Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Camilo Lourenço
Camilo Lourenço 16 de novembro de 2017 às 21:30

A administração pública está condenada à mediocridade

O Negócios recordava há dias que há 220 mil funcionários do Estado que progridem por antiguidade. Fazendo as contas ao contingente atual de funcionários públicos, o número representa quase 45% do total.

Estes dados ilustram duas coisas. Que o sistema de progressão na carreira, que está na base da evolução profissional de quem trabalha para o Estado, está obsoleto. A segunda constatação resulta das consequê

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais
A sua opinião64
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado JCG Há 3 semanas

Há coisas que só quem as viveu pessoalmente fica alertado para facetas de que outros que apenas bolsam postas de pescada teórica e abstractas jamais se darão conta.
Por ex, no BES havia avaliações do mérito profissional. Alguém admitirá que um trabalhador que se tivesse apercebido das trapalhadas e vigarices que por lá andavam e que tivesse deixado escapar algum desconforto com elas algum dia teria avaliação profissional capaz para ser promovido?
O fraco desempenho de subalternos tem sempre como responsável quem organiza o seu trabalho ou quem o contratou. Pode-se pensar que nas empresas a estrutura hierárquica de cima a baixo reflete os interesses gerais e legítimos da organização. Quem pensar isso está muito enganado.
Quanto maior for a organização mais espaço haverá para se formarem "tribos" ou coutos com interesses próprios (que não os da empresa), em geral conflituantes, em que a avaliação e a subserviência pessoal inerente funcionam como instrumentos de arregimentação às tri

comentários mais recentes
Quem conhece o convento.... Há 3 semanas

Camarada " QUEM CONHECE O CONVENTO É QUE SABE O QUE VAI LÁ DENTRO" ! Por saber esse provérbio é que me dá o DIREITO de escrever "BACORADAS" , não gosta ? Ponha há borda do prato não insulte quem não deve .Se está lá METIDO ,não tenho pena de si pois enganou mta gente séria , honesta e trabalhador

Progressista Há 3 semanas

No século XXI onde os mais jovens altamente qualificados se deparam com precariedade no emprego, ter progressões por antiguidade é uma absoluta aberração. Tiques Leninistas.Há muitos e excelentes funcionarios que merecem progredir, mas tb há muitos que merecem ser despedidos. Progressao so c mérito!

Só manhosice, só meias verdades, tudo enrolado Há 3 semanas

Este governo da geringonça, a única coisa que fez, foi enganar o pagode. Deram uns missemos tostões nas reformas e salários mas, aumentaram os impostos indirectos. Aumentaram alguns valores no orçamento, mas depois, cativaram os gastos, de nada serviu os valores no orçamento

Quem conhece o convento é quem lá está dentro Há 3 semanas

Camarada Observador, deixe de dizer bacoradas, se fosse recatado nas suas observações todos tínhamos a ganhar, deixando de infernizar as pessoas com ditames da treta. As coisas não são tão simples, nem brancas nem pretas, há sempre um mas que não conhecemos.

ver mais comentários
Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub