Paulo Carmona
Paulo Carmona 11 de julho de 2018 às 20:12

Turismo, esse anjo, esse demónio!

Ter estrangeiros a vir a Portugal trazer e gastar os seus rendimentos tem sido um bónus para nós, talvez o único. É fantástico! Convém compreender que não é grátis.

A FRASE...

 

"O índice de preços da habitação do Instituto Nacional de Estatística (INE) aumentou 12,2% face aos primeiros três meses do ano passado para os 125,58 pontos, o valor mais elevado desde que há registo."

 

Negócios, 22 de junho de 2018

 

A ANÁLISE...

 

Não é fácil ter sol na eira e chuva no nabal. O "boom" turístico tem dado as suas alegrias, para o PIB e para a riqueza dos portugueses, mas há um preço a pagar.

 

O turismo foi o motor do crescimento da riqueza nacional nos últimos dois anos. Coincidiram instabilidades políticas com as eficazes promoções do Turismo de Portugal, divulgando este nosso tesouro desconhecido das gentes, dos recursos monumentais, paisagísticos e da gastronomia. Num país com imensos fatores competitivos, esta "descoberta" apenas peca por tardia. Se bem que a insegurança ajudou, afastando temporariamente do Norte de África e Turquia muitos dos turistas, mas que a esses países estão a voltar. O turismo de férias no Algarve, mais exposto a esses fluxos conjunturais, está com quedas de 10% face a 2017. Esses países têm resorts de muito bom nível e com um custo muito baixo mercê de salários mais competitivos.

 

Em Lisboa e Porto, temos outros tipos de problemas. Primeiro a questão das rendas, pelo efeito do alojamento local temporário, muito mais interessante do que ter rendas a prazo, e depois pela falta de casas para arrendar. Por um lado, temos a reabilitação dum tecido urbano em decadência há vários anos, com pouco sucesso em todas as políticas públicas para o efeito, e por outro lado temos a questão social do despejo rápido e efetivo de muitos inquilinos, como única forma dessa reabilitação se tornar possível e rentável. No caso dos residentes não habituais, a grande questão é o preço das casas. Bem clama o PCP contra a especulação imobiliária, mas esta tem causa nas políticas governamentais de atração de estrangeiros para residência em Portugal, vistos gold e programas de transformação de Portugal numa gigantesca "offshore" de IRS para pensionistas europeus e deserdados do Brexit. Com mais rendimentos, porque Portugal tem empobrecido nos últimos 20 anos, compram as melhores casas e afastam os portugueses dos melhores sítios.

 

Ter estrangeiros a vir a Portugal trazer e gastar os seus rendimentos tem sido um bónus para nós, talvez o único. É fantástico! Convém compreender que não é grátis, e o custo das casas paga isso. Como diz o bêbado: "Invejam os copos que eu bebo, mas não os tombos que eu dou…"

 

Artigo em conformidade com o novo Acordo Ortográfico

Este artigo de opinião integra A Mão Visível - Observações sobre as consequências directas e indirectas das políticas para todos os sectores da sociedade e dos efeitos a médio e longo prazo por oposição às realizadas sobre os efeitos imediatos e dirigidas apenas para certos grupos da sociedade.

maovisivel@gmail.com

pub