Luís Bettencourt Moniz
Luís Bettencourt Moniz 03 de dezembro de 2015 às 00:01

Cientistas de dados: poucos que fazem a diferença

Os dados estão para ficar. O volume duplica em cada ano. Chamamos pomposamente "big data". Isolados não significam nada. Mas analisados e relacionados ajudam-nos a compreender e a descobrir o significado do que nos rodeia, de como agimos, quando e porquê.

Do que podemos prever e antecipar. Mais, do que podemos inovar e transformar. Quer se trate de um centro de investigação ou de um grande operador de telecomunicações, o que se pretende é dar significado aos "tsunamis" de dados que nos chegam de várias fontes.

 

Há três anos, Davenport e Patil escreveram na Harvard Business Review que os cientistas de dados seriam a profissão mais "sexy" do século XXI. Hoje a procura é maior do que a oferta. A fuga dos jovens da Matemática, disciplina central, é uma das causas para existirem poucos cientistas e analistas de dados. É uma mistura de competências analíticas, análise de dados, matemática, estatística, gestão e sistemas de informação. Os poucos com formação académica na área analítica (contam-se pelos dedos os cursos) ou afins (Matemática, Engenharias, etc.) são rapidamente absorvidos pelo mercado nacional e internacional. Para já não falar dos que têm experiência profissional, cobiçados por várias empresas e com salários muito acima da média.

 

Mas não iludamos que se alguém domina técnicas de extracção de dados ou que é exímio na manipulação de "pivot tables" do Excel se torna num cientista ou analista de dados. É preciso muito mais. Dominar metodologias e algoritmos avançados de análise e previsão, técnicas de "data mining" e sólidos conhecimentos de sistemas, matemática e estatística. Conheço vários analistas de dados. É um trabalho árduo, intenso e de resiliência. Muitas vezes frustrante, porque a qualidade dos dados impede resultados bons - a máxima "garbage in, garbage out" aplica-se - a miríade de silos de informação espalhados pela organização, escondidos ou não, dificulta a visão global, mas sobretudo gestores pouco sensibilizados para aceitar a nova fonte de energia das organizações: os dados.

 

A decisão empresarial passou a ser uma decisão baseada em dados. Em informação. A gestão moderna não é possível com crenças, mas sim com informação relevante,  mente aberta e a capacidade de misturar modelos e previsões com a intuição da experiência. Para os cientistas de dados, o único propósito é compreender hoje e prever amanhã o mundo que nos rodeia, as forças que o movem e as ligações entre os protagonistas.

 

Responsável de Marketing no SAS Portugal

A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Cabral leitão 03.12.2015

Gostei particularmente do trecho q diz mais do que inovar ter uma boa análise de "data" pode ser mais importante q a inovação pre si
Concordo
Abraço

pub
pub
pub