Teresa Damásio
Teresa Damásio 18 de outubro de 2017 às 20:03

A cidadania e a educação

O papel da educação em geral e das instituições de ensino em particular tem sido muito discutido desde o final da Segunda Grande Guerra e várias têm sido as organizações e programas criados para o efeito.

A Constituição da UNESCO(1), que foi assinada, pelos trinta e sete países fundadores, a 16 de novembro de 1945, e, entrou em vigor, a 4 de novembro de 1946(2), foi o primeiro grande passo, no âmbito do Direito Internacional Público, para a voz a dar à educação enquanto garante da paz e da concórdia entre os Estados.

 

Com a fundação da Comunidade Económica Europeia e com os sucessivos tratados que deram origem àquilo que hoje conhecemos como União Europeia, a educação e o conhecimento tiveram desde sempre um papel estrutural na definição de todas as políticas comunitárias. O programa ERASMUS(3) foi desde o início um porta-voz de excelência dos valores europeus, nomeadamente pelas competências que são adquiridas pelas cidadãs e pelos cidadãos que participam nas mobilidades e pelo que isso significa de adesão ao projeto europeu por parte das instituições de ensino, bem como, pelas empresas participantes.

 

É aceite pela generalidade das pessoas que a cidadania europeia tem nas escolas dos Estados-membros os melhores embaixadores.

 

Em Portugal, a educação(4) tem sido cada vez mais palco de grandes alterações dogmáticas e legislativas e a discussão acerca da escola enquanto promotor da mudança está desde a Revolução de Abril inscrita em todos os programas do sucessivos governos.

 

A cidadania e a escola ocupam hoje planos curriculares e centenas de linhas nos diferentes documentos escritos a propósito das referidas reformas. A Estratégia Nacional de Educação para a Cidadania (ENEC)(5) é um dos últimos exemplos das políticas públicas de educação no nosso país.

 

Quando olhamos para o flagelo dos incêndios que têm assolado Portugal desde junho passado, em que a tragédia de Pedrógão Grande e a destruição que assolou a Beira ficará para sempre na nossa memória, percebemos que ainda há muito para fazer na escola.

 

Desde o programa Eco Escolas aos diversos programas e campanhas pela cidadania, as nossas alunas e os nossos alunos têm efetivamente sido educados para a sustentabilidade e para o respetivo para e com a natureza.

 

Mas, é preciso ir mais longe. É preciso trabalhar de facto com toda a comunidade educativa. É preciso que as associações de alunos, as associações académicas, as associações de antigos alunos, as associações de pais, os diferentes conselhos que existem nas escolas e nas universidades, inscrevam a cidadania em todas as suas vertentes como eixo estrutural da respetiva missão.

 

Todos os projetos educativos têm de estar centrados na cidadania, na sua dimensão pessoal e coletiva.

 

Assim, conseguiremos que a cidadania e a escola sejam simbióticas e estaremos a promover o desenvolvimento da humanidade.

 

(1)http://portal.unesco.org/en/ev.php-URL_ID=15244&URL_DO=DO_TOPIC&URL_SECTION=201.html

 

(2)A Austrália, o Brasil, o Canadá, a China, a Checoslováquia, a Dinamarca, a República Dominicana, o Egipto, a Grécia, França, a Índia, o Líbano, o México, a Nova Zelândia, a Noruega, a Arábia Saudita, a África do Sul, a Turquia, o Reino Unidos e os Estados Unidos da América foram os Estados signatários que ratificaram a Constituição da UNESCO.

(3)https://erasmusmais.pt

 

(4)Ver a este propósito o nosso artigo de 20 de setembro de 2017 http://www.jornaldenegocios.pt/opiniao/colunistas/teresa-damasio/detalhe/a-promocao-da-igualdade-e-da-justica-social-atraves-da-escola

 

(5)http://www.dge.mec.pt/estrategia-nacional-de-educacao-para-cidadania

 

 

Administradora do ISG | Instituto Superior de Gestão e do Grupo Ensinus

Artigo em conformidade com o novo Acordo Ortográfico 

A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Mr.Tuga Há 1 dia

Concordo!!!

É preciso urgentemente mudar mentalidades e cultura dos tugas. Muitos saem da faculdade com canudo mas sem saber o que é a CIDADANIA!
É preciso investir na CIDADANIA, pois com ela vem a ÉTICA e RESPOSABILIDADE SOCIAL, AMBIENTAL, etc....

pub