Isabel Stilwell
Isabel Stilwell 20 de março de 2018 às 20:16

Só um tipo muito estúpido é que tem uma empresa

O empresário é um alvo colocado à mercê dos milhares de institutos, direções, autoridades, departamentos e repartições criados para lhe infernizar a vida. Decididamente, fazemos bem em desconfiar de quem se mete nisso.

Não faltam estudos, documentos e análises a confirmarem que o nível de instrução dos empresários portugueses é uma autêntica desgraça, com escolaridade inferior à média dos trabalhadores, na maioria dos casos não ultrapassando o ensino básico.

 

Muitos acreditam que reside aí uma das justificações para a baixa produtividade nacional. O problema não estaria nos trabalhadores, mas em quem os comanda, que em muitas das vezes não percebe patavina do que anda a fazer e sabe tanto de gestão e estratégia como eu de medicina quântica. Reforça a tese a percepção que gostamos de alimentar (não interessa nada se certa ou errada) de que os "nossos" emigrantes são umas estrelas da companhia "lá fora", enquanto se encostam e fazem ronha "cá dentro".

 

E embora nenhum desses estudos esclareça se as limitações dos empresários decorrem do facto de não terem tido instrução capaz ou se é por serem tão limitados que não conseguiram ir mais longe na escola, alguma coisa se passa. Porque se analisarmos as complicações que decorrem para a vida de um qualquer indivíduo a partir do malfadado dia em que lhe passou pela cabeça trocar a estabilidade do emprego para se lançar numa aventura empresarial, concluímos que, realmente, é necessária uma dose elevada de estupidez para alguém ser empresário neste país.

 

No início, parecem só facilidades. Basta pôr um emblema de start-up na lapela para ser convidado para conferências e "sumits", recebendo elogios e palavras de encorajamento de governantes e dando entrevistas a torto e a direito, que mais agravam a inconsciência do logro em que está metido.

 

É apenas quando a poeira assenta e é entregue a si próprio que começa a perceber que o empresário é basicamente um alvo colocado à mercê dos milhares de institutos, direções, autoridades, departamentos e repartições, cuja principal ocupação é dificultar a vida às empresas e seus proprietários, com regras, decretos, determinações e normas cujo integral cumprimento acarreta a necessidade de contratar advogados, contabilistas e técnicos vários, arrasando logo à partida o equilíbrio económico do negócio.

 

Os poucos que conseguem ultrapassar esta fase e sobreviver são irremediavelmente acometidos do "trauma postal". Trata-se de uma síndrome que determina o aumento do nível de ansiedade à chegada do correio perante a inevitabilidade de o mesmo lhe trazer a notícia de uma qualquer infração às 5.327 regras a que está obrigado, acompanhada do anúncio de coimas e multas aplicáveis e ameaças várias de condenação por crimes hediondos.

 

Por fim percebem que não escapam a essas investidas, por muito que tentem ser rigorosos e invistam tempo e dinheiro a procurar minimizá-las. E compreendem também que não podem contrariar a máquina controladora que deles se alimenta, e que parte do pressuposto de que não passam de malandros decididos a ganhar dinheiro à custa dos outros, ou seja, cidadãos duvidosos que têm de ser tratados com rédea curta.

 

E, no fundo, não é que têm razão? Se fossem pessoas inteligentes e bons chefes de família, tinham-se ficado pelo trabalho por conta de outrem, como a maioria de nós. De facto, se andam a brincar às empresas é seguramente porque preparam alguma - é penalizá-los por conta, já!

 

Jornalista

 

Artigo em conformidade com o novo Acordo Ortográfico

pub