singer: um fazedor de "geringonças"

O trabalho de Paul Singer em prol da erradicação da pobreza extrema no Brasil valeu-lhe muitos reconhecimentos, entre os quais o do rei do Butão, promotor do conceito de felicidade bruta.

Morreu Paul Singer.

 

Há poucos meses, em Manaus, numa conferência do CIRIEC Internacional organizada pela sua secção brasileira tive a honra de dizer umas palavras sobre Paul Singer relembrando o dia 24 de março de 1932 em que Dona Carolina, modista, deu à luz em Erlaa, subúrbio operário de Viena de Áustria, um bebé do sexo masculino que recebeu o nome de Paul Israel Singer.

 

O nome de Israel, imposto pela besta nazi a todos os bebés judeus do sexo masculino, era o sinal da discriminação que quase oito anos depois obrigou a sua mãe, então viúva, a fugir para o Brasil. E foi no exato dia do aniversário dos seus oito anos que Paul Singer desembarcou em Santos, fazendo do Brasil a sua terra prometida, estudando para logo, ainda adolescente, se fazer eletrotécnico e crescer no corpo e na mente de um jovem brasileiro amante da sua pátria e do seu povo. Terminei a intervenção de então com um "Bem-haja Paul Singer pela sua obra de amor à humanidade!".

 

E é deste amor que quero deixar hoje um pequeníssimo testemunho.

 

Desde cedo, Singer participou ativamente na vida sindical e política de São Paulo e logo na sua vida cultural, depois de ingressar, aos 24 anos, como trabalhador-estudante, na USP, mais precisamente na sua Faculdade de Ciências Económicas e Administrativas.

 

Mais jovem tinha estudado o sionismo e a experiência coletiva dos "kibutzes", chegando a equacionar a hipótese de emigração para Israel, mas logo foi demovido pela sua mãe e pelo amor ao Brasil.

 

Conviveu com muitos intelectuais da sua terra e foi tornando-se uma referência pelo vigor das suas ideias, que ele, sempre calmo e tranquilo, defendia com tenacidade.

 

Em 1974, foi preso pela ditadura, em 1980, foi fundador do PT, em 1982, escreveu o programa da candidatura de Lula ao governo de São Paulo, em 1989, foi secretário do Planeamento da prefeitura de São Paulo, em 2002, lança o livro "Introdução à Economia Solidária" que irá ser uma referência mundial.

 

É, aliás, nessa sequência que Singer propõe o conceito de economia social e solidária numa designação abrangente, simultaneamente, europeia e latino-americana.

 

Mas é desde 2003 e até 2015 que Paul Singer se vai distinguir pela obra que desenvolveu no governo, primeiro com Lula e depois com Dilma, na Secretaria Nacional de Economia Solidária.

 

Defende uma visão do desenvolvimento social sustentado no crescimento do mercado interno e na promoção de uma redistribuição mais justa da riqueza nacional, inspirando-se na economia social e solidária enquanto economia coletiva e ao mesmo tempo garante da liberdade individual.

 

O seu trabalho em prol da erradicação da pobreza extrema no Brasil valeu-lhe muitos reconhecimentos, entre os quais o do rei do Butão, promotor do conceito de felicidade bruta, que convidou Singer para um encontro em Nova Iorque com o propósito de o conhecer pessoalmente.

 

Há uns tempos, já doente, Paul contactou-me para que eu lhe explicasse o que era isso da "geringonça portuguesa". Elogiou Costa e os partidos da "geringonça", acrescentando que a sustentação do mercado interno era a chave de uma maior solidariedade capaz de criar coesão social e dignidade cívica.

 

Como escreveu hoje Fernando Henrique Cardoso, Singer deixa saudades. Sobretudo saudades do futuro que sempre quis erguer. Sejamos, pois, dignos da sua memória.

 

Praesidium do CIRIEC Internacional

 

Realiza-se amanhã, dia 20 de abril, a reunião do Praesidium do CIRIEC Internacional, de que também faz parte o CIRIEC Portugal.

 

O evento terá lugar em Valência (Espanha) e a sua agenda de trabalhos inclui a aprovação do relatório e contas do exercício de 2017, a preparação da assembleia-geral de 1 de junho e a aprovação do programa do 32.º Congresso Internacional do CIRIEC, marcado para Liège (Bélgica), entre 30 de maio e 1 de junho (www.events.uliege.be/ciriec2018).

 

Sublinhe-se que para a sessão inaugural do 32.º Congresso foram convidados os ministros do Trabalho e Segurança Social de Espanha e de Portugal.

 

Economia social europeia apresentada nos EUA

 

A City University of New York acolheu, nos passados dias 2 e 3 de abril, dois seminários, com a participação de Pilar Alguacil da Universidade de Valência e CIRIEC Espanha, que expôs o conceito europeu de economia social e as políticas públicas para o setor.

 

No primeiro seminário, "Academic Study of Cooperative Economics", foi realçada a relevância adquirida pelo conceito de economia social na Europa e a sua crescente implantação nos estudos universitários europeus. No segundo seminário, "Laws and Taxation that can promote a Solidarity Economy", foram analisadas as políticas públicas da União Europeia para a economia social.

 

Presidente do CIRIEC Portugal e vice-presidente do CIRIEC Internacional

 

Artigo em conformidade com o novo Acordo Ortográfico

pub