Patrícia  Abreu
Patrícia Abreu 07 de janeiro de 2018 às 19:15

13, o número da sorte para as acções europeias 

Os recordes sucessivos nos índices accionistas norte-americanos estão a fazer soar os alarmes dos grandes bancos de investimento globais.

As bolsas dos EUA vivem um "bull market" que dura desde 2009 e continua sem sinais de parar. Depois de a Europa já ter sido eleita a região preferida para investir no último ano, em 2018, multiplicam-se as recomendações favoráveis às acções europeias. Desta vez cabe ao Citigroup promover a aposta no Velho Continente. Numa nota de investimento citada pela Bloomberg, o banco de investimento coloca o índice europeu Stoxx 600 a negociar nos 460 pontos no final do ano, o que implica um disparo de 18% face à cotação actual.

Os especialistas justificam estas previsões optimistas com a expectativa de que a recuperação da economia europeia ajude a sustentar o crescimento dos resultados das cotadas e suportar a negociação. Ainda que também estejam positivos para a Europa, os especialistas do Goldman Sachs têm estimativas mais moderadas. A confirmar-se a subida antecipada pelo Citi para 2018, trata-se do melhor desempenho do índice desde 2009 e do melhor comportamento anual face às acções dos EUA em 13 anos. Pode dizer-se que 13 é o número da sorte para as bolsas europeias.

 

Jornalista

pub