Cronista
José M. Brandão de Brito
Opinião
Refundação improvável 24.05.2017 José M. Brandão de Brito
Opinião A túlipa de Frankfurt 17.05.2017 José M. Brandão de Brito
Opinião Le Pen não é Trump… mas quase 26.04.2017 José M. Brandão de Brito
Opinião O populismo no Ocidente 11.04.2017 José M. Brandão de Brito
Opinião Os deuses devem estar doidos  15.03.2017 José M. Brandão de Brito
Opinião Os idos de março de 2017 14.03.2017 José M. Brandão de Brito
Opinião Boas notícias 20.02.2017 José M. Brandão de Brito
Opinião Será que a república tem um "bug"? 16.02.2017 José M. Brandão de Brito
José M. Brandão de Brito Um Presidente para a ocasião 08.02.2017 José M. Brandão de Brito
José M. Brandão de Brito Compromisso com a Europa 01.02.2017 José M. Brandão de Brito
José M. Brandão de Brito Refundação improvável 24.05.2017 José M. Brandão de Brito
A verdade é que a União Europeia continua pouco dinâmica, assimétrica e, acima de tudo, destituída de projeto comum.
José M. Brandão de Brito A túlipa de Frankfurt 17.05.2017 José M. Brandão de Brito
Draghi refugiou-se no alegado sucesso da política monetária do BCE. Este argumento, porém, não é totalmente convincente, pois durante a formação das bolhas tudo parece maravilhoso, até que deixa de o ser.
José M. Brandão de Brito Le Pen não é Trump… mas quase 26.04.2017 José M. Brandão de Brito 22
Por muitas e variadas razões, Le Pen não é Trump, mas desengane-se quem achar não existirem preocupantes semelhanças entre França e os EUA, que mais tarde ou mais cedo poderão degenerar em riscos políticos que agora parecem ter desaparecido.
José M. Brandão de Brito O populismo no Ocidente 11.04.2017 José M. Brandão de Brito
No Ocidente, demasiada gente depende do Estado social, como beneficiário ou funcionário. Isso significa que o Estado social é dificilmente sustentável (por razões económicas) e dificilmente reformável (por questões políticas).
José M. Brandão de Brito Os deuses devem estar doidos  15.03.2017 José M. Brandão de Brito
Euforia e medo são elementos incontornáveis do comportamento humano. São também péssimos conselheiros de investimento. Pois, nem tudo corre sempre bem ou sempre mal: os deuses podem pregar uma ou outra partida, mas não são doidos.
José M. Brandão de Brito Os idos de março de 2017 14.03.2017 José M. Brandão de Brito
No calendário romano, os idos de março correspondem ao dia 15 do mês que evoca o deus da guerra: Marte. A data ficou célebre por ter sido nesse dia do ano 44 a.C. que Júlio César foi assassinado, efeméride que para muitos representa metaforicamente o princípio do fim de Roma.
José M. Brandão de Brito Boas notícias 20.02.2017 José M. Brandão de Brito
As exportações líquidas só são relevantes na perspetiva nominal e não na real em que entram nas contas do PIB.
José M. Brandão de Brito Será que a república tem um "bug"? 16.02.2017 José M. Brandão de Brito
Depois de se impor a toda a concorrência, o republicanismo, aqui entendido como o regime em que o poder é determinado por eleições livres e regulares, está em crise - certamente no Ocidente.
José M. Brandão de Brito Um Presidente para a ocasião 08.02.2017 José M. Brandão de Brito
A verdade é que dificilmente outro protagonista presidencial conseguiria estimular a participação cívica como o está a fazer Donald Trump. Isso é verdade para quem o apoia e para quem o opõe.
José M. Brandão de Brito Compromisso com a Europa 01.02.2017 José M. Brandão de Brito
Na verdade, quem se recusa a reformar as respetivas economias são os governos dos países da periferia, que ao privilegiar os ditames da política doméstica ignoram, por arrasto, a ameaça que impende sobre a moeda única.