Eduardo Cintra Torres
Eduardo Cintra Torres 29 de junho de 2017 às 09:00

[715] Sport Lisboa e Benfica

A esmagadora maioria dos anúncios que vejo na televisão é tão sensaborona, tão previsível, tão igual à anterior, tão publicitariamente correcta, que me surpreende.

Tive de voltar atrás na box para perceber bem o anúncio. Passou antes do separador de publicidade da SIC, no intervalo do Jornal da Noite de terça-feira. Era um anúncio "de actualidade" do Sport Lisboa e Benfica, ironizando a partir das revelações do director de Comunicação do Futebol Clube do Porto no canal do clube.

 

Não percebi porque passou antes do separador de publicidade, sendo publicidade. Os canais têm "regras" que não são exactamente regras quanto à colocação de anúncios. Este passou depois de uma autopromoção e antes do separador que antecede o intervalo para anúncios comerciais.

 

Porque não entendi bem o anúncio? Porque era surpreendente, ao parodiar as declarações de Francisco J. Marques no Porto Canal a respeito de emails internos do Benfica a que o clube portuense teve acesso. Mas foi principalmente porque o anúncio era muito rápido e o actor pronunciava "Red Pass" com um sotaque portuense que me dificultou a compreensão.

Procurei na Internet e encontrei a versão longa do anúncio. Aqui:

https://www.youtube.com/watch?v=dXaok5qO7dQ Com mais texto, percebia-se melhor. A versão televisiva na SIC, além de mais curta, é ligeiramente diferente na escolha dos "takes" do actor.

 

A narrativa do anúncio é a leitura de um email "do Departamento Comercial para o Departamento de Marketing do Benfica".

 

Na versão longa, o anúncio tem laracha. O actor continua: "Eu 'bou-bos' ler, porque isto tem muito interesse as pessoas saberem." Lê: "Boas! Este ano, o 'Red-a-Pass' tem uma 'nobidade'." E passa a recitar uma nova facilidade do Red Pass para os adeptos que o comprarem. Entretanto, o ecrã partilha a imagem de estúdio com detalhes do suposto 'email'. O email termina com "Cumps", por "cumprimentos", palavra que o actor lê como se fosse de grande gravidade e profundidade.

 

De seguida, vê-se um plano aberto do estúdio, mostrando o imitador de Francisco J. Marques sentado na mesa com três bonecos. Um dos manequins não tem cara. No fundo digital do estúdio, azul, vêem-se imagens alusivas aos feitos do SLB no futebol.

 

O actor termina dizendo "Esta coisa do Red Pass para mim é um cambalacho. É uma tramóia que eles têm só para terem o estádio sempre esgotado. Investigue-se". Entra uma voz off explicando as vantagens do Red Pass, que inclui poder pagar-se a prestações, tipo casa ou carro.

 

Na versão longa (1'17), a paródia resulta, pois precisava de tempo para "respirar", para se poder gozá-la. Com cerca de 25 segundos, a versão curta do reclame não permite esse usufruto, dado que o tipo de reclame obriga o espectador a necessitar primeiro de entender do que se trata e processar a informação, só depois podendo descodificar a ironia. Suponho que os adeptos do futebol e os conhecedores, que serão milhões, destas tricas da bola terão entendido mais facilmente do que eu, mas mesmo assim considero a versão curta um certo fracasso na comunicação da mensagem.

 

Usando a arma de comunicação do inimigo, o SLB consegue na versão longa, ao mesmo tempo, publicitar o produto Red Pass, gozar com as emissões do FCP no Porto Canal dedicadas aos emails e, finalmente, fazer o exorcismo catártico às relevações ali feitas, que perturbaram não só o clube como todo o obscuro "sistema" do futebol português, desde as estruturas federativas aos árbitros.

 

Faz falta este tipo de publicidade: surpreendente, combativa, pressupondo um adversário comercial, que é destroçado pela ironia da mensagem. A esmagadora maioria dos anúncios que vejo na televisão é tão sensaborona, tão previsível, tão igual à anterior, tão publicitariamente correcta, que me surpreende, isso sim, que haja ainda tantos espectadores a acompanhá-la. Espero que esta campanha do SLB tenha despertado o apetite de anunciantes e publicitários. Nem que seja para avançarem para contra-ataques, do mesmo calibre irónico e divertido, do Futebol Clube do Porto e do Sporting Clube de Portugal. 

A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
cesariny 30.06.2017

Utilizar um espaço como este, para exercer uma opinião inclinada e sem qualquer abstenção da parte clubistica, deixa-me um bocado desconfiado de todos os artigos económicos que eu ainda tomava como credíveis.

Anónimo 29.06.2017

Porque ninguém quere discutir o teor dos emails ?

Afonso Coelho 29.06.2017

Publicidade terrível, a meu ver. Goza com a pronúncia de outra província (província essa que tem bastantes benfiquistas). Face a isto, só posso considerar que se trata de publicidade típica de um clube provinciano, dado que associa um sotaque claramente a um clube.

Aleks 29.06.2017

Mexer com a clubite que alastrou nos últimos tempos à sociedade (desportiva) portuguesa, tem disto: comentários que não conseguem ver para além do que lhes afecta directamente. Alguns comentários serão certamente postados aqui, criticando o seu elogio ao departamento de marketing do Benfica (seja ele merecido ou não...).
Encontrar na adversidade um caminho, ou uma janela de oportunidade para promover o seu produto, venha de onde venha, merece obviamente elogios.

ver mais comentários