Ulisses Pereira O sono antes da agitação 11:27 Ulisses Pereira
A qualquer momento, o mercado pode acordar e ninguém nos vai dar um abanão para abrirmos os olhos.
Camilo Lourenço Como evitar o fim da União Europeia 00:01 Camilo Lourenço 189
O futuro da Europa é o federalismo. Mas as opiniões públicas, sem memória histórica das consequências das I e II guerras mundiais, não estão para aí viradas. Pelo contrário, viram-se para o "orgulhosamente sós", ainda que isso signifique o fim da União ou a regressão ao Mercado Único.
Ontem
Marques Mendes Notas da semana de Marques Mendes 26.03.2017 Luís Marques Mendes
A análise de Luís Marques Mendes ao que marcou a última semana da vida nacional e internacional. Os principais excertos da sua intervenção na SIC.
Bruno Faria Lopes Quem diz que Dijsselbloem é um radical não percebeu a crise do euro 26.03.2017 Bruno Faria Lopes 40
Este bate-boca entre um político do Norte e políticos do Sul lembra-nos que o fosso político, cultural e social entre Norte e Sul continua aberto - e que, num contexto crescente de populismos nacionalistas, é uma das principais ameaças que pairam sobre a moeda única.
Avelino de Jesus Copos e mulheres no pelotão da frente  26.03.2017 Avelino de Jesus 23
No essencial, as reformas necessárias deixaram de se fazer desde 1992. A retribuição logo chegou (portanto, muito antes da chegada do euro) sob a forma de paralisia no processo de convergência.
Francisco Veloso Mercados indiferentes aos 2,1% 26.03.2017 Francisco Veloso 109
É possível que o Governo alegue esquizofrenia e miopia dos mercados face a este resultado do défice, mas porventura seria útil ao Executivo pensar em que medida é que a esquizofrenia não está sobretudo na sua própria atuação.
João Quadros O holandês errante 24.03.2017 João Quadros 1356
Dijsselbloem disse que os países do Sul gastam tudo em álcool e mulheres. O mais incrível é dizer isto como se fosse mau. Quem me dera ter gasto tanto dinheiro em boémia como gastei em bancos.
Manuel Falcão A esquina do Rio 24.03.2017 Manuel Falcão 73
À medida que se vai desenrolando a meada dos problemas da banca portuguesa, fica-se com uma certeza: durante cerca de uma década, já neste século, instituiu-se um grupo de pessoas e de empresas que concentraram em si um endividamento sistemático que foi rodando de banco para banco
Jorge Marrão As direitas de esquerda 24.03.2017 Jorge Marrão 101
A responsabilidade de tudo isto não é da esquerda: é da direita/centro-direita que ainda não se libertou do paternalismo esquerdista centrado no PS fundador da democracia.
Paulo Carmona A injustiça e outros temas nas dívidas do Estado? 24.03.2017 Paulo Carmona
Sejamos justos, pois este Governo e o anterior não têm grande margem de manobra e a manta é curta.
pub
pub