Luís Marques Mendes
Luís Marques Mendes 06 de Novembro de 2016 às 21:12

Notas da semana de Marques Mendes

A análise de Luís Marques Mendes ao que marcou a última semana da vida nacional e internacional. Os principais excertos da sua intervenção na SIC.

MARCELO PRESSIONA A CAIXA

 

O Presidente falou claro e grosso. A sua declaração produziu três efeitos:


Primeiro: deu uma monumental bofetada no ministro das Finanças. Centeno tinha dito que os administradores da CGD estavam desobrigados de apresentar declarações ao TC. Marcelo veio dizer o contrário. Ou seja, desautorizou o ministro das Finanças. Centeno já tinha sido subtilmente desautorizado pelo PS e pelo PM. Agora, foi desautorizado pelo Presidente da República sem dó nem piedade.


Segundo: fez um xeque-mate a António Domingues e aos gestores da Caixa. Os gestores deixaram-se colocar numa posição insustentável. Primeiro, não têm o apoio de nenhum partido; depois, António Costa tirou-lhes o tapete; finalmente, nenhum português percebeu até hoje as razões das recusas em apresentar as declarações ao TC. Pois bem. Marcelo fez-lhes um xeque-mate: têm de apresentar declaração; se o TC tiver outra interpretação, a AR fará nova lei; e, no final, se não aceitarem demitam-se. Xeque-mate.

 
Finalmente: o Presidente deu uma ajuda a António Costa. Primeiro, ao corroborar a tese do PM (Costa já tinha sinalizado que os gestores tinham de apresentar as declarações); depois, ao retirar a pressão sobre o Governo e ao colocá-la em cima dos gestores da CGD e em cima do Tribunal Constitucional.

 
Aqui chegados, as pessoas perguntam: mas como é possível tamanha trapalhada? Do que apurei, podem concluir-se os seguintes factos:

Domingues fez ao Governo o pedido para ser desobrigado de apresentar as declarações ao Tribunal Constitucional (até terá apresentado um projecto de lei nesse sentido);
Mário Centeno e o seu secretário de Estado Mourinho Félix acabaram a fazer-lhe essa promessa, embora a escondendo da opinião pública;
Só que o Decreto Lei de Julho foi aprovado em Conselho de Ministros no pressuposto de que as declarações seriam exigíveis. Os ministros saíram da reunião com essa garantia.

Conclusão: ou houve algum mal-entendido, ou mais uma descoordenação, ou o ministro das Finanças geriu este processo com enorme amadorismo. O que já é habitual.  

 

 

E AGORA? DOMINGUES RECUA OU DEMITE-SE?

 
Ainda está tudo muito indefinido. Neste momento há quatro hipóteses em cima da mesa:


a) 
Ou apresentam voluntariamente as declarações;

b) Ou são obrigados a fazê-lo pelo TC;

c) Ou são forçados a fazê-lo por lei da AR;

d) Ou se demitem.

 
Eu, se estivesse no lugar deles, apresentava já amanhã, de forma voluntária, as declarações ao Tribunal Constitucional, invocando o apelo feito pelo Presidente da República. Corresponder a um apelo do PR é um acto de dignidade e humildade. É a melhor saída que podem ter para o impasse criado.

As alternativas que têm são todas humilhantes:

Primeira alternativa: não fazem nada voluntariamente e aguardam uma ordem do Tribunal. É uma humilhação. Humilhação muito provável, uma vez que, segundo apurei, o mais provável é o TC secundar a interpretação do PR e notificá-los mesmo a apresentar as declarações;


Segunda alternativa: serem forçados pelo Parlamento. É que, se o Tribunal diz que a lei de 1983 não se aplica (solução pouco provável), então os partidos vão fazer nova lei na AR para se ultrapassar o impasse. E isso é uma nova humilhação.

Terceira alternativa: demitem-se. Por muitas razões que invoquem, ficam péssimo na fotografia. Saem de rastos. Dão cabo da Caixa, da sua carreira e do seu futuro. Ninguém os defenderá.

