Eduardo Cintra Torres
[528.] Desinformação em torno do Colégio Militar
19 Setembro 2013, 00:01 por Eduardo Cintra Torres | eduardocintratorres@gmail.com
5
Enviar por email
Reportar erro
Fazer um vídeo a gozar, não solicitado (?) pelo cliente, e sugerir uma ligação dos Antigos Alunos a uma iniciativa gay são métodos rascas e desinformativos impróprios de publicitários e de agentes de "comunicação".

O anúncio publicitário da Associação dos Antigos Alunos do Colégio Militar (AAACM) teve tal repercussão que os próprios responsáveis pelo anterior anúncio do governo promovendo a fusão dos estabelecimentos militares de ensino intervieram em força, com outros meios.


Critiquei os dois anúncios, o do Ministério e o da AAACM na semana passada: em Julho, o MDN usou a publicidade comercial na TV para promover como facto consumado a fusão do Colégio Militar e dos institutos de Odivelas e dos Pupilos do Exército. O reclame centrava-se nas personalidades históricas que lá passaram, evitando singularizar cada escola. Em Agosto, a AAACM ripostou com um anúncio de TV centrado na defesa da instituição como guardiã duma tradição e de valores e na interrogação, por personalidades que passaram no colégio, do porquê da intenção do Ministério de desvirtuar a escola na fusão. O anúncio foi inesperado, pois não é hábito a sociedade civil recorrer à publicidade comercial em TV para se fazer ouvir, reunir apoio e pressionar o poder. Logo se questionou a origem do dinheiro para pagar a campanha, o que não sucedeu com a utilização de dinheiro público para pagar a campanha anterior do Ministério. Essa "dúvida", característica da desinformação, obrigou a AAACM a esclarecer que resultava duma recolha de fundos junto da sua própria comunidade.

A desinformação precisou de ir mais longe. Entrou em cena a agência de "comunicação" Next Power, à qual se atribui a autoria da campanha de Julho do Ministério (http://www.dinheirovivo.pt/Buzz/Artigo/CIECO271693.html). Pedi confirmação da autoria do anúncio ao Ministério da Defesa, que não respondeu à minha pergunta; mas obtive-a de outras fontes. A Next Power interveio inopinadamente, pois não é comum os publicitários agirem em nome próprio nas causas dos clientes, sendo norma ficarem na retaguarda, dando a primazia aos clientes.

A Next Power fez um vídeo gozando com o anúncio da AAACM; pô-lo no Youtube (http://www.youtube.com/watch?v=097 ifC2Ei2g) e publicitou-o no seu site no Facebook. Nele imitam a sequência de "porquês" do anúncio da Associação, para sugerir que os antigos alunos não querem mulheres no Colégio, o que não constava do anúncio da AAACM. Rodrigo Moita de Deus, responsável da agência, foi mais longe. No seu blogue, aproveitou a estadia de um cruzeiro gay em Lisboa para escrever o seguinte: "Pensei que fosse mais [uma] acção de protesto da Associação dos Antigos Alunos do Colégio Militar" (http://31daarmada. blogs.sapo.pt/6068275.html).

Estes actos da Next Power estão tipificados nos métodos das operações concretas de desinformação, como a inversão dos factos, a mistura verdadeiro-falso e a modificação do motivo, métodos sumarizados no capítulo "Como funciona", na Pequena História da Desinformação, de V. Volkoff (Ed. Notícias, 2000).

A Next Power é uma agência inspirada por Luís Paixão Martins, proprietário da LPM, que precisava de penetrar na direita política. Ele estava, há cerca de cinco anos, totalmente identificado com José Sócrates, de quem foi um dos inventores e principais beneficiários no universo concorrencial das agências de "comunicação". Vendo que o governo Sócrates cairia, foi criada a Next Power, que, como o nome indica, pretendia obter negócio no "poder seguinte", o do PSD. Para isso, usou como "front man" Moita de Deus, identificado com o PSD. Controlando a Next Power, Paixão Martins pôde assim abrir uma janela de oportunidade na alternância do bloco central do PS para o PSD.

Mesmo que não se aprecie estes meandros dos negócios próximos da política, eles são aparentemente legais. Todavia, a acção concertada de desinformação da Next Power e de Moita de Deus neste caso ultrapassam os limites da ética e da decência em comunicação. Fazer um vídeo a gozar, não solicitado (?) pelo cliente, e sugerir uma ligação dos Antigos Alunos a uma iniciativa gay são métodos rascas e desinformativos impróprios de publicitários e de agentes de "comunicação". Infelizmente, passam ignorados e impunes nos media que, se ontem dependiam dos anunciantes, hoje dependem também destas agências de "comunicação" que encharcam as redacções de contactos, convites aliciantes e "notícias" para encher os on-lines e o papel.

5
Enviar por email
Reportar erro
Seguir Autor