Jorge Marrão
Jorge Marrão 14 de junho de 2016 às 00:01

O socialismo da tragédia

O pingue-pongue noticioso entre Belém e S. Bento cada um à sua maneira preparando o amanhã das suas responsabilidades não augura nada de bom.

A FRASE...

 

"O país está paralisado e a ação política é à volta de questões que são secundárias ou supérfluas."

 

Vasco Pulido Valente, Expresso, 7 de Junho de 2016 

 

A ANÁLISE...

 

As elites estão a participar num jogo perverso. Assistem sentados em cadeiras almofadadas à tragédia económica (o país não cresce e não se livra da dívida com fintas noticiosas). Não denunciam convictamente o que se passa, mas convivem com a delação inconsequente.

 

A ideologia prevalecente do crescimento borregou. O recentrar no capitalismo (eufemisticamente economia de mercado), quer este seja selvagem, domado, espartilhado ou livre, será decisivo. Precisamos de capital, mas desprezamos os capitalistas. Precisamos de poupança, mas estimulamos o consumo. Precisamos de horas de trabalho, mas reduzimos o tempo de trabalho. Precisamos de produtividade, mas detestamos a flexibilidade. Precisamos de gerações mais novas a trabalhar, mas defendemos a antiguidade. Precisamos de sangue novo na decisão, mas recorremos a senadores, ou jovens envelhecidos que perpetuam os modelos gastos e falhados. Precisamos de um Estado leve, ágil e preparado, e sai-nos na rifa um Estado caro, anafado, e ignorante sobre o que fazer.

 

Os lusitanos dos Montes Hermínios, um povo em permanente tertúlia, à mesa do café têm inúmeras soluções possíveis. Nos órgãos de decisão, as soluções são confusas para mascarar a verdadeira realidade: o falhanço das políticas públicas para o crescimento. E a cada ciclo eleitoral renasce uma nova litania e novos arautos da mágica solução. O pingue-pongue noticioso entre Belém e S. Bento cada um à sua maneira preparando o amanhã das suas responsabilidades não augura nada de bom.

 

Este artigo de opinião integra A Mão Visível - Observações sobre as consequências directas e indirectas das políticas para todos os sectores da sociedade e dos efeitos a médio e longo prazo por oposição às realizadas sobre os efeitos imediatos e dirigidas apenas para certos grupos da sociedade.

maovisivel@gmail.com

A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 14.06.2016

Os nossos Politiqueiros,pequeninos,muito limitados,não descortinam nada mais,além da região umbilical.

Os diagnósticos estão feitos há muito,velhos e relhos.

Mesmo para bem dos seus filhos,os nossos pseudo-governantes recusam-se a executar as terapeuticas indicadas

para sairmos do caminho do abismo

comentários mais recentes
Mr.Tuga 14.06.2016

TugaLândia dos medíocres e atrasados e a sua elitezeca que se perpetua nos tachos e poleiros e no carreirismo politico!

Este sitio, sem futuro, não é para gente séria!
Uma pocilga pestilenta!

Anónimo 14.06.2016

Os nossos Politiqueiros,pequeninos,muito limitados,não descortinam nada mais,além da região umbilical.

Os diagnósticos estão feitos há muito,velhos e relhos.

Mesmo para bem dos seus filhos,os nossos pseudo-governantes recusam-se a executar as terapeuticas indicadas

para sairmos do caminho do abismo

Juca 13.06.2016

Com o texto confronto-me de forma pouco clara e inequívoca se não poderia dizer "a tragédia do socialismo" como que catapultado para uma tragédia grega.