Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Camilo Lourenço
Camilo Lourenço 29 de outubro de 2017 às 21:30

A Comissão devia exigir superávites orçamentais

A Comissão Europeia olhou para o OE 2018 e descobriu problemas: as promessas de ajustamento estrutural de 0,5% (abaixo dos 0,6% pedidos por Bruxelas) não batem certo e a despesa primária sobe acima dos 0,1% recomendados.

Os alertas de Bruxelas não são novos (em 2016 foi igual), só que agora deviam ser mais severos. Porquê? Porque Portugal precisa de acelerar o ajustamento estrutural das contas públicas: como a dívida roç

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais
A sua opinião26
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado JCG Há 2 semanas

Bom, eu não sei qual é a relação laboral do Camilo Lourenço com este jornaleco, mas é certo que ele é o que aqui aparece a bolsar mais postas de pescada pelo que deduzo que ele tenha alguma notoriedade por aí. Então sugiro-lhe que fale por aí com os escrevinhadores que é para ver se o jornal começa a mostrar alguma coerência na mensagem que emite. É que títulos como "a maior redução da dívida" ou "folga orçamental" e coisas do género só ajudam à confusão. Diga por aí que o conceito de dívida pública que deve ser tido em conta é o de dívida pública em montante, em euros. Esqueçam a dívida pública em % do PIB. E que vejam se conseguem enfiar na caixa craniana que só poderá haver redução da dívida pública se a conta/ orçamento anual do Estado apurar saldo positivo (mas o saldo global; não o saldo primário). Nem que seja 1 milhão de euros. Qualquer valor positivo do saldo já servirá para reduzir a dívida. O sinal será importantíssimo e a redução da taxa de juros também, estou certo.

comentários mais recentes
Economista2000, voltaste? Há 2 semanas

Conseguiste fugir do Júlio de Matos ou deixaram-te arejar um bocadinho antes de tomares os remédios?

6666666666666666666666666666666666666666666 Há 2 semanas

Este Camilo deve sofrer mesmo da cabecinha. Se uns dias diz uma coisa n dia seguinte diz o contrário. Mas q quer este desmiolado? Não sei c ainda escreve neste jornal. Tenha o partido q já se sebe q é aqui deve s isento e verdadeiro. Chega de dar pancada em quem n sequer fala nele. s n está b imigra

Economista2000 Há 2 semanas


Com exigências ou sem exigências a pressão financeira continua a aumentar de forma intensamente suave e irá continuar a orientar novas ""cernelhadas"" intensamente suaves.

Taxa de sal, taxa de carvão, etc, etc.

Economista2000 Há 2 semanas


Com exigências ou sem exigências a pressão financeira continua a aumentar de forma intensamente suave e irá continuar a orientar novas ""cernelhadas"" intensamente suaves.

Taxa de sal, taxa de carvão, etc, etc.

ver mais comentários
Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub