Manuel  Falcão
Manuel Falcão 21 de Outubro de 2016 às 10:10

A esquina do Rio

60% dos açorianos não quiseram participar nas recentes eleições da região autónoma. Seis em cada dez abdicaram de um direito que, supostamente, proporciona a escolha do caminho a seguir.
Back to basics
Jogar pelo seguro é desistir de jogar.
Robert Altman

Votar
60% dos açorianos não quiseram participar nas recentes eleições da região autónoma. Seis em cada dez abdicaram de um direito que, supostamente, proporciona a escolha do caminho a seguir. É um número elevado e que tem crescido em Portugal e na Europa. Para o ano, teremos eleições autárquicas e a expectativa vai desde o regresso de alguns dinossauros locais até ao eclodir de mais candidaturas independentes. Vamos ver qual é o pano de fundo da participação dos eleitores. A verdade é que as pessoas andam fartas de votar para, depois, viverem resultados bem diferentes das promessas que políticos de todos os partidos lhes arengaram nas respectivas campanhas. No caso das autárquicas, a coisa ainda se complica mais quando, de repente, como aconteceu em Lisboa, houve quem votasse em António Costa para presidente da Câmara e depois, quando este se lançou para o Governo, se visse com Fernando Medina pela frente a criar um autêntico terramoto. Tudo isto desprestigia o sentido dos votos e o efeito prático das eleições. A abstenção só se combate se os políticos não mentirem e se cumprirem as promessas eleitorais - a história recente mostra que estas são duas impossibilidades em termos reais e o resultado é o descrédito do sistema. Para quê votar, se depois fazem tudo ao contrário? A culpa da abstenção não é dos eleitores nem o problema se resolve com lições e campanhas de sensibilização. Resolve-se com mudanças profundas nos partidos, com essa coisa tão rara que se chama honestidade, um bem escassíssimo na política.

Dixit
Não temos muito tempo até um novo ponto de ruptura que, temo, terá consequências sobre o conjunto dos portugueses, bem maiores do que o episódio do início desta década.
António Nogueira Leite

Semanada
 Há cerca de ano e meio, um grupo de 12 economistas do PS, antes das eleições que possibilitaram que Costa tivesse o seu momento de poder, anunciavam que, em 2017, o PIB ia crescer 3,1%, o investimento disparar 8,4%, as exportações acelerar 6,3% e o emprego, 1,9%  Segundo o OE 2017, apresentado pelo Governo Costa, a economia só vai crescer 1,2% este ano e 1,5% no próximo  Os mesmos economistas garantiam que o investimento seria o grande motor da economia e diziam que podia crescer 7,8% em 2016 e 8,4% em 2017  O OE 2017 diz que o investimento vai cair 0,7% este ano para crescer 3,1% no próximo  Os mesmos economistas previam que o consumo privado tornaria a procura interna mais relevante: os gastos das famílias iam acelerar 2% em 2016 e 2,9% em 2017  O OE 2017 prevê que o consumo privado suba 2% este ano e desacelere para 1,5% no próximo. Podiam ser pequenos erros, podiam ser pequenos desvios, são um grande engano, são o exemplo acabado de uma demagogia empacotada com um carimbo de conhecimento, vazio como agora se vê  Foi um engano usado em vésperas de eleições para sustentar um programa eleitoral feito de promessas que não se cumprem, como agora é cristalinamente claro para todos  Em vez destas promessas, Costa pôs-se a aumentar impostos, que tinha prometido reduzir. Criou novas taxas, não reduziu os que antes prometera diminuir. Aqui está mais um caso de uma revoltante diferença entre promessas eleitorais e realidades governamentais  O PS, com o apoio do Bloco e do PCP na política orçamental, não é melhor do que os seus antecessores. Havia quem achasse o contrário.

Folhear
A Guerra & Paz tem uma colecção chamada Livros Amarelos, com a capa da cor indicada, na sua versão canário. Acontece que esta semana, por causa da passagem de uns alemães amarelos em Alvalade, essa cor me aborrece um pouco. Mas tenho de reconhecer que esta colecção não só tem um grafismo irresistível, como apresenta uma selecção de textos invulgares, e que hoje em dia são difíceis de encontrar. Uma das suas mais recentes edições agrupa o Cântico dos Cânticos, de Salomão, com o "Manual de Civilidade Para Meninas" de Pierre-Félix Louÿs. Num texto incluído nesta edição, Eugénia de Vasconcelos fala da tradução que fez do "Cântico dos Cânticos" e explica como um texto bíblico escrito cinco séculos antes de Cristo se mantém tão interessante - e de certa forma actual - nos dias de hoje. Num outro texto, o editor, Manuel S. Fonseca, faz a ligação possível entre o poema ao amor que é o "Cântico dos Cânticos" e o manual de desabrida libertinagem e erotismo galopante escrito por Pierre-Félix Louÿs no final do século XIX e que ainda hoje nos consegue surpreender. De qualquer forma, como noutras edições desta colecção, a junção de textos tão diversos num mesmo livro funciona ao mesmo tempo como uma provocação e como uma revelação. E esse é um dos grandes prazeres que estes livros amarelos proporcionam.

Gosto
Da Bienal de Fotografia de Vila Franca de Xira, dedicada ao tema "Arquivo e Observação". 

Não gosto
Os 60% de abstenção nos Açores são um muito mau sinal para o que aí vem em matéria de eleições. 

