Xu Weili
Xu Weili 25 de Outubro de 2016 às 20:20

A cooperação entre a China e os países de língua portuguesa subiu para um novo nível

A 5.ª Conferência Ministerial do Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Fórum de Macau) realizou-se, com assinalado sucesso, entre os dias 11 e 12 de outubro, em Macau.

Dos principais eventos constaram a cerimónia de abertura, o lançamento do projeto do Complexo da Plataforma de Serviços para a Cooperação Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa, a Conferência Ministerial e a Conferência dos Empresários e dos Quadros da Área Financeira entre a China e os Países de Língua Portuguesa.

 

Na cerimónia de abertura destacou-se a presença do primeiro-ministro da República Popular da China, Li Keqiang, que na sua intervenção proferiu um discurso temático, no qual apresentou o novo enquadramento para a promoção da cooperação económica e comercial entre a China e os países de língua portuguesa, tendo ainda aproveitado a ocasião para enaltecer a contribuição da RAEM, através do seu papel da plataforma, na concretização bem-sucedida da estratégia nacional de "Um país, dois sistemas". Li Keqiang anunciou, em nome do Governo da China, 18 novas medidas para a promoção da cooperação económica e comercial entre a China e os países de língua portuguesa em cinco áreas de destaque: cooperação da capacidade produtiva, cooperação para o desenvolvimento, cooperação humana e cultural, cooperação no domínio do mar e papel de Macau como plataforma.

 

O primeiro-ministro de Portugal e os dirigentes dos países participantes presentes na Conferência Ministerial deixaram palavras de grande apreço pelos excelentes resultados já verificados no domínio da cooperação económica e comercial entre a China e os países de língua portuguesa, sublinharam o desejo de dar ainda um maior destaque ao mecanismo do Fórum de Macau, elevando o nível de cooperação para um novo patamar unindo esforços para a construção conjunta da plataforma de Macau.

 

Na Conferência Ministerial, as partes dos países participantes assinaram o "Plano de Ação para a Cooperação Económica e Comercial (2017-2019)" e o "Memorando de Entendimento sobre a Promoção da Cooperação da Capacidade Produtiva". O plano de ação tem como principal referência a iniciativa "Uma faixa, uma rota", visando alargar as áreas e aumentar o nível de cooperação entre as partes. O referido Memorando de Entendimento incorpora seis aspetos no âmbito da cooperação da capacidade produtiva entre a China e os países de língua portuguesa participantes no Fórum de Macau.

 

A Conferência Ministerial procurou valorizar ao mais alto nível a construção da Plataforma de Serviços para a Cooperação Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa de Macau, confirmando o apoio a Macau utilizando as suas vantagens singulares para a sua contribuição na afirmação do princípio de "Um país, dois sistemas", elevando cada vez mais o seu papel central na cooperação económica e comercial entre a China e os países de língua portuguesa.

 

As medidas anunciadas e os resultados obtidos nesta conferência foram reconhecidos e apreciados pelos países de língua portuguesa. Os participantes consideraram, de forma unânime, que o Fórum de Macau abre portas de cooperação, perspetivando-se que os resultados desta conferência irão elevar o nível de cooperação económica e comercial entre a China e os países de língua portuguesa e fomentar o desenvolvimento e a prosperidade comum. Os países participantes ainda afirmaram o seu empenho em aprofundar a sua própria contribuição no mecanismo do Fórum de Macau, comprometendo-se em fazer o melhor acompanhamento para a concretização das metas e objetivos acordados durante a conferência, elevar o nível para um novo patamar e a contribuição de Macau como plataforma, assim como continuar a aprofundar a integração das relações económicas e comerciais bilaterais e multilaterais.

 

Atualmente, as relações sino-portuguesas estão no melhor período da História. As relações económicas e comerciais bilaterais estão maduras e estáveis. O comércio bilateral cresceu de forma constante e o investimento da China em Portugal continua a expandir-se, alargando as áreas de cooperação. A cooperação trilateral tem sucessos notáveis. No futuro, vamos trabalhar em conjunto com todos os setores de Portugal a fim de implementar ativamente a 5.ª Conferência Ministerial do Fórum de Macau, expandir ainda mais a cooperação bilateral entre a China e Portugal, e promover a cooperação económica e comercial entre a China e os países de língua portuguesa para um novo nível.

 

Conselheira Económica e Comercial da Embaixada da China em Portugal

 

Este artigo está em conformidade com o novo Acordo Ortográfico

A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar