Luís Pais Antunes
Luís Pais Antunes 16 de dezembro de 2016 às 07:00

2016: O ano em que o mundo começou a mudar

É quase um lugar-comum dizer que 2016 não foi um ano como os outros, tal a sucessão de acontecimentos julgados tão inesperados quanto improváveis.

Da afirmação da geringonça à vitória de Portugal no Europeu de futebol, do Brexit ao triunfo de Donald Trump, os sucessivos meses do ano foram rivalizando entre si na estranheza, estupefação e incredulidade que em muitos de nós causaram.

Num mundo em que todas as surpresas são possíveis, não terão sido muitas as vezes em que a conjugação de fatores alegadamente improváveis terá conduzido a tantos resultados tão pouco esperados. Alguns dirão que foram apenas acasos; outros, que a "tempestade perfeita" já vinha dando sinais da sua aproximação; outros ainda recordarão, mais uma vez, que o fim do mundo tal como o conhecemos está cada vez mais próximo. Muitos não querem nem saber, limitando-se a esperar – e muitas vezes a contribuir para ele… – pelo próximo "grande choque".

Os eventos, por mais imprevisíveis que pareçam, têm quase sempre explicações relativamente fáceis, sobretudo depois de ocorrerem. Sobre cada um dos exemplos que acima referi (e vários outros poderia acrescentar à lista) foram já escritas milhares de páginas e não serei eu certamente quem irá desenvolver uma qualquer teoria revolucionária capaz de os explicar de forma inovadora, simples e pragmática…

Sem pretender desvalorizar os factos marcantes do ano que agora acaba, há um aspecto, contudo, que me vem suscitando alguma reflexão: a cada vez maior tendência para confundirmos a vontade das pessoas com aquilo que muitos ou apenas alguns de nós gostariam que fosse essa vontade. Se excluirmos a epopeia futebolística nacional por terras de França (o futebol rege-se mesmo por outras "leis"…), a quase totalidade dos eventos "improváveis" que marcaram o ano não é mais do que o resultado da vontade de um conjunto mais ou menos alargado de cidadãos que decidiram fazer determinadas escolhas.

Num mundo cada vez mais dominado pela metalinguagem e pela pós-verdade, tendemos a estranhar tudo o que não corresponda a uma determinada forma de ver a realidade e a privilegiar uma visão "oficial" e "politicamente correcta" dos factos em detrimento daquela que é a opinião ou o sentimento das pessoas relativamente àquilo que as rodeia. O inesperado das escolhas não resulta tanto assim do facto de essas mesmas escolhas serem improváveis, mas tão-só de não corresponderem ao que uma determinada visão das coisas entende ser o mais adequado aos interesses do colectivo.

Os exemplos do Brexit e da eleição de Donald Trump (bem como das sequelas para as quais nos devemos preparar…) tendem a demonstrar que a desconfiança crescente relativamente ao poder estabelecido e a importância das redes sociais como fonte de informação quebraram aquela espécie de "manual de como as coisas devem funcionar" que ao longo dos tempos permitia conhecer os resultados "antes do final do jogo".

Mas idêntico raciocínio se poderá aplicar também ao precipitado vaticínio do fim rápido da "geringonça". O manual dizia que os partidos da extrema-esquerda nunca se acomodariam ao exercício do poder em conjunto com partidos burgueses e que rapidamente sabotariam orçamentos e vetariam tudo o que viesse de Bruxelas, criando o caos. Nada menos verdadeiro como facilmente se tem percebido. Bastou para tal que esses partidos aceitassem trocar alguns incómodos por vantagens julgadas mais relevantes para a defesa dos respetivos interesses. 

Advogado
Este artigo está em conformidade com o novo Acordo Ortográfico

A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 16.12.2016


Ladrões FP & CGA SEMPRE A ROUBAR À GRANDE

Por que razão o cálculo da pensão da sua CGA era mais generoso do que o cálculo da pensão do regime geral?

Porquê?

Por que razão uns tinham reforma de filhos e outros reforma de enteados?

Esta discrepância logo à partida é que é razão para indignação, meu caro amigo.

A equiparação prometida é da mais elementar justiça.

Por que razão trabalha V. Exa. menos 5 horas semanais do que os trabalhadores dos sectores privados?

Pior: além de trabalhar menos horas, ainda tem direito a mais dias de férias.

Porquê?

Que razões podem justificar estes privilégios injustificáveis?

Que aritmética laboral pode justificar esta diferença entre V. Exa. e a restante população?

Que equidade pode existir aqui?

comentários mais recentes
MARCA UMA CONSULTA DE GASTROENTEROLOGIA 17.12.2016

Temos pena, mas no que diz respeito à geringonça, como displicentemente escreves, irás ter que gerir a tua azia, mal ou bem.
Olha, vai à Rua de São Caetano à Lapa, para os lados da Estrela, onde está sedeada uma agremiação em vias de falência, que dá pelo nome de PSD e pede RENNIE, que há lá muito

Anónimo 16.12.2016


Ladrões FP & CGA SEMPRE A ROUBAR À GRANDE

Por que razão o cálculo da pensão da sua CGA era mais generoso do que o cálculo da pensão do regime geral?

Porquê?

Por que razão uns tinham reforma de filhos e outros reforma de enteados?

Esta discrepância logo à partida é que é razão para indignação, meu caro amigo.

A equiparação prometida é da mais elementar justiça.

Por que razão trabalha V. Exa. menos 5 horas semanais do que os trabalhadores dos sectores privados?

Pior: além de trabalhar menos horas, ainda tem direito a mais dias de férias.

Porquê?

Que razões podem justificar estes privilégios injustificáveis?

Que aritmética laboral pode justificar esta diferença entre V. Exa. e a restante população?

Que equidade pode existir aqui?