Ver
Esta semana, aconselho uma visita à Sociedade Nacional de Belas Artes, na Rua Barata Salgueiro 39. Nas suas belas salas estão duas exposições que se recomendam. A primeira é a que mostra algumas das obras da colecção de fotografia da firma de advocacia PLMJ e chama-se "Uma Extensão do Olhar - Art & Law", ficando patente até 4 de Novembro. Aqui se mostram trabalhos de Alfredo Cunha, entre outros, intercalando com advogados que descobriram a fotografia, cruzando olhares treinados e primeiros passos no exercício de saber ver, no contexto de um concurso interno de fotografia, na Sociedade PLMJ. A segunda exposição começa na SNBA, mas prolonga-se pela vizinhança. Cartazes do Cinema Português é uma organização da Academia Portuguesa de Cinema, da Cinemateca Portuguesa e do Instituto do Cinema e Audiovisual, e é a primeira grande mostra dedicada aos cartazes dos filmes portugueses, ao longo de toda a sua história. Na SNBA está a maior parte do acervo, desde os anos 40 até à actualidade; na Cinemateca Portuguesa, mesmo em frente, está a parte dedicada ao cinema mudo e à filmografia de Manoel de Oliveira; e no Hotel Tivoli, na Avenida da Liberdade, está a parte relativa à obra de José Fonseca e Costa. Exposição Cartazes do Cinema Português, patente até 30 de Novembro.

Arco da velha
A falta de bilhetes no Metro de Lisboa não se deveu a um bruxedo nem a um azar, como um governante foi dizer ao Parlamento. Será verdade que se deve apenas ao singelo facto de o Metro não ter pago ao fornecedor desses bilhetes, durante meses e meses a fio?

Ouvir
Não sei bem onde hei-de colocar Wim Mertens - se como compositor, se como pianista, se como contra-tenor ou apenas como um tipo que esgotou a imaginação há umas décadas e ainda ninguém teve a coragem de lhe dizer, porque ele, de todo, não dá por isso. De qualquer maneira, tem muitos fãs e, para seu deleite, vem cá tocar no Misty Fest em Novembro, no CCB. Tem um disco novo, chamado "What are we, locks, to do?", a segunda parte de uma trilogia de canções sem chama, cujo conteúdo infelizmente é de difícil compreensão. Mertens, um belga da região flamenga, tornou-se conhecido graças ao seu trabalho inicial com os Soft Verdict, à sua colaboração com o realizador Peter Greenaway na banda sonora de "The Belly Of An Architect" e, sobretudo, através das versões de um dos seus temas mais conhecidos, "Close Cover", que foi um dos êxitos da compilação de dança Café Del Mar. Desde 1980 já editou mais de cinco dezenas de álbuns. Este "What are we, locks, to do?" já está disponível no mercado português, pela mão da Warner Music.  

Provar
A Mesa do Bairro tem sensivelmente um ano de vida e a sua cozinha é orientada por Luís Baena. Fica no edifício do antigo mercado do Arco do Cego, bem perto do Liceu D. Filipa de Lencastre. Toda a zona parece estar a sair de um bombardeamento, tal a confusão de ruas esventradas e sentidos de trânsito cortados e invertidos que agora por ali abundam, gentileza deste desgraçado edil lisboeta que nos calhou em rifa. A entrada do restaurante dá para uma garrafeira bem fornecida, com algumas escolhas dignas de nota e um extenso catálogo. O curioso é que quem subir ao restaurante pode escolher cá em baixo um dos vinhos e levá-lo para acompanhar a refeição, ao preço de venda na garrafeira (que é honesto), acrescido de uma taxa de rolha (taxa de serviço) perfeitamente razoável. A sala é ampla e luminosa e existe um terraço que acolhe uma esplanada abrigada. A lista é de clara inspiração portuguesa - com entradas que vão dos peixinhos da horta a belos croquetes de vitela, passando por uma raridade nos dias que correm - ovos verdes. Nos peixes, destaque para as pataniscas de bacalhau e para o polvo suado com batata doce e, nas carnes, destaque para os pastéis de massa tenra com arroz de grelos e um rabo de boi desfiado, enformado e assado no forno, acompanhado por genuíno puré de batata. Quem queira tem bons bifes e as batatas fritas às rodelas finas são boas. Nos doces, destaque para o pastel de nata ou o arroz doce com gelado de canela. Nalguns casos, nota-se que um pouco mais de cuidado na cozinha seria bem-vindo para evitar que alguns pratos fiquem acidentalmente condimentados a mais ou a menos e outros fiquem demasiado cozinhados. Mas o serviço é acolhedor, o local é simpático e a relação qualidade-preço é boa. Tem campo para melhorar e esperemos que sobreviva ao degredo das obras que o cercam. Mesa do Bairro, Rua Reis Gomes, Tel: 961 459 220.


A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana


SALÁRIO MÉDIO DOS PROFESSORES PORTUGUESES É O 3.º MAIS ALTO DA EUROPA, EM 2015 (antes da reposição dos salários da FP).

"No caso dos docentes com salários mais altos, em que o rendimento dos docentes é superior ao PIB per capita, Portugal aparece em destaque como o terceiro com salários mais elevados da Europa: Bosnia (327%), Chipre (282%) e Portugal (245%)."

Relatório Eurydice.