 

Finalmente, o efeito bom-senso e humildade. Depois da declaração do PR, acho que António Domingues devia ter um gesto de humildade. Afinal, tem a equipa que queria, tem o salário que queria, tem a recapitalização que queria. É tempo de não esticar mais a corda. Está a ser um embaraço pra toda a gente. 

NOVO BANCO

5 propostas – Muito positivo para um banco com prejuízos. Todas reconhecem o potencial do Banco.
5 propostas que valorizam, todas elas, a Rede de Retalho do Banco – sobretudo a rede de apoio às PME.
5 propostas – quatro para venda directa; uma (chineses) para tomarem uma participação de controlo e prepararem uma futura venda em Bolsa. 

Conclusões: 

a) Primeiro: pelas propostas apresentadas, está garantido que o Banco será mesmo vendido. O processo não será anulado.

b) Segundo: está garantido que a decisão final será tomada até final deste ano.



O 2º ORÇAMENTO DE COSTA

 
Há um ano poucos podiam imaginar o que está a suceder: António Costa está de pedra e cal; já teve dois orçamentos aprovados e sem dificuldades de maior; e o mais provável é que daqui a um ano consiga aprovar o terceiro. Ou seja: António Costa é o Senhor Todo-Poderoso.

 
Por que é que tudo isto sucede? Por três razões essenciais:

a) Primeira: António Costa não tem oposição. Como se vê no Parlamento e se reflecte nas sondagens.     

Debate na AR esta semana – a oposição não fez mossa no Governo, não lhe criou uma única dificuldade
Sondagens – o PS a subir e o PSD em queda. Ainda esta semana o PSD registou (sondagem da Aximage) o resultado mais baixo dos últimos 12 meses (já são 10 pontos de diferença para o PS).


b) 
Segunda: António Costa controla completamente os seus parceiros de coligação. PCP e BE estão totalmente domesticados. Primeiro, porque gostam do poder; depois, porque não arriscam provocar uma crise; terceiro, porque a forma como o PSD actua ajuda a cimentar a coligação governamental.

c) Terceira razão: a cobertura do Presidente da República. António Costa está a beneficiar hoje do mesmo efeito que o ex-PM Cavaco Silva beneficiou entre 1986 e 1991 do apoio público do ex-Presidente Mário Soares.

Ou seja, António Costa tem apoio à esquerda, ao centro e à direita. Pedir mais é impossível.


Conclusão: Enquanto estas três condições se mantiverem, dificilmente António Costa perde o poder.

 

 

WEB SUMMIT

 
É um grande momento para Portugal. Durante uma semana Lisboa vai ser a capital mundial do empreendedorismo e das tecnologias de informação. Basta ver os seguintes números: 55 mil participantes, contra 40 mil o ano passado em Dublin; 15 mil empresas participantes; Mais de 7 mil presidentes de grandes empresas; 165 países representados (mais de 80% dos países do mundo).

 
É uma grande oportunidade para a nossa economia.


a) O ano passado, na Irlanda, a Web Summit teve um impacto directo na economia de 100 milhões de euros. Este ano, estima-se o dobro (200 milhões);


b) O ano passado, o levantamento de financiamento foi de mil milhões/ano. Estima-se o dobro este ano.

 
É Portugal nas "bocas do mundo" pelas melhores razões. Basta ver quem são os Media Partners Internacionais: Finantial Times; CNBC;     Bloomberg; Guardian; Newsweek.

 
Finalmente, um cumprimento aos maiores responsáveis por esta iniciativa. Os ex-governantes Paulo Portas e Leonardo Matias, o Secretário de Estado João Vasconcelos e o Presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina.

 

AS FALSAS LICENCIATURAS 

 
Os factos:

Duas entrevistas polémicas: do Ministro da Educação e do seu ex-Secretário de Estado, por causa de um chefe de gabinete.
Duas atitudes lamentáveis. Acusações e contra-acusações entre um governante e um ex-governante.

