Jorge Fonseca de Almeida
Jorge Fonseca de Almeida 24 de Fevereiro de 2016 às 00:01

O neuromarketing é perigoso?

Nos últimos anos, tem vindo a ganhar força nos Estados Unidos e na Europa uma nova especialidade do marketing: o neuromarketing.

Entre nós parece haver um receio de enveredar por estudos e ações nesta área, sendo poucas as empresas portuguesas que dele têm conhecimento e ainda mais escassas as que o utilizaram. 

 

O neuromarketing é um campo dos estudos de mercado que procura determinar com rigor a resposta dos consumidores a nível sensório-motor, cognitivo e afetivo aos estímulos da publicidade, da experiência de consumo e do marketing em geral. O neuromarketing resulta de uma simbiose entre os estudos de mercado e a neurociência, nomeadamente dos estudos em neurociência do consumidor. 

 

Estes estudos não recorrem aos tradicionais inquéritos e entrevistas, que continuam a ser indispensáveis, mas a um conjunto de outras técnicas que registam a reposta do indivíduo a estímulos. Entre estas técnicas encontra-se a ressonância magnética funcional (IRMf), a eletroencefalografia (ECC) e a "steady state topography" (SST). 

 

As imagens da ressonância magnética funcional registam a atividade cerebral com base nas alterações do fluxo sanguíneo. A eletroencefalografia, por seu lado, mostra-nos as correntes elétricas que percorrem o cérebro quando estimulado pelos sentidos. A leitura é feita através de elétrodos, não invasivos, colocados na superfície do crânio. A SST mede a atividade cerebral sendo muito utilizada nos estudos de neurociências. 

 

Existem várias regiões do cérebro envolvidas no processo de decisão dos consumidores. Por exemplo, a zona ventromedial do córtex pré-frontal é crucial nas decisões sobre marcas, estando já determinado que indivíduos com lesões nesta zona não tem um comportamento padrão no que respeita à preferência por marcas. 

 

Regressando à nossa pergunta inicial: será o neuromarketing perigoso? A resposta é simultaneamente sim e não. 

 

Não é claramente perigoso para os participantes, para quem é inócuo, nem para os consumidores, para quem pode inclusivamente ser muito benéfico, na medida em que permite ajustar os produtos e serviços às suas preferências. 

 

Mas também é claramente perigoso. Sim, ele é muito perigoso para aquelas empresas e empresários que, por preconceito ou ignorância, o não usam, ficando deste modo privados de valiosa informação que os seus concorrentes utilizarão para os colocar fora de mercado. 

 

É uma panaceia que vem resolver todos os problemas e desvendar de uma vez por todos os mistérios da decisão de compra dos consumidores? Certamente que não, mas é uma ferramenta que nos pode fornecer valiosa informação, especialmente se for utilizado para aquilo que melhor serve: aferir as respostas cognitivas das várias pessoas e grupos aos estímulos do marketing. 

 

Portugal já leva algum atraso neste campo. É tempo de recuperar o percurso que nos separa dos concorrentes e investir seletivamente nas áreas em que o neuromarketing pode dar um contributo para a eficiência da comunicação, do reforço de marcas e de marketing mais eficaz.

 

Economista
Este artigo está conformidade com o novo Acordo Ortográfico

A sua opinião9
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Maria Valentina Umer 24.02.2016

Este tipo ``economista`` deveria escrever sobre a corrupcao entre Portugal e Angola! Um tema atual! È economista ou um destes tipos corruptos que conseguem tachos? È talvez um que nao agarrou um tacho no governo corrupto portugues, e faz-se com gurus Americanos em Marketing.

maria Valentina Umer 24.02.2016

O povo portugues tem que ser educado como o fazem os países do Norte para tomar as rédeas da Pátria. O povo portugues ficou amesquinhado pelo sistema salarazista e pela religiao católica. Nao me venha com Marketing balofo! Nao tem qualquer credibilidade profissional! Deixe os seu CV nestas páginas!

Maria Valentina Umer 24.02.2016

Besides, what organization do you represent , or where did you get the title ``economista``? You write here without leaving your credentials in the appropriate space for it. Who the hell are you? The column ``Opiniao`` neste jornalelo deveria ser profissional!

Maria Valentina Umer 24.02.2016

Besides, what organization do you represent , or where did you get the title ``economista``? You write here without leaving your credentials in the appropriate space for it. Who the hell are you? The column ``Opiniao`` neste jornalelo deveria ser profissional!

ver mais comentários