Fernando  Sobral
Fernando Sobral 25 de Outubro de 2016 às 09:37

A City está a fazer as malas. E o governador do Banco de Inglaterra?

As águas estão turvas no Reino Unido. O "hard Brexit" não deixa ninguém sossegado. Começam a surgir notícias de que alguns bancos estão a pensar mudar de residência. E o governador do Banco de Inglaterra, Mark Carney, está sob fogo cerrado dos defensores da saída do Reino Unido da UE.


No conservador Spectator já se especula se o sucessor de Carney não poderá ser Jacob Rees-Mogg (de uma conhecida família britânica), que muitos consideram um populista mimado, a suceder-lhe. Mas a bomba maior foi lançada por Anthony Browne, o presidente executivo da Associação de Banqueiros Britânicos, que no Observer escreveu: "As mãos (dos bancos internacionais) estão a tremer sobre o botão da mudança. Muitos bancos pequenos planeiam começar a recolocação antes do Natal; os bancos maiores esperam iniciar a operação no primeiro trimestre do próximo ano." Seria um duro golpe no Reino Unido, já que a actividade bancária é a maior exportação do país. Isso não trava os defensores do "hard Brexit", como diz Ben Chu, no Independent:
"Estão a atacar os banqueiros centrais, pressionando-os a fazer o que querem ver ou a dizer o que querem ouvir." Mais: "Isto não tem que ver com as decisões políticas individuais (do BdI) serem boas ou más. É sobre a integridade das nossas instituições democráticas, uma das quais, desde 1997, foi a independência operacional do BdI."

No Observer, Andrew Rawnsley, apimenta o debate, interrogando-se se Theresa May é uma "dama de ferro" como Margaret Thatcher. E se mantém a ordem no Governo. Thatcher gostava de ministros que argumentassem quando estavam contra as suas decisões. Quanto a May: "Ela ganhou popularidade nos eleitores projectando-se como competente mão no leme. Essa imagem vai ser difícil de manter quando o público começar a perceber que a sua tripulação tem as mãos na garganta uns dos outros."


A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
A City está a fazer as malas para onde? Há 1 semana

Era bom que Portugal aproveitasse a oportunidade do brexit para atrair essas empresas financeiras para cá uma vez que temos o mesmo fuso horário que o Reino Unido. Mas com as políticas, burocracias, taxas, que cá temos ... Dublin deve ser bastante mais competitiva que Lisboa.