O que é que tudo isto significa?


a) 
Primeiro: tudo isto é lastimável. De parte a parte. São dois cidadãos – um Ministro e outro ex-Secretário de Estado – a lavarem roupa suja na praça pública e a mostrarem, em directo e ao vivo, que não têm sentido de estado.

b) Segundo: tudo isto é ridículo. Viemos a saber que dois governantes passaram horas e horas a litigar, não pela melhoria da educação e do desporto, mas sim por uma Adjunta e um chefe de gabinete. Isto é ridículo.


c) 
Terceiro: para o grande público (e até muitos jornalistas) tudo isto pode ser surpresa. Mas infelizmente é mais habitual do que se pensa. Isto é a consequência do efeito da pressão dos aparelhos dos partidos e das juventudes partidárias na colocação das clientelas nos gabinetes governantes.

Sucede com o PS e sucede com o PSD.
Sucede mais com Ministros Independentes ou que não têm grande peso político para baterem o pé aos aparelhos partidários.
E sucede porquê? Porque os partidos querem colocar pessoas nos gabinetes ministeriais; e os Ministros querem agradar aos chefes partidários para não serem internamente criticados.

 

FRANÇA ALDRABA DÉFICE

 
Esta semana veio a saber-se que a França e a UE fizeram um acordo para que a França pudesse maquilhar o seu défice (apresentando previsões falsas) e evitasse, desse modo, ser sancionada por Bruxelas por não cumprir a meta do défice.

 
Mais do que grave, o que isto revela é o retrato actual da Europa. O estado a que chegou a Europa.


Já não é apenas uma Europa sem estratégia, sem liderança e sem decisão. É mais do que isso.

Primeiro: é uma Europa a fingir, a fazer de conta. Faz de conta que tem regras. Faz de conta que aplica regras. Faz de conta que cumpre regras. É a Europa do faz de conta.

Segundo: é uma Europa com dois pesos e duas medidas. Em teoria, todos os Estados são iguais. Na prática, os mais fortes safam-se e os mais fracos sofrem as consequências.

Finalmente: isto é o suicídio político de Hollande e de muitos políticos europeus. A imagem que passa é que são todos iguais e que são todos muito maus.

 

 

ELEIÇÕES NOS EUA – QUEM VENCE?

 

Três apontamentos:

Primeiro: Hillary Clinton vai vencer. Mas vê-se que com outro adversário republicano perderia, sem dó nem piedade. E porquê? Porque cometeu erros imperdoáveis; Porque encarna, aos olhos dos americanos, muitos dos vícios maiores de que padece a política americana; Porque não tem a empatia que tinha Obama. Parece uma candidata muito artificial e pouco genuína.

 
Segundo: E porquê o fenómeno Trump?

Primeiro: porque foi subestimado por Republicanos e Democratas. No início deste processo, os Republicanos desvalorizaram-no (acharam que era um epifenómeno). E os Democratas até o estimularam para tentarem dividir os Republicanos (ele até tinha relações de amizade com o casal Clinton!). Uns e outros ajudaram a construir o Monstro.

Segundo: porque é um produto do populismo. Do populismo que existe na Europa e nos EUA. As pessoas estão revoltadas com a política tradicional e agarram-se a um qualquer referencial de mudança.


Terceiro: O day after – A grande questão é o que vai suceder a seguir a terça-feira.

Se a vitória de Clinton for forte e clara, entramos num período de normalidade. A nova Presidente sairá fortemente legitimada.

Se a vitória for curta, vamos ter provavelmente um problema sério com Trump. Ele vai pedir recontagens. Forçar impugnação. Criar um ruido que só prejudica a imagem dos EUA.

A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Tiger Há 3 dias

You've really helped me untersdand the issues. Thanks.

Kairi Há 3 dias

I'm grufteal you made the post. It's cleared the air for me.

Torn Há 3 dias

Umm, are you really just giving this info out for nointhg?

Anónimo Há 3 semanas

Há comentadores que quando comentam causam sempre um efeito contrario ao que pretendiam, se tivessem juízo estavam calados, sejam eles de que partido sejam.

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub