Manuel  Falcão
Manuel Falcão 09 de dezembro de 2016 às 10:10

A esquina do Rio

Tenho para mim que o estado de graça do Governo se deve a duas coisas: à habilidade de António Costa e à inabilidade da oposição.
Back to basics
Dar dinheiro e poder ao governo é a mesma coisa que dar bebidas alcoólicas e as chaves de um carro a um adolescente.
P. J. O'Rourke

Repimpante
Tenho para mim que o estado de graça do Governo se deve a duas coisas: à habilidade de António Costa e à inabilidade da oposição. As duas coisas juntas, polvilhadas pelo tempero de afectos do Presidente da República, deram o que está à vista. Para que não surjam más interpretações, devo dizer que a habilidade de António Costa inclui alguma eficácia negocial em Bruxelas, tácticas bem imaginadas e bem utilizadas em algumas situações mais explosivas e, acima de tudo, uma enorme capacidade de só dizer o que lhe interessa, construindo uma realidade própria e negando tudo o que ele entenda não caber dentro dessa realidade. Isto é uma arte - ou, melhor dizendo, estes pontos são parcelas dessa arte a que se chama política. Se existir um Óscar para a melhor ficção política, António Costa ganha-o de certeza absoluta.
Nestes últimos dias, e a propósito do primeiro aniversário do seu Governo, o primeiro-ministro esteve envolvido em duas manobras de comunicação política pura, ambas a tender (usando palavreado da moda) para uma versão pós-verdade das conversas em família. A primeira era uma ideia engraçada, mas acabou por sair frouxa, e tinha a ver com uma produção ensaiada na Aula Magna da Reitoria de Lisboa em que um grupo de pessoas, seleccionadas pelo Instituto de Ciências Sociais, colocava perguntas ao chefe do Governo e aos seus ministros. A outra foi a entrevista concedida à RTP.
Sobre a forma como António Costa se desempenhou das duas tarefas, opto por citar um dos próprios entrevistadores, André Macedo, que, referindo-se ao espectáculo da Aula Magna, acabou por fazer o retrato geral da situação e escreveu o seguinte sobre a prestação do primeiro-ministro: "transformou o debate numa imensa piscina olímpica aquecida, habilmente aproveitada por António Costa para se banhar repimpamente". Tudo indica que, com a oposição adormecida, este Governo vai ter longa vida. Mais vale, a bem de nós todos, que isto não corra mal. Mas, temos sempre que ter presente, como dizia Galileu perante a Inquisição, falando sobre o movimento da Terra, "e pur si muove!". Quer dizer, a realidade acaba por se sobrepor à fantasia. Às vezes, com custos pesados.

Semanada
 Num estudo internacional, realizado de três em três anos, que avalia a literacia dos alunos de 15 anos de idade em Ciências, Leitura e Matemática, os jovens portugueses ficaram pela primeira vez à frente da média da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico  a Segurança Social fecha três lares ilegais por mês  O Tribunal de Contas acusa o Ministério das Finanças de "falta de controlo" na Caixa Geral de Depósitos (CGD) entre 2013 e 2015, salientando que o Estado aprovou documentos de prestação de contas sem ter a informação completa  nos últimos dois anos, houve 33.360 processos ligados à criminalidade económica e foram feitas 297 acusações por corrupção  17 empresas portuguesas são fornecedoras da agência espacial europeia e o Governo fala em criar uma agência espacial portuguesa  segundo a Marktest, 3,6 milhões de portugueses já têm o hábito de ler notícias através do tablet ou do smartphone, o que significa que o número destes utilizadores quadriplicou desde 2013; nos últimos três anos, foram multados três mil condutores por não obedecerem às novas regras de circulação em rotundas  2015 foi o ano com menos greves desde 2010 - 95 verificadas no ano passado que comparam com as 199 registadas em no início da década  2012 foi o ano com mais greves, 233; o congresso do PCP, realizado este fim-de-semana, caucionou o apoio comunista ao Governo de António Costa.

Dixit
Quando se perde, não se finge que não aconteceu nada.
Matteo Renzi, Primeiro-ministro italiano, após a derrota no referendo.

Ver
Até 26 de Fevereiro, na renovada sacristia da Igreja de Nossa Senhora da Conceição Velha, na Rua da Alfândega, em Lisboa, pode ser vista a exposição "Mater Dei", que apresenta obras de 25 artistas contemporâneos portugueses, que foram desafiados a criarem peças inspiradas na figura de Maria (na imagem). A exposição inclui trabalhos de escultura, pintura, desenho e outras técnicas de artistas como Manuel Amado, Rui Chafes, Ilda David, João Queiroz, Pedro Calapez e Cristina Ataíde. O pároco de São Nicolau, Mário Rui Pedras, explica que não foi feito "qualquer tipo de limitação do ponto de vista nem da sua vida de fé, nem da sua orientação como artista". Destaque ainda para a exposição de Miguel Telles da Gama na Giefarte, até 13 de Janeiro (Rua da Arrábida 54B). O artista mostra a sua produção mais recente com um conjunto de obras a que deu o nome de "Vanishing Act". Observador de detalhes, contador de histórias através de imagens, estas suas obras conjugam o hiper-realismo da pintura com as palavras usadas para cada peça, a constituir uma narrativa ao longo da sala onde estão em exposição.
Há aqui, até no título escolhido para a exposição, uma evocação quase cinematográfica do olhar, como se o artista fosse realizando planos e contraplanos, numa cuidada edição de diálogos e de olhares.

Gosto
O sector da cortiça vai fechar 2016 com valor recorde nas exportações, cerca de 950 milhões de euros.

Não gosto
A Câmara Municipal de Lisboa escondeu, no seu site, os atrasos verificados nas obras com o expediente de mudar as datas inicialmente previstas de conclusão dos trabalhos.

Folhear
"Tabacaria" é um poema escrito por Fernando Pessoa, sob o heterónimo Álvaro de Campos, em Janeiro de 1928, publicado pela primeira vez na revista Presença em Julho de 1933. É considerado como um dos mais importantes poemas de Pessoa e o crítico e escritor italiano Antonio Tabucchi considerava-o mesmo o poema mais importante do século XX. "Tabacaria" pertence à fase intimista do heterónimo Álvaro de Campos, onde os temas são a solidão interior, a incapacidade de amar, a descrença em relação a tudo e o conflito entre a realidade e o próprio poeta. Esta belíssima nova edição, da "Guerra & Paz", inclui a versão original portuguesa e ainda traduções para inglês, francês, espanhol e italiano. É composta por um livro, de 176 páginas, muitíssimo bem paginado e impresso, onde, além de Tabacaria nos cinco idiomas, estão recolhidos um conjunto de textos agrupados sob a designação "A Tabacaria vista de outra janela - das páginas íntimas de Fernando Pessoa". Estes textos, que vários estudiosos do poeta consideram autobiográficos, são reproduzidos nas versões originais em que foram escritos - em português, inglês e francês. O livro inclui ainda um texto do editor, Manuel S. Fonseca, e 25 fotografias de Pedro Norton, em que ele mostra a Baixa de Lisboa, digamos que o território natural do poeta. Numa pasta separada estão agrupadas estas 25 fotografias, em impressões de alta qualidade. O livro e a pasta com as fotografias estão guardados numa caixa de madeira de choupo e de maple, impressas a laser e UV e feita em Proença-a-Nova na empresa Ambiente d'Interni - a caixa, só por si, é uma obra. O grafismo e o design global foram de Ilídio Vasco. Trata-se de uma edição especial, de coleccionador, com uma tiragem numerada de 1500 exemplares.

Arco da velha
O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras admite desconhecer a quantos imigrantes ilegais concedeu autorização de residência sem o cumprimento da principal exigência de entrar legalmente no espaço Schengen.

Ouvir
Já lá vão 14 anos de Dead Combo, esse encontro musical  de dois talentos - Tó Trips na guitarra e Pedro Gonçalves no baixo. O novo disco chama-se  "Dead Combo e As Cordas Da Má Fama" - sendo que essas cordas são Carlos Tony Gomes, no violoncelo, Bruno Silva, na viola, e Denys Stetsenko, no violino. O objectivo era recriar, com esta formação alargada, 12 temas da história dos Dead Combo, como  "Quando A Alma Não É Pequena", "A Menina Dança", "Lisboa Mulata", "Rodada", "Puto Que Cais Descalço", "Welcome Simone"  e "Anadamastor", entre outros. Como se deseja nestas ocasiões, as versões estão diferentes e para melhor - mas mantêm-se as melodias originais e o espírito de desafio que os Dead Combo sempre imprimiram à sua música, algures entre a tradição portuguesa e as bandas sonoras de westerns. Por falar em filmes, é curioso notar como a imagem em movimento acompanha a história dos Dead Combo - desde a banda sonora escolhida por Anthony Bourdain para o seu episódio de "No Reservations" sobre Lisboa até à música que compuseram para "Slightly Smaller Than Indiana", de Daniel Blaufuks, até ao facto de terem sido convidados a actuar na estreia, em Cannes, do filme "Cosmopolis", de David Cronenberg, produzido por Paulo Branco. Este é o seu primeiro disco desde "A Bunch Of Meninos", de 2014.

Provar
Apanhar com crianças num restaurante pode ser, por vezes, um pesadelo e muitos restaurantes não acolhem bem estes pequenos clientes. Outros recebem-nos de braços abertos e até têm espaços para eles brincarem. Que isto acontece em cadeias de "fast-food" já se sabia. Mas que isto aconteça num restaurante dedicado à cozinha tradicional portuguesa e onde se come verdadeiramente bem, já é mais raro. O 13% Restaurante fica no Porto, na zona da Foz, e, além da sala, tem uma esplanada coberta e um jardim onde, caso o tempo o permita, as crianças podem estar à vontade. Talvez por isso é procurado ao fim-de-semana para almoços de família ou de amigos. O serviço é muito simpático, sempre disponível e as mesas são amplas e confortáveis.
Na cozinha as coisas correm muito bem e a casa tem várias especialidades: rosbife à inglesa, cabrito assado com arroz de forno, batatas e grelos, filetes de polvo com açorda de coentros, e, claro, dobrada. Boa garrafeira a preços sensatos. Nos doces, destaque para o crumble de maçã com gelado e o leite creme. Durante a semana, ao almoço, há um menu especial. Fecha às terças. Marcação recomendável, especialmente ao fim-de-semana. O 13% Restaurante fica na Rua da Cerca 440, telefone 912 332 690.


A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Mr.Tuga 09.12.2016

Bom!

pub