Luís Marques Mendes
Luís Marques Mendes 26 de novembro de 2017 às 21:03

A avaliação de Marques Mendes a António Costa e aos ministros

As notas da semana de Marques Mendes nos seus comentários na SIC. O O ex-ministro e antigo líder do PSD faz uma avaliação aos dois anos do governo da geringonça, começando pelos ministros e terminando em António Costa. A liderança do PSD e a polémica do Infarmed também estão em foco.

 

2       ANOS DE GOVERNO

 

  1. Evocação de dois anosEsta evocação de dois anos de governo acontece no pior momento da vida do Governo e, sobretudo, num período de uma grande contradição:
  • Por um lado, o Governo está em alta nas sondagens e tem a economia em alta;
  • Por outro lado, politicamente está a viver um tempo como nunca viveu: à deriva, fragilizado, descoordenado, parecendo um governo esgotado e de mera gestão.

 

  1. Cerimónia de Evocação de 2 Anos: foi um acto de propaganda. Atá aí tudo normal. Os governos costumam fazê-lo. Acho é que representa um acto de propaganda sem qualquer eficácia:

a)      Primeiro: as perguntas são demasiado genéricas para suscitarem emoção. Se fossem especialistas a perguntar, outro galo cantaria!

b)      Segundo: é tudo muito longo, o que torna a cerimónia uma maçada.

c)      Terceiro: soa a publicidade. E o que soa a publicidade não é eficaz em política.

 

  1. O Governo – em dificuldades – pensa que o seu problema é de comunicação. Logo, que se resolve comunicando mais e melhor. Engana-se. O seu problema é político. Só se resolve com política. Com coordenação política, com iniciativa política, com decisão política. E isso é que falta.

 

AVALIAÇÃO DO GOVERNO

 

 Os Melhores Ministros

  • Mário Centeno – Apesar da ajuda da economia europeia, tem inequívocos resultados a apresentar.
  • Santos Silva – O pensamento político mais sólido do Governo.
  • Vieira da Silva – Um peso pesado que é referência de solidez e dredibilidade.
  • Maria Manuel Leitão Marques – Uma Ministra discreta mas eficiente.
  • Matos Fernandes – Uma boa surpresa. Politicamente inteligente e reformador.
  • Adalberto Campos Fernandes – Concilia conhecimento técnico com visão política. Apesar da precipitação do Infarmed.
  • Pedro Marques – Outro Ministro que surpreendeu pelo pragmatismo e pela eficácia.

 

Ministros que Satisfazem

  • Francisca van Dunen – Uma Ministra competente mas aquém das expectativas na acção e nos resultados.
  • Capoulas Santos – Se a reforma florestal resultar, passará a ser um dos bons ministros. Para já é só papel.
  • Ana Paula Vitorino – Uma boa técnica que tarda em assumir uma acção marcante.
  • Manuel Heitor – Outro Ministro competente mas demasiado discreto.
  • Caldeira Cabral – É excelente pessoa e a economia tem resultados. Mas precisava-se de mais dinâmica e peso político.
  • Eduardo Cabrita – Como Ministro Adjunto foi demasiado apagado. Como MAI pode vir a ser um óptimo Ministro.
  • Azeredo Lopes – Nesta qualificação é manifestamente o Ministro que mais está na corda bamba. Não é o responsável por Tancos mas o fantasma de Tancos não o larga.

 

Ministros que Não Satisfazem

  • Castro Mendes – Tem sido um Ministro relativamente irrelevante.
  • Tiago Brandão Rodrigues – Um erro de casting. No Ministério ou manda Mário Nogueira ou manda a Secretária de Estado Alexandra Leitão.

 

Mais Que Ministro

  • Pedro Nuno SantosUm Secretário de Estado que já devia ser Ministro. É, na prática, o Ministro dos Assuntos Parlamentares e o principal responsável pelo bom funcionamento da geringonça. O único Secretário de Estado que se destaca e um Secretário de Estado que tem influência que a maioria parte dos Ministros.

 

O Líder

  • António Costa

– Num Governo que é o mais unipessoal de todos os que tivemos até hoje, o PM é o abono de família do Governo. Se o PM age bem, o Governo funciona bem. se o PM age mal, o Governo funciona mal.

– Na acção do PM, há nestes 2 anos duas fases: o antes de Pedrógão e o depois de Pedrógão. Antes, sempre em alta; depois, com altos e baixos. Ultimamente com demasiadas fragilidades.

Mas está a fazer história. Na estabilidade política e no crescimento económico. E se chegar ao fim da legislatura é o candidato mais sério a ganhar as eleições de 2019.

 

AVALIAÇÃO DO GOVERNO

 

Pontos Positivos

  • Estabilidade política e paz social – Uma mais-valia.
  • Reforço do sistema financeiro – Uma acção certeira.
  • Crescimento económico – Um marco importante, apesar da ajuda europeia.
  • Saída da lista negra dos défices excessivos – Um momento histórico.
  • Devolução de rendimentos – Uma medida justa, apesar do calendário arriscado.

 

Pontos Negativos

  • Ausência de medidas de fundo – É um governo sem instinto reformador.
  • Falta visão de futuro – É chapa ganha, chapa gasta.
  • Fraca redução do défice e da dívida – É a maior oportunidade desperdiçada.
  • O drama dos incêndios – Símbolo de irresponsabilidade.
  • O puxão de orelhas de Marcelo – O pior momento na vida do Governo.

 

Em conclusão:

  • Um Governo que, na estabilidade e na economia, suplantou as expectativas; na visão política, desilude – não reforma nem prepara o futuro; e, nas causas, começa a dar a sensação de que está esgotado.

 

DESAFIOS DE ANTÓNIO COSTA

 

  1. Primeiro desafio: levar a legislatura até ao fim.
  • Se levar o mandato até ao fim, será sempre um vencedor. Fará história e apresentar-se-á como garante da estabilidade.
  • Se não chegar ao fim, terá sempre de lidar com o efeito derrota. Significa que a geringonça falhou e ele foi o seu ideólogo.

 

  1. Segundo desafio: ter a economia em alta e o desemprego em baixa, de forma sustentável.
  • Conseguir este objectivo pode ser duplamente importante: em termos nacionais, porque esta será a legislatura com o maior crescimento do século; depois, porque em termos eleitorais as pessoas votam sobretudo com a carteira e com o dinheiro que têm no bolso.

 

  1. Terceiro desafio: saber lidar com os seus parceiros e com os seus adversários.
  • Relação com parceiros: a geringonça, tal como a conhecemos, acabou. O PS estará cada vez mais sozinho e cada vez menos acompanhado. PCP e BE serão cada vez mais oposição e menos solidários com o Governo. Tudo isto vai criar problemas ao PS. Gerir esta nova etapa sem impasses é o grande desafio de Costa.
  • Relação com adversários: o PSD vai ter um novo líder. E o PM vai querer dialogar com ele. Se conseguir, isso será uma grande vitória para o PM. Apresentar-se-á ao eleitorado com um trunfo imbatível – o líder que consegue dialogar com todos, à esquerda e à direita.

 

  1. Último desafio: obter uma maioria absoluta.
  • Este é o desafio mais desejado, mais difícil de alcançar e o que vai ter, desde já, consequências nefastas para o país.
  • É que o Governo vai entrar desde já em modo de campanha eleitoral. Eu receio que vamos ter 2 anos (2018 e 2019) de campanha eleitoral permanente. A campanha começou hoje.
  • Um desastre para o país – É que em modo de campanha eleitoral tomam-se medidas que não se devem tomar e não se tomam aquelas que se devem tomar.
  • Conclusão: corre o risco de nem governar nem vir a ter a maioria absoluta.

 

A LIDERANÇA DO PSD

 

  1. Primeiro apontamento: esta é uma campanha que não entusiasma ninguém. Primeiro, porque é uma campanha demasiado virada para dentro; depois, porque é uma campanha excessivamente burocrática. Falta política. Faltam temas políticos e debate político mobilizador.

 

  1. Segundo apontamento: há uma falha de ambos os candidatos. É na política. Um e outro estão a fugir ao confronto com António Costa. Um e outro estão a fugir a apresentar as suas diferenças políticas em relação ao PS e ao Governo. Um e outro estão a fugir a explicar a sua estratégia política, programática e eleitoral. E isto é uma falha enorme:
  • O líder do PSD é candidato a PM, logo, deve falar para o país.

 

  1. Terceiro apontamento: apesar de continuar a ser uma disputa muito equilibrada, pressentem-se duas tendênciasPedro Santana Lopes parece ter uma ligeira vantagem no aparelho partidário; Rui Rio, ao contrário, parece levar algum avanço no chamado voto livre dos militantes.

 

  1. Último apontamento: debates entre os candidatos. Estamos a mês e meio da eleição e não há nenhum debate marcado. Isto não é compreensível. No início, Santana Lopes exagerou ao sugerir a ideia de 20 debates. Agora Rui Rio exagera ao não dar abertura para um ou dois debates. Nunca se verificou uma eleição interna sem, pelo menos, um debate público.

 

A POLÉMICA DO INFARMED

 

  1. Sou um grande defensor da descentralização e da desconcentração dos serviços. E já disse mesmo que o Estado se devia obrigar a, quando cria um novo serviço, instalá-lo obrigatoriamente fora de Lisboa.

 

  1. Posto isto, acho esta decisão um completo disparate.

a)      Primeiro, porque isto não é um plano estruturado de descentralização. Nem sequer um prémio de consolação para o Norte. Isto é uma medida pontual e desgarrada destinada apenas a evitar que se discutisse a derrota que Portugal teve em Bruxelas com a Agência do Medicamento. Isto é politiquice barata.

b)      Segundo, porque esta é uma decisão tomada em cima do joelho. A prova é que o Governo decidiu e só agora é que vai estudar. Tudo ao contrário do que deve ser. Normalmente estuda-se primeiro e decide-se a seguir. Parece uma brincadeira de crianças.

c)      Terceiro, porque esta é uma transferência de fachada. Para o Norte vai a sede, a placa e a Direcção do Infarmed. Em Lisboa fica tudo o resto. Conclusão: há um desmembramento do Infarmed que só é prejudicial. E o Porto, na prática, não ganha nada. Só me surpreende que o Porto ainda agradeça esta fantochada.

d)      Quarto: decidir sem ouvir ninguém, designadamente os trabalhadores, é de muito mau gosto. Ainda por cima, vindo de um Governo de esquerda. Não é que os trabalhadores devem ser o único ou principal critério de decisão. Mas num serviço altamente sofisticado como o Infarmed, isto pode ser um convite à perda de trabalhadores altamente qualificados ou à sua desestabilização, o que é péssimo para o interesse público.

 

  1. Mas este caso tem ainda uma leitura política.
  • Desde 15 de Outubro (dia da última tragédia dos incêndios), todas as semanas temos um caso a "manchar" a imagem do Governo.
  • Foi o desastre dos incêndios; foi a remodelação em circuito fechado; foi o caso da legionella; foi o episódio do Panteão; foi a questão dos professores; é agora o Infarmed. E o mais que virá a seguir.
  • O governo está meio à deriva e o PM a perder o pé.

 

 

A sua opinião9
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
A geringonça foi uma dádiva de Deus. Há 2 semanas

Nasceu no berço a sacar os nossos impostos,e continua com as suas chorudas reformas,e nada de último para o país,só para os caciques e amigos do PSD dos artistas do laranjal escavacado

francisco rodrigues Há 2 semanas

Alguém me sabe dizer qual a diferença entre este e o Camilo Lourenço? E o que já fizeram eles de útil ao País? E o que fazem? Quanto ganha este de reforma?

rsantos Há 2 semanas

O meia leca continua com as suas projecções adivinhatórias.

Anónimo Há 2 semanas

Em minha ultima visita a Portugal
Achei tudo muito bom
Limpeza
Segurança
Modernidade
Já vi muito pior em anos anteriores
Precisamos conhecer outros países
Para valorizar mais esse país maravilhoso
Portugal

ver mais comentários